Efeitos do consumo de probióticos sobre as bifidobactérias intestinais de pacientes celíacos

Flávia MARTINELLO Camila Fontana ROMAN Paula Alves de SOUZA Sobre os autores

RESUMO

CONTEXTO

Indivíduos saudáveis apresentam uma concentração de bifidobactérias fecais significativamente maior em comparação a pacientes celíacos. Apesar de haver benefícios potenciais no uso de probióticos na doença celíaca, estes têm sido pouco explorados como uma terapia adjuvante.

OBJETIVO

Este estudo objetivou a comparação do pH e concentração fecal de bifidobactérias entre pacientes celíacos e indivíduos saudáveis antes e após o consumo diário de 100 g de iogurte contendo probiótico por um período de 30 dias.

MÉTODOS

Foram analisadas fezes de 17 pessoas saudáveis e 14 pacientes celíacos, tendo sido realizada a coprocultura para o isolamento e quantificação de bifidobactérias fecais. Além disso, o método de Gram foi empregado na análise microscópica das colônias, enquanto a identificação do gênero Bifidobacterium foi feita através da determinação da enzima frutose-6-fosfato fosfocetolase. O pH fecal foi medido usando um pHmetro calibrado.

RESULTADOS

A concentração de bifidobactérias fecais antes do consumo do iogurte probiótico foi significativamente maior em indivíduos saudáveis (2.3x108±6.3x107 UFC/g) quando comparada aos celíacos (1.0x107±1.7x107 CFU/g). Por outro lado, o pH fecal de ambos os grupos não apresentou diferença significativa. Após o consumo diário de iogurte contendo probiótico, ambos os grupos tiveram um aumento significativo na concentração de bifidobactérias fecais, entretanto indivíduos saudáveis apresentaram concentrações de bifidobactérias significativamente maiores (14.7x108±0.2x108 UFC/g) do que o grupo celíaco (0.76x108±0.1x108 UFC/g). Os valores de pH obtidos de ambos os grupos não foram significativamente diferentes, sendo de 7.28±0.518 para os pacientes celíacos e de 7.07±0.570 para os indivíduos saudáveis após o consumo do probiótico.

CONCLUSÃO

A suplementação com probiótico aumentou significativamente o número de bifidobactérias nas fezes dos pacientes celíacos apesar de não ter sido suficiente para alcançar a concentração encontrada em indivíduos saudáveis antes do consumo de probióticos.

DESCRITORES
Probióticos; Doença celíaca; Bifidobacterium; Concentração de íons de Hidrogênio; Fezes, microbiologia; Contagem de colônia microbiana.

Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades - IBEPEGE. Rua Dr. Seng, 320, 01331-020 São Paulo - SP Brasil, Tel./Fax: +55 11 3147-6227 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretariaarqgastr@hospitaligesp.com.br