Corpo e novidade puberal

As transformações corporais na adolescência causam efração na criança, além de suas simples manifestações formais. A novidade puberal se impõe, de fato, como real puberal (real no sentido lacaniano), qualificada de Feminino ou de advento do Outro sexo. Esta perspectiva teórica se inscreve na pura continuidade dos textos de Freud, como é revelado por uma releitura permitida pelas contribuições do estruturalismo e de Lacan. Duas situações clínicas (de fato, dois personagens de filme) ilustram este relato.

Novidade puberal; real puberal; estruturalismo; Lacan; Freud


Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Instituto de Psicologia UFRJ, Campus Praia Vermelha, Av. Pasteur, 250 - Pavilhão Nilton Campos - Urca, 22290-240 Rio de Janeiro RJ - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revistaagoraufrj@gmail.com