OCORRÊNCIA DE ASPERGILLUS SPP., PENICILLIUM SPP. E AFLATOXINAS EM AMOSTRAS DE FARINHA DE MILHO UTILIZADAS NO CONSUMO HUMANO, PIAUÍ, BRASIL

OCCURRENCE OF ASPERGILLUS SPP., PENICILLIUM SPP. AND AFLATOXINS IN CORN FLOUR SAMPLES USED IN HUMAN CONSUMPTION, PIAUÍ, BRAZIL

F.C. Cardoso Filho R.M Calvet C.M Pereyra M.M.G. Pereira C.A.R. Rosa A.M. Torres M.C.S. Muratori Sobre os autores

RESUMO

Esse trabalho teve como objetivo avaliar a presença de fungos e de aflatoxinas em um produto à base de milho, destinado ao consumo humano na Cidade de Teresina, Piauí, Brasil. Foram utilizadas 30 amostras (500 g) de farinha de milho a partir de seis diferentes marcas vendidas em supermercados dessa cidade. A coleta foi realizada entre janeiro e março de 2009. A avaliação micológica foi realizada imediatamente e, em seguida, foram armazenadas a -4º C, alíquotas para, posteriormente, ser realizada a análise de aflatoxinas. As contagens fúngicas variaram entre 2,42 e 4,10 UFC/g. Não houve diferença significativa a p < 0,05 entre as marcas utilizadas. As principais espécies de Aspergillus isoladas foram: A. flavus (32,73 %), A. oryzae ( 14,54%). A. niger agregado (10,91%), A. parasiticus (5,45%), A. fumigatus (5,45%) e A. carbonarius (1,81%), já as de Penicillium foram P. citrinum (28,88%), P. funiculosum (25,67%) e P. verrucosum (16,22%). Não foi detectada a presença de aflatoxina. Conclui-se que espécies fúngicas potencialmente capazes de produzir micotoxinas como Aspergillus e Penicillium são encontradas em farinha de milho, porém, não foi detectada a presença de aflatoxinas nesse produto utilizado para alimentação humana.

PALAVRAS-CHAVE
Micotoxinas; fungos; massa de milho

Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br