Qualidade de sementes de feijão azuki dessecadas com flumioxazin e submetidas ao armazenamento

Cássio Jardim Tavares Morgana Soares Sousa Marco Antonio Moreira de Freitas Juliana de Fátima Sales Osvaldo Resende Adriano Jakelaitis Sobre os autores

RESUMO

A qualidade fisiológica e sanitária de sementes é influenciada pelo ambiente de produção e de armazenamento. Neste trabalho objetivou-se avaliar os efeitos do herbicida flumioxazin aplicado como dessecante em pré-colheita e do armazenamento sobre a qualidade fisiológica e sanitária de sementes de feijão azuki. Foi adotado o delineamento experimental em blocos ao acaso, em esquema de parcelas subdivididas. Nas parcelas foram alocadas as cinco doses do herbicida flumioxazin (20, 25, 30, 35 e 40 g i.a·ha-1) e nas subparcelas as duas épocas de avaliação (colheita e 6 meses após a colheita), com quatro repetições. Foram testados dois tratamentos sem aplicação do herbicida para cada época de avaliação. Nas doses entre 25 a 35 g·ha-1 de flumioxazin observou-se a manutenção da qualidade fisiológica das sementes. Em doses crescentes reduziu-se a condutividade elétrica das sementes. O aumento das doses reduziu a porcentagem de plântulas normais na primeira contagem da germinação, após seis meses de armazenamento, e causou perda no vigor das plântulas. O armazenamento de feijão azuki durante seis meses reduziu a qualidade fisiológica, causando perdas na germinação e vigor das sementes. O armazenamento e o aumento das doses do dessecante flumioxazin reduziram a incidência dos patógenos Rhizopus, Cladosporium e Fusarium nas sementes. O aumento das doses reduziu a incidência de Aspergillus. A incidência de Penicillium não foi afetada pelos tratamentos.

PALAVRAS-CHAVE
dessecante; herbicida; patógenos; Vigna angularis

Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br