Detecção de genes de virulência em amostras de Escherichia coli isoladas de fezes de bezerros com e diarreia no Brasil

O objetivo deste trabalho foi detectar em 101 amostras de E. coli isoladas de bezerros com e sem diarreia, fatores de virulência associados aos patotipos de E. coli enterotoxigênica e enterohemorrágica. Os fatores de virulência de E. coli Stx1 (Shiga toxina), Stx2, Ehly (Enterohemolisina), o gene eae, LT-II (enterotoxina termo-lábil), STa (toxina termo-estável), e adesinas K99 e F41 foram detectados por PCR. Os sorogrupos foram determinados por métodos sorológicos e a produção de Stx foi observada através de ensaios biológicos em células Vero. A frequência de detecção do gene eae foi maior nos isolados de bezerros com diarreia (35/58, 60,3%) do que em bezerros saudáveis (8/43, 18,6%; P < 0.001). O gene da toxina Stx1 foi detectado em alta frequência em amostras diarreicas (24/58, 40,3%), bem como em amostras não diarréicas (19/43, 44,2%) e todas as amostras positivas para toxina Stx em PCR mostraram citotoxicidade em células Vero. Stx2 foi encontrada em dez amostras, Ehly em oito amostras, e LT-II em duas amostras. Vinte e seis amostras foram negativas para todos os ensaios de PCR, incluindo para as adesinas F41 e K99. Os sorogrupos O7, O23, O4, O8, O153 e O156 foram detectados com maior frequência. O trabalho mostra que amostras de E. coli isoladas de bovinos apresentam fatores de virulência semelhantes à isolados de casos de doenças em humanos e possivelmente é uma fonte para STEC potencialmente patogênicas para humanos.

Escherichia coli; diarreia; bovinos; PCR; shiga toxina


Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br