Subdoses de glifosato na supressão de cultivares de Panicum maximum

Suzete Fernandes Lima Leandro Spíndola Pereira Gustavo Dorneles Sousa Simonny Araújo Vasconcelo Adriano Jakelaitis José Franklin Athayde Oliveira Sobre os autores

RESUMO:

A utilização de subdoses de herbicidas permite amenizar a competição exercida pelas gramíneas sobre a cultura anual, viabilizando o cultivo simultâneo. Neste contexto, objetivou-se pesquisar subdoses de glifosato na supressão do crescimento inicial de três cultivares de Panicum maximum, almejando o cultivo integrado, além dos efeitos das forrageiras sobre a incidência e o desenvolvimento das plantas daninhas. Foram conduzidos três ensaios em campo. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados, com quatro repetições e oito tratamentos, formados por doses crescentes do herbicida glifosato (0; 54; 108; 270; 378; 540; 756 e 1.080 g de e.a. ha-1). Em todos os tratamentos foram adicionados 1.200 g de i.a. ha-1 de atrazine. Foram realizadas avaliações de fitointoxicação de plantas aos 7, 14, 21 e 28 dias após a aplicação. Aos 80 e 125 dias após a semeadura foram realizadas avaliações de produção de matéria seca total, matéria seca de folha, matéria seca de colmos e relação folha: colmo, além da densidade e produção de matéria seca da comunidade de plantas daninhas. Subdoses de glifosato abaixo de 215, 65 e 90 g de e.a. ha-1 possuem potencial para serem pesquisadas visando ao manejo de Panicum maximum cv. Atlas, Panicum maximum cv. Mombaça e Panicum maximum cv. Tanzânia em consórcio. As três forrageiras são eficientes na supressão de plantas daninhas.

PALAVRAS-CHAVE:
Atlas; Tanzânia; Mombaça; integração lavoura-pecuária; plantas daninhas

Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br