Accessibility / Report Error

ENTOMOFAUNA ASSOCIADA AO CULTIVO DE SHIITAKE [LENTINULA EDODES (BERK.) PLEGER] NO MUNICÍPIO DE ARROIO DO PADRE, RS, BRASIL

INSECTS ASSOCIATED WITH THE SHIITAKE [LENTINULA EDODES (BERK.) PEGLER] CROP IN THE CITY OF ARROIO DO PADRE, RS, BRAZIL.

RESUMO

Durante o cultivo de shiitake em toros de madeira estabelece-se uma diversidade de insetos, em decorrência das condições locais, da fase de desenvolvimento da cultura e/ou do sistema de cultivo. Objetivando-se avaliar a diversidade de insetos associada ao cultivo deste cogumelo cultivado em toros de Eucalyptus spp. foram realizadas avaliações durante a fase de colonização, situado na Cidade de Arroio do Padre, RS. Para isto utilizou-se armadilha luminosa modelo INTRAL AL 012 (12 volts) na captura dos espécimes. Neste período foram detectadas 9 ordens, sobressaindo-se a ordem diptera com maior predominância, apresentando freqüência relativa de 80,57% e absoluta de 1.393. Nesta mesma ordem, a família Sciaridae foi representada com maior freqüência absoluta, com 1.085 espécimes.

PALAVRAS-CHAVE
Cultivo de shiitake; Armadilha luminosa; Diptera; Sciaridae

ABSTRACT

The growing of shiitake on wooden logs attracts a variety of insects depending on the local conditions, the phase of development and the growing system. This study was designed to evaluate the diversity of insects associated to the growing of this mushroom on Eucalyptus spp. logs in the county of Arroio do Padre, RS, by way of evaluations during the colonization phase. A model INTRAL AL 012 (12 volts) luminous trap was used to capture specimens. In this period 9 orders of insects were detected, the order Diptera predominating, presenting a relative frequency of 80.57% and absolute frequency of 1,393. In this order, the family Sciaridae was found in the greatest absolute frequently, there being 1,085 specimens.

KEY WORDS
Growing shiitake; Luminous trap; Diptera; Sciaridae

INTRODUÇÃO

Um dos cogumelos comestíveis mais consumidos no mundo é o shiitake [Lentinulaedodes (Berk.) Pleger], pertencente à classe Basideomycete (CHANG; MILES, 1989CHANG, S.T.; MILES, P.G. Edible mushrooms and their cultivation. Boca Raton: CRC Press, 1989. 345p.). O cultivo deste teve inicio na China, sendo introduzido no Japão por intermédio de cultivadores chineses. Posteriormente, a cultura expandiu-se para outros países (ROYSE et al., 1985ROYSE, D.J.; SCHISLER, L.C.; DIEHLE, D.A. Shiitake mushrooms: consumption, production and cultivation. Interdisciplinary Science Reviews, v.10, p.329-335, 1985.; SABOTA, 1996SABOTA, C. Strain of shiitake mushroom [Lentinula edodes (Berk.) Pegler] and wood species affect the yield of shiitake mushrooms. Hort Technology, v.6, p.388-393, 1996.).

O shiitake tem sido cultivado em toros de madeira ou em serragem suplementada com nutrientes (cultivo axênico), principalmente nos países orientais como o Japão, Taiwan, China, Tailândia, Coréia e Malásia, como também em países do ocidente como EUA, Canadá, México e Brasil (LEATHAM, 1985LEATHAM, G.F. Growth and development of Lentinusedodes on a chemically defined medium. In: MOORE, D.; CASSELTON , L.A.; WOOD. D.A.; FRANKLAND, J.S. (Eds.). Developmental biology of higher fungi. Cambridge: Cambridge Press, 1985. p.4003-4027.; PRZYBYLOWICZ; DONOGHUE, 1990PRZYBYLOWICZ, P.; DONOGHUE, J. Shiitake growers handbook: The art and science of mushroom cultivation. Dubuque: Kendall, 1990. 217p.; OIE, 1991OIE, P. Manual on mushroom cultivation. Amsterdam: Tool Foundation, 1991. 247p.; MATA et al., 1998MATA, G.; SAVOIE, J.M.; DELPECH, P.; OLIVIER, J.M. Reductions in the incidence of Trichoderma spp. using substrat supplementation with peat and an alternative spawn during cultivation of Lentinula edodes on pasteurized wheat straw. Agriculture and Environment, v.18, p.515-20, 1998.; CHANG, 1999CHANG, S.T. Production of cultivated edible mushroom in China with emphasis on Lentinula edodes. ISMS Newsletter, v.4, p.3-6, 1999., CHANG, 2002CHANG, S.T. Past and present trends in the production of Lentinula edodes in Asia. In: INTERNATIONAL CONFERENCE OF MUSHROOM, 4., 2002, Cuernavaca. Proceedings. Cuernavaca, 2002, p.1-8.; BUENO et al., 2004BUENO, F.S.; EIRA, A.F.; FURLAN, M.; NETO, P.F. Natural and organo-synthetic products to controlLentinulaedades competitors on Eucalyptus saligna logs. In: ROMAINERINKER, C.P. (Ed.). Science and Cultivation of Edible and Medicinal Fungi. Miami: Pensylvania University Press, 2004. p.431-439.).

No Brasil, a cultura ainda é realizada em pequena escala de produção e de maneira rudimentar, muitas vezes adaptando instalações já existentes, usando a técnica de inoculação em toros de Eucalyptus spp. (QUIMIO et al., 1995QUIMIO, T.H.; CHANG, S.T.; ROYSE, D.J. Technical guidelines for mushroom growing in the tropics. Rome: FAO, 1990. 155p.). O Estado de São Paulo destaca-se como o maior produtor nacional, onde muitos descendentes de imigrantes orientais produzem o cogumelo em sistema familiar de pequenas propriedades (BONONI et al., 1995BONONI, V.L.R.; CAPELARI, M; MAZIERO R.; TRUFEM, S.F.B. Cultivo de cogumelos comestíveis. São Paulo: Icone, 1995. p.95-104.). Neste sistema de cultivo, um dos principais problemas sanitários verificados tem sido a incidência de contaminações, tanto no cogumelo como nos toros incubados, geralmente fungos competidores e causadores de doenças, seguidos por bactérias, vírus, nematóides e insetos. Entretanto, as maiores perdas na produção de cogumelos, principalmente em regiões tropicais, são atribuídas ao ataque de insetos especialmente em ambientes não controlados, podendo ultrapassar 20% (BONONI, 1995BONONI, V.L.R.; CAPELARI, M; MAZIERO R.; TRUFEM, S.F.B. Cultivo de cogumelos comestíveis. São Paulo: Icone, 1995. p.95-104.; EIRA et al., 1997EIRA, A.F.; MINHONI, M.T.A. Manual teórico-prático do cultivo de cogumelos comestíveis. 2.ed. Botucatu: Fundaçãode Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais/UNESP, 1997. 115p.; BUENO et al., 2004BUENO, F.S.; EIRA, A.F.; FURLAN, M.; NETO, P.F. Natural and organo-synthetic products to controlLentinulaedades competitors on Eucalyptus saligna logs. In: ROMAINERINKER, C.P. (Ed.). Science and Cultivation of Edible and Medicinal Fungi. Miami: Pensylvania University Press, 2004. p.431-439.).

FIGUEIREDO; MUCCI (1985)FIGUEIREDO, M.B.; MUCCI, E.S.F. Doenças e pragas do cogumelo comestível (Agaricus campestris L. EX FR.), In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE COGUMELOS COMESTÍVEIS, 1., 1980, Mogi das Cruzes. Anais. São Paulo: Instituto de Botânica, 1985. p.69-91. relataram pragas em Agaricus campestris com destaque para ordem Diptera, famílias Sciaridae, Phoridae, Cecidomyiidae e também, mas com menor expressão, a ordem Lepidoptera e a subclasse Collembola. Já AL-AMIDI (1995)AL-AMIDI, A.H.K. Occurrence of insects and mites in mushroom compost in Ireland. In: ELLIOTT, T.J. (Ed.). Science and cultivation of edible fungi. Roterdam: Balkmam, 1995. p.539-546. em trabalho desenvolvido na República da Irlanda, destacou como principais famílias, Sciaridae e Phoridae da ordem Diptera. Assim, o conhecimento sobre os espécimes de insetos que ocorrem na cultura de cogumelos permite a identificação prévia de insetos-pragas para posterior controle (BONHAM et al., 2002BONHAM, K.J.; MESIBOV, R.; BASHFORD, R. Diversity and abundance of some ground-dwelling invertebrates in plantation vs. native forests in Tasmania, Australia. Forests Ecology and Management, v.158, n.1/3, p.237-247, 2002.; GASTON et al., 2002GASTON, K.J.; BLACKBURN, T.M.; GREENWOOD, J.J.D.; GREGORY, R.D.; QUINN, R.M.; LAWSTON, J.H. Abudance – occupancy relationships. Journal of Applied Ecology, v.37, p.39-59, 2000.; JACTEL et al., 2002JACTEL, H.; GOULART, M.; MENASSIEU, P.; GOUJON, G. Habitat diversity in forest plantations reduces infestations of the pine stem boner Diocyctria sylvestrella. Journal of Applied Ecology, v.39, p.618-628, 2002.).

Este trabalho teve como objetivo conhecer a diversidade de insetos associada ao cultivo de shiitake inoculado em toros de eucalipto, no Sul do Rio Grande do Sul.

MATERIAIS E MÉTODOS

O presente artigo constou de coletas de insetos, capturados em armadilha luminosa, na Cidade de Arroio do Padre, RS. Para isto, foi utilizada uma área de produção de shiitake, com 3 meses de existência, localizada na referida cidade. Os toros, para fins de produção de shiitake, foram previamente inoculados conforme metodologia descrita por EIRA; MINHONI (1997)EIRA, A.F.; MINHONI, M.T.A. Manual teórico-prático do cultivo de cogumelos comestíveis. 2.ed. Botucatu: Fundaçãode Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais/UNESP, 1997. 115p. e incubados em galpão de madeira (6 m x 12 m), com irrigação diária. Após o aparecimento de grande quantidade de larvas nos toros foi realizada uma pulverização com extrato de cinamomo (Melia azedarach L.), com a seguinte formulação: 1 kg de folhas trituradas e diluídas em 10 L de água, na proporção de 1:10.

A captura dos espécimes foi realizada no período de junho a outubro de 2005, durante a fase de incubação da cultura. A técnica de captura utilizada foi através de armadilha luminosa modelo INTRAL AL 012 (12 volts), provida de lâmpada fluorescente (PINTO et al., 2000PINTO, R.; JUNIOR, J.S.Z.; FERREIRA, J.A.M.; ZANUNCIO, J.C. Flutuação populacional de coleóptera em plantio de Eucalyptus urophylla no município de Três Marias, Minas Gerais. Floresta e Ambiente, v.7, n.1, p.143-151, 2000.; LARANJEIRO, 2003LARANJEIRO, A.J. Estabilidade da entomofauna num mosaico de plantação de eucalipto e áreas naturais de conservação. 2003. 142p. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2003.). Foram realizadas 10 coletas, sendo em média, uma a cada 15 dias. A armadilha foi instalada sempre no final da tarde, aleatoriamente sobre os toros na fase de incubação e recolhida após 12h.

Os espécimes, depois de capturados, foram transferidos para recipientes contendo álcool 70% até o período de quantificação e identificação. Estas foram realizadas no Laboratório Experimental de Micologia/ Departamento de Microbiologia e Parasitologia/Instituto de Biologia/Universidade Federal de Pelotas, onde foram triados e quantificados. Alguns foram montados e catalogados para acondicionamento no Laboratório de Insetos localizado no referido Departamento.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Durante o período de exposição das armadilhas foram capturados 1.729 espécimes, todos pertencentes à classe Insecta. Foram identificadas 10 ordens: Diptera, Hymenoptera, Lepidoptera, Coleoptera, Homoptera, Thysanoptera, Trichoptera, Hemiptera, Dermaptera e Orthoptera. Destas, apenas Diptera, Hymenoptera e Lepidoptera ocorreram em todas as coletas. A ordem Diptera foi a que representou maior quantidade de espécimes capturados (Tabela 1).

Tabela 1
Total de espécimes capturados no período de incubação de Lentinula edodes (shiitake) cultivado em toros de eucalipto, no Município de Arroio do Padre, RS, 2005.
Tabela 2
Freqüência das ordens de Insecta capturadas no período de incubação de Lentinula edodes (shiitake), cultivado em toros de eucalipto, no Município de Arroio do Padre, RS, 2005.

As ordens Diptera, Hymenoptera, Lepidoptera e Coleoptera, bem como a subclasse Collembola, nesta seqüência, apresentaram as maiores freqüências de espécimes coletados (Tabela 2).

Na ordem Diptera destacou-se as moscas pertencentes à família Sciaridae, com um número de espécimes mais significativamente detectado, comprovando citações de FIGUEIREDO; MUCCI (1995)FIGUEIREDO, M.B.; MUCCI, E.S.F. Doenças e pragas do cogumelo comestível (Agaricus campestris L. EX FR.), In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE COGUMELOS COMESTÍVEIS, 1., 1980, Mogi das Cruzes. Anais. São Paulo: Instituto de Botânica, 1985. p.69-91. e de AL-AMIDI (1995)AL-AMIDI, A.H.K. Occurrence of insects and mites in mushroom compost in Ireland. In: ELLIOTT, T.J. (Ed.). Science and cultivation of edible fungi. Roterdam: Balkmam, 1995. p.539-546.. Segundo MENZEL; MOHRIG (1997)MENZEL F.; MOHRIG W. Family Sciaridae. In: PAPP, L.; DARVAS, B. (Eds.). Manual of palaearctic Diptera. Budapest: Science Herald, 1997. v.2, n.69, p.51. esta família apresenta uma dispersão por quase todo o mundo. Suas larvas são conhecidas por se alimentar de matéria orgânica em decomposição, plantas e “spawn”. Espécimes dessa família são conhecidos também por causar grandes prejuízos na produção mundial de cogumelos. Uma das maiores pragas na produção de cogumelos na América do Norte tem sido causada por espécies de Sciaridae, devido ao hábito das fêmeas que depositam seus ovos sobre o substrato para dar continuidade ao seu ciclo de vida. Os adultos desta família não são atraídos pelo cogumelo e sim, pela qualidade do “spawn”, pois um substrato bem colonizado inibe a ovoposição de fêmeas de Sciaridae (RUSSEY; GURNEY, 1968RUSSEY, N.W.; GURNEY, B. Biology and control of the Sciaridae Lycoriella auripila Winn. (Diptera: Lycoriidae) in mushroom culture. Annals of Applied Biology, v.62, p.395-403, 1968.).

Os espécimes desta família ocorreram em alta freqüência, principalmente nas 4 primeiras coletas (Tabela 3).

Tabela 3
Freqüência absoluta e relativa de exemplares da família Sciaridae, ordem Diptera, classe Insecta, capturados no período de incubação de Lentinula edodes (shiitake), cultivado em toros de eucalipto, no Município de Arroio do Padre, RS, 2005.

A maior diferença do número de insetos capturados nas primeiras quatro coletas, em relação à diminuição nas demais, pode estar relacionada ao ciclo de vida destes insetos, bem como as influências climáticas do local da realização do trabalho. Por outro lado, deve-se considerar também algum efeito decorrente da pulverização feita com o extrato de cinamomo.

A freqüência de alguns insetos no cultivo de cogumelos já foi constatada no Brasil, conforme observado numa produção de shiitake em toros de eucalipto, no Município de São Carlos, SP,ZORZENON; POTENZA (2003)ZORZENON, F.J.; POTENZA, M.R. Diagnóstico de danos causados pela traçaOpogona sacchari (Lepidoptera:Tineidae) em cultivo de shiitake (Lentinula edodes). Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v.70, n.4, p.507-509, 2003. Disponível em: <http://www.biologico.sp.gov.br/ARQUIVOS/V70_4/zorzenon.pdf>. Acesso em: 15 jan.2005.
http://www.biologico.sp.gov.br/ARQUIVOS/...
constataram que em média 35,17% dos toros inoculados e em fase de produção, das 15 propriedades amostradas, encontravam-se infestados pela traça Opogona sacchari (Lepidoptera: Tineidae), a qual, segundo os mesmos autores, tem sido constatada, inviabilizando cultivos de cogumelos conduzidos por pequenos e médios produtores, pois se trata de um inseto de ampla distribuição e com inúmeros hospedeiros.

Ao coletar o cogumelo Amylocystis lapponica, em ambiente de floresta, KOMONEN (2001)KOMONEN, A. Structure of insect communities inhabiting old-growth forest specialist bracket fungi. Ecological Entomology, v.26, p.63-75, 2001. verificou que este apresentava uma comunidade de 60 espécies de insetos, sendo 37 de Coleoptera, 13 de Diptera, 8 de Hymenoptera e 2 de Homoptera. Estas duas últimas ordens foram diferentes das encontradas neste trabalho, sendo as primeiramente citadas também encontradas durante o cultivo de shiitake em toros de eucalipto. Isto sugere que estes insetos se desenvolvem em cogumelos nativos e podem passar para os que são cultivados.

CONCLUSÕES

De acordo com os dados obtidos comprovou-se que durante a fase de incubação da cultura de shiitake (Lentinula edodes), cultivado em toros de Eucalyptus spp., ocorre uma grande diversidade de espécies de insetos, distribuídas em nove ordens, entre as quais predominam a classe Diptera, com a maior freqüência das espécies pertencentes à família Sciaridae, na qual estão registradas as pragas mais severas do cultivo de cogumelos.

REFERÊNCIAS

  • AL-AMIDI, A.H.K. Occurrence of insects and mites in mushroom compost in Ireland. In: ELLIOTT, T.J. (Ed.). Science and cultivation of edible fungi Roterdam: Balkmam, 1995. p.539-546.
  • BONONI, V.L.R.; CAPELARI, M; MAZIERO R.; TRUFEM, S.F.B. Cultivo de cogumelos comestíveis São Paulo: Icone, 1995. p.95-104.
  • BONHAM, K.J.; MESIBOV, R.; BASHFORD, R. Diversity and abundance of some ground-dwelling invertebrates in plantation vs. native forests in Tasmania, Australia. Forests Ecology and Management, v.158, n.1/3, p.237-247, 2002.
  • BUENO, F.S.; EIRA, A.F.; FURLAN, M.; NETO, P.F. Natural and organo-synthetic products to controlLentinulaedades competitors on Eucalyptus saligna logs. In: ROMAINERINKER, C.P. (Ed.). Science and Cultivation of Edible and Medicinal Fungi Miami: Pensylvania University Press, 2004. p.431-439.
  • CHANG, S.T.; MILES, P.G. Edible mushrooms and their cultivation Boca Raton: CRC Press, 1989. 345p.
  • CHANG, S.T. Production of cultivated edible mushroom in China with emphasis on Lentinula edodes ISMS Newsletter, v.4, p.3-6, 1999.
  • CHANG, S.T. Past and present trends in the production of Lentinula edodes in Asia. In: INTERNATIONAL CONFERENCE OF MUSHROOM, 4., 2002, Cuernavaca. Proceedings Cuernavaca, 2002, p.1-8.
  • DONOGHUE, J.D.; DENISON , W.C. Shiitake cultivation: gas phase during incubation influences productivity. Mycologia, v.87, n.2, p.239-244, 1995.
  • EIRA, A.F.; MINHONI, M.T.A. Manual teórico-prático do cultivo de cogumelos comestíveis 2.ed. Botucatu: Fundaçãode Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais/UNESP, 1997. 115p.
  • FIGUEIREDO, M.B.; MUCCI, E.S.F. Doenças e pragas do cogumelo comestível (Agaricus campestris L. EX FR.), In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE COGUMELOS COMESTÍVEIS, 1., 1980, Mogi das Cruzes. Anais São Paulo: Instituto de Botânica, 1985. p.69-91.
  • GASTON, K.J.; BLACKBURN, T.M.; GREENWOOD, J.J.D.; GREGORY, R.D.; QUINN, R.M.; LAWSTON, J.H. Abudance – occupancy relationships. Journal of Applied Ecology, v.37, p.39-59, 2000.
  • JACTEL, H.; GOULART, M.; MENASSIEU, P.; GOUJON, G. Habitat diversity in forest plantations reduces infestations of the pine stem boner Diocyctria sylvestrella Journal of Applied Ecology, v.39, p.618-628, 2002.
  • KOMONEN, A. Structure of insect communities inhabiting old-growth forest specialist bracket fungi. Ecological Entomology, v.26, p.63-75, 2001.
  • LARANJEIRO, A.J. Estabilidade da entomofauna num mosaico de plantação de eucalipto e áreas naturais de conservação 2003. 142p. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2003.
  • LEATHAM, G.F. Growth and development of Lentinusedodes on a chemically defined medium. In: MOORE, D.; CASSELTON , L.A.; WOOD. D.A.; FRANKLAND, J.S. (Eds.). Developmental biology of higher fungi Cambridge: Cambridge Press, 1985. p.4003-4027.
  • MATA, G.; SAVOIE, J.M.; DELPECH, P.; OLIVIER, J.M. Reductions in the incidence of Trichoderma spp. using substrat supplementation with peat and an alternative spawn during cultivation of Lentinula edodes on pasteurized wheat straw. Agriculture and Environment, v.18, p.515-20, 1998.
  • MENZEL F.; MOHRIG W. Family Sciaridae. In: PAPP, L.; DARVAS, B. (Eds.). Manual of palaearctic Diptera Budapest: Science Herald, 1997. v.2, n.69, p.51.
  • OIE, P. Manual on mushroom cultivation Amsterdam: Tool Foundation, 1991. 247p.
  • PINTO, R.; JUNIOR, J.S.Z.; FERREIRA, J.A.M.; ZANUNCIO, J.C. Flutuação populacional de coleóptera em plantio de Eucalyptus urophylla no município de Três Marias, Minas Gerais. Floresta e Ambiente, v.7, n.1, p.143-151, 2000.
  • PRZYBYLOWICZ, P.; DONOGHUE, J. Shiitake growers handbook: The art and science of mushroom cultivation Dubuque: Kendall, 1990. 217p.
  • QUIMIO, T.H.; CHANG, S.T.; ROYSE, D.J. Technical guidelines for mushroom growing in the tropics Rome: FAO, 1990. 155p.
  • ROYSE, D.J.; SCHISLER, L.C.; DIEHLE, D.A. Shiitake mushrooms: consumption, production and cultivation. Interdisciplinary Science Reviews, v.10, p.329-335, 1985.
  • RUSSEY, N.W.; GURNEY, B. Biology and control of the Sciaridae Lycoriella auripila Winn. (Diptera: Lycoriidae) in mushroom culture. Annals of Applied Biology, v.62, p.395-403, 1968.
  • SABOTA, C. Strain of shiitake mushroom [Lentinula edodes (Berk.) Pegler] and wood species affect the yield of shiitake mushrooms. Hort Technology, v.6, p.388-393, 1996.
  • ZORZENON, F.J.; POTENZA, M.R. Diagnóstico de danos causados pela traçaOpogona sacchari (Lepidoptera:Tineidae) em cultivo de shiitake (Lentinula edodes). Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v.70, n.4, p.507-509, 2003. Disponível em: <http://www.biologico.sp.gov.br/ARQUIVOS/V70_4/zorzenon.pdf>. Acesso em: 15 jan.2005.
    » http://www.biologico.sp.gov.br/ARQUIVOS/V70_4/zorzenon.pdf

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    25 Fev 2022
  • Data do Fascículo
    Oct-Dec 2006

Histórico

  • Recebido
    10 Jul 2006
  • Aceito
    30 Out 2006
Instituto Biológico Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1252 - Vila Mariana - São Paulo - SP, 04014-002 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: arquivos@biologico.sp.gov.br