Corpo, memória, cadeia: o que pode o corpo escrito?

Esse artigo busca re-visitar uma trajetória de estudo da obra Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos (1892-1953). Pretende-se enfocar as relações entre a literatura (palavra, linguagem e discurso) e o corpo por meio da narrativa de memórias da cadeia. Esses quatro termos se entrelaçam para tentar, com a ajuda de Graciliano Ramos, fazer-nos refletir sobre o que pode o corpo na escrita.

corpo; memória; cadeia; literatura


Programa de Pos-Graduação em Letras Neolatinas, Faculdade de Letras -UFRJ Av. Horácio Macedo, 2151, Cidade Universitária, CEP 21941-97 - Rio de Janeiro RJ Brasil , - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: alea.ufrj@gmail.com