Como Drummond constrói "Nosso tempo"

Este artigo discute, a partir do poema "Nosso tempo", a forma como a poesia de Carlos Drummond de Andrade apreende e trata o seu tempo histórico-cultural. Através de uma análise minuciosa do estrato semântico, da linguagem metafórica, da construção sintática e das marcas retóricas e estilísticas desse poema, mostra que o momento histórico que o poeta reproduz acarreta a fragmentação e a alienação do homem, exigindo dele uma tomada de posição política. Ao comparar os procedimentos de composição do poema aos filmes de Chaplin, pela coesão de sua estrutura, pelo encadeamento preciso entre suas partes, pela coerência entre os diversos materiais que o compõem e pela sintaxe que o sustenta, faz-nos ver o trabalho "do operário-artesão-artista" cuja função parece ser a de restaurar simbolicamente a união dos homens no mundo capitalista fragmentado e pulverizado.

poesia; tempo histórico-cultural; engajamento político; função da arte


Programa de Pos-Graduação em Letras Neolatinas, Faculdade de Letras -UFRJ Av. Horácio Macedo, 2151, Cidade Universitária, CEP 21941-97 - Rio de Janeiro RJ Brasil , - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: alea.ufrj@gmail.com