Les Cinq Continents, a antologia de Goll: apelo (po)ético cosmopolita

Este artigo trata de alguns trabalhos poéticos de Ivan Goll, publicados em alemão, francês e inglês, nos quais o diapasão cosmopolita e o apelo a uma poesia supranacional representaram um grito marginal de resistência frente às tendências totalizantes e às categorias nacionais da primeira metade do século XX. Busca-se compreender se o grito encontra respaldo nas reflexões atuais, pensando-o como um antecedente questionador de taxonomias de gênero literário e de forma artística, um transgender. Assinala que o modernista brasileiro Mário de Andrade não somente acompanhou a querela entre Goll e Breton sobre a herança do conceito Surréalisme legado por Apollinaire, como também se correspondeu e trocou livros com o poeta alsaciano, tendo recebido com entusiasmo a antologia Les Cinq continents. Ao final, este artigo apresenta a tradução de dois poemas afinados com a noção cosmopolita: "O Negro do Teatro de Variedades" e "A Canção de João Sem-Terra, O Duplo".

Ivan Goll; antologia Les Cinq continents; "A Canção de João Sem-Terra, o Duplo"; "O Negro do Teatro de Variedades"; transgender


Programa de Pos-Graduação em Letras Neolatinas, Faculdade de Letras -UFRJ Av. Horácio Macedo, 2151, Cidade Universitária, CEP 21941-97 - Rio de Janeiro RJ Brasil , - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: alea.ufrj@gmail.com