Apresentação

A pintura de Gustave Courbet intitulada O ateliê do pintor (1854-1855) é considerada como um quadro-manifesto de suas intenções estéticas que, por serem ousadas e inovadoras, se opunham aos conceitos rígidos e burgueses da Academia. Tendo tido esse quadro recusado pelo Salão de 1855, em razão de seu tamanho (4m x 6m), Courbet, dando provas de suas convicções e de seu espírito de luta, monta uma exposição particular, à margem da Exposição Universal, num local construído às suas expensas, que batizou de "Pavilhão do Realismo".

O texto que segue, e que gostaria de propor como reflexão sobre a concepção de realismo de Courbet, assim como sobre sua importância para a literatura e as artes, é uma carta que o crítico e amigo do pintor, Jules Champfleury, escreve a Georges Sand em 1855. A defesa que faz da obra do pintor realista nos permite entender o escândalo causado pela quebra dos padrões estéticos vigentes e, ao mesmo tempo, sua importância política em meados do século XIX.

Edson Rosa da Silva
(UFRJ)

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    July-Dec 2014
Programa de Pos-Graduação em Letras Neolatinas, Faculdade de Letras -UFRJ Av. Horácio Macedo, 2151, Cidade Universitária, CEP 21941-97 - Rio de Janeiro RJ Brasil , - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: alea.ufrj@gmail.com