Cada coisa em seu lugar: ensaio de interpretação do discurso de um museu de história

Each thing in its place: essay on the interpretation of a history museum's speech

Resumos

O Museu Histórico Nacional, situado no Rio de Janeiro, foi criado em 1922, como parte das comemorações do Centenário da Independência do Brasil. Ao longo dos seguintes 38 anos, foi dirigido por Gustavo Barroso. Este intelectual, figura bastante típica da “república das letras” brasileira, imprimiu no MHN uma forte marca pessoal, cristalizada no discurso conservador expresso pelas exposições. Baseado nas formulações teóricas de Carlo Ginzburg, conforme apresentadas em um artigo intitulado “Sinais - raízes de um paradigma indiciário”, bem como em diversos textos que abordam museus como discursos, o autor analisa a exposição do MHN nos anos 30, 40 e 50. Apoiando-se também na produção científica dos conservadores, publicada em livros e na revista institucional, os “Anais do Museu Histórico Nacional”, procura ver o circuito como representação das posições ocupadas pelos “agentes ativos da história” - aristocracia, funcionários públicos civis e militares, dentre outras categorias - em relação a uma categoria não claramente definida, o “povo”, que foi representada através da ausência.

Museus; Museologia; Cultura Material; História de Exposições; Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro)


The National History Museum (Museu Histórico Nacional), in Rio de Janeiro, was created in 1922, as part of the commemorations of Brazil's Independence Centennial party. Throughout the next 38 years, it has been run by Gustavo Barroso. This intellectual person, a typical character of the Brazilian “ republic of the letters”, left a personal mark in the MHN (the museum), crystallized in the conservative discourse expressed in the exhibitions. Based in Carlos Ginzburg's theoretical formulations, as presented in an article entitles “ Signs - routes of an indicting paradigm”, as well as in various essays about museums as discourse, the author analyses the exhibition in the MHN in the 30's, 40's and 50's. Getting an additional support in the scientific production of the conservatives, published in books and in the institutional magazine, the “ Annals of the National History Museum (“Anais do Museu Histórico Nacional”), tries to see the exhibition circuit as a representation of the positions filled by the “active agents of History” - aristocracy, civil and military public workers, among other categories - in relation to a category which is not clearly defined, the “people”, which was represented by its absence.

Museums; Museology; Material Culture; History of the Exhibitions; National History Museum (Rio de Janeiro)


MUSEUS

Cada coisa em seu lugar. Ensaio de interpretação do discurso de um museu de história

Each thing in its place. Essay on the interpretation of a history museum's speech

José Bittencourt

Museu Histórico Nacional

RESUMO

O Museu Histórico Nacional, situado no Rio de Janeiro, foi criado em 1922, como parte das comemorações do Centenário da Independência do Brasil. Ao longo dos seguintes 38 anos, foi dirigido por Gustavo Barroso. Este intelectual, figura bastante típica da “república das letras” brasileira, imprimiu no MHN uma forte marca pessoal, cristalizada no discurso conservador expresso pelas exposições. Baseado nas formulações teóricas de Carlo Ginzburg, conforme apresentadas em um artigo intitulado “Sinais – raízes de um paradigma indiciário”, bem como em diversos textos que abordam museus como discursos, o autor analisa a exposição do MHN nos anos 30, 40 e 50. Apoiando-se também na produção científica dos conservadores, publicada em livros e na revista institucional, os “Anais do Museu Histórico Nacional”, procura ver o circuito como representação das posições ocupadas pelos “agentes ativos da história” – aristocracia, funcionários públicos civis e militares, dentre outras categorias – em relação a uma categoria não claramente definida, o “povo”, que foi representada através da ausência.

Palavras-chave: Museus. Museologia. Cultura Material. História de Exposições. Museu Histórico Nacional (Rio de Janeiro).

ABSTRACT

The National History Museum (Museu Histórico Nacional), in Rio de Janeiro, was created in 1922, as part of the commemorations of Brazil's Independence Centennial party. Throughout the next 38 years, it has been run by Gustavo Barroso. This intellectual person, a typical character of the Brazilian “ republic of the letters”, left a personal mark in the MHN (the museum), crystallized in the conservative discourse expressed in the exhibitions. Based in Carlos Ginzburg's theoretical formulations, as presented in an article entitles “ Signs – routes of an indicting paradigm”, as well as in various essays about museums as discourse, the author analyses the exhibition in the MHN in the 30's, 40's and 50's. Getting an additional support in the scientific production of the conservatives, published in books and in the institutional magazine, the “ Annals of the National History Museum (“Anais do Museu Histórico Nacional”), tries to see the exhibition circuit as a representation of the positions filled by the “active agents of History” – aristocracy, civil and military public workers, among other categories – in relation to a category which is not clearly defined, the “people”, which was represented by its absence.

Keywords: Museums. Museology. Material Culture. History of the Exhibitions. National History Museum (Rio de Janeiro).

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Artigo reapresentado em 3/2003. Aprovado em 7/2003.

  • ABREU, Regina. A fabricação do imortal: A coleção Miguel Calmon no Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: Rocco/Livros Lapa, 1997.
  • ABREU, Regina. O paradigma evolucionista e o Museu Histórico Nacional. In: CADERNOS de Pesquisa. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 1989. n. 1
  • ALEXANDER, P. Museums in motion. Nashville (EUA): American Association for State and Local History, 1979. cap. 5.
  • BARROSO, G. O Brazil em face do Prata Rio de Janeiro: Imp. Nacional, 1930.
  • BARROSO, G. Esquematização da história militar do Brasil. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 412, 1942.
  • BARROSO, G. Esquematização da história militar do Brasil. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 430, 1942.
  • BARROSO, G. A heráldica dos vice-reis. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 5-6, 1942.
  • BARROSO, G. Museu ergológico brasileiro. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 433, 1942.
  • BRASIL. Museu Histórico Nacional. Catálogo geral Rio de Janeiro: Imp. Nacional, 1924.
  • BUCCAILE, R.; PESEZ, J. -M. Cultura material. In: ROMANO, R. (Org.). Enciclopédia Einaudi Lisboa: Imp. Nacional : Casa da Moeda, 1989. v. 17, p. 44.
  • CARVALHO, Nair de M. O Barão da Vitória no Museu Histórico. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 227, 1942.
  • DELOCHE, B. Museologia e instituições museológicas como agentes ativos da mudança: passado, presente e futuro. 2. ed. Rio de Janeiro: SPHAN/Pró-Memória, 1990. p. 54-58.
  • DUMANS, A. A idéia da criação do Museu Histórico Nacional. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 3, p. 388, 1942.
  • GINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Cia das Letras, 1989. p. 29.
  • GINZBURG, C. Sinais raízes de um paradigma indiciário. In:______ . Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia das Letras, 1990. p. 143-179.
  • HOBSBAWN, E. A era do capital. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982. p. 104.
  • HOOPER-GREENHILL, E. The National Portrait Gallery a case-study in cultural reproduction. Londres: London Institute of Education, 1980. p. 27. Mimeo.
  • ______ . The museum in a disciplinary society. In: PEARCE, S. (Ed.) Museum studies in material culture. London: Leicester University Press, 1989.
  • HORTA, M. L. P. O processo de comunicação em museus. 2. ed. Rio de Janeiro: SPHAN/Pró-Memória, 1990. p. 65-90.
  • LACORTE, V. Escola de civismo. In: ORNELLAS, P. da V. Relíquias da pátria brasileira. Rio de Janeiro: [s.n.], 1944. p. 23.
  • LEVY, F. Crentes e bandidos. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 8, p. 31, 1947.
  • PEARCE, S. Museum studies in material culture: introduction. In: PEARCE, S. (Ed.). Museum studies in material culture. London: Leicester University Press, 1989. p. 1.
  • PORTER, R.; TEICH, M. (Ed.). Romanticism in national context. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1988. p. 1.
  • WILLIAMNS, Daryle. Sobre patronos, heróis e visitantes: O Museu Histórico Nacional, 1930-1960. Anais do Museu Histórico Nacional, v. 29, p. 141-183, 1997.
  • WINZ, A. P. História da Casa do Trem. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 1962. cap. XIII.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    24 Ago 2009
  • Data do Fascículo
    2001

Histórico

  • Aceito
    Jul 2003
  • Recebido
    Mar 2003
Museu Paulista, Universidade de São Paulo Rua Brigadeiro Jordão, 149 - Ipiranga, CEP 04210-000, São Paulo - SP/Brasil, Tel.: (55 11) 2065-6641 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: anaismp@usp.br