Meningioma anaplásico: relato de caso

O tratamento adequado para os pacientes com meningiomas intracranianos continua sendo um desafio, principalmente o de sua variante maligna, a qual tem incidência de 10% a 15%, sem uma certeza do melhor tratamento adjuvante. É indicado o uso da radioterapia externa holocraniana. O uso da quimioterapia tradicional se mostra ineficaz, havendo necessidade de estudos para desenvolver outros agentes quimioterápicos e novos métodos de administração desses agentes no tumor cerebral. A imunoterapia pode ser considerada para os casos de refratariedade aos outros tratamentos adjuvantes. Relatamos o caso de um paciente de 67 anos, com história progressiva de cefaléia, crises convulsivas parciais complexas e agressividade. A investigação radiológica com tomografia computadorizada e ressonância magnética evidenciaram um processo expansivo na região temporoccipital esquerda com contrastação difusa e edema peritumoral importante. Foi realizada craniotomia frontoparietotemporal esquerda com remoção radical da dura-máter infiltrada e do tumor. O paciente evoluiu sem déficit neurológico no pós-operatório. O exame anatomopatológico foi compatível com meningioma maligno do tipo papilar. Foi instituído tratamento complementar com radioterapia externa holocraniana.

meningeoma papilar; patologia; radioterapia; quimioterapia


Academia Brasileira de Neurologia - ABNEURO R. Vergueiro, 1353 sl.1404 - Ed. Top Towers Offices Torre Norte, 04101-000 São Paulo SP Brazil, Tel.: +55 11 5084-9463 | +55 11 5083-3876 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista.arquivos@abneuro.org