Accessibility / Report Error

Contribuições dos aplicativos móveis para a prática do aleitamento materno: revisão integrativa

Aportes de las aplicaciones móviles para la práctica de la lactancia materna: revisión integradora

Resumo

Objetivo

Identificar as contribuições dos aplicativos móveis para a prática do aleitamento materno.

Métodos

Revisão integrativa da literatura, realizada nas bases de dados CINAHL, BDENF, Medline/PubMed, Scopus, LILACS, Web of Science e nas bibliotecas virtuais Cocharane e Scielo, para responder a questão norteadora: Quais as contribuições dos aplicativos móveis para a prática do aleitamento materno?. As buscas ocorreram entre setembro a novembro de 2017, utilizando os descritores “aplicativos móveis”, “aleitamento materno”, “período pós-parto”, “gestante” e “apoio social”. Após os cruzamentos desses descritores, identificou-se 530 artigos, que ao aplicar os critérios de elegibilidade, restaram nove estudos, avaliados quanto ao rigor metodológico e nível de evidência. Na extração dos dados empregou-se um instrumento validado e adaptado.

Resultados

Os aplicativos móveis que contribuíram para prática do aleitamento materno foram informacionais. Ofertaram orientações sobre promoção do aleitamento materno, alimentação infantil, uso de álcool na amamentação e posições para amamentar. Vários foram utilizados na coleta de dados referentes aos problemas, experiências e barreiras na amamentação; frequência da mamada; início do uso de fórmulas ou da alimentação complementar. Os aplicativos que continham a rede social de apoio na amamentação e os submetidos aos processos avaliativos tiveram pouca expressividade.

Conclusão

Os aplicativos foram direcionados apenas com objetivo de apoio informativo as nutrizes e sua rede social, na amamentação. Porém, apresentam lacunas quanto à qualidade de informações, usabilidade, aceitabilidade e eficácia desses aplicativos, como também não ficou evidenciado se a construção dos mesmos foi alicerçados na literatura científica.

Aplicativos móveis; Aleitamento materno; Período pós-parto; Gestante; Apoio social

Resumen

Objetivo

identificar los aportes de las aplicaciones móviles para la práctica de la lactancia materna.

Métodos

revisión integradora de la literatura, realizada en las bases de datos CINAHL, BDENF, Medline/PubMed, Scopus, LILACS, Web of Science y en las bibliotecas virtuales Cocharane y Scielo, para responder la pregunta orientadora: ¿cuáles son los aportes de las aplicaciones móviles para la práctica de la lactancia materna? Las búsquedas se llevaron a cabo de septiembre a noviembre de 2017, mediante la utilización de los descriptores “aplicaciones móviles”, “lactancia materna”, “período posparto”, “embarazada” y “apoyo social”. Después del cruce de los descriptores, se identificaron 530 artículos de los cuales, al aplicar los criterios de elegibilidad, quedaron nueve, evaluados con relación al rigor metodológico y nivel de evidencia. En la extracción de los datos se empleó un instrumento validado y adaptado.

Resultados

las aplicaciones móviles que contribuyeron a la práctica de la lactancia materna fueron informativas. Ofrecían instrucciones sobre promoción de la lactancia materna, alimentación infantil, uso de alcohol en la lactancia y posiciones para amamantar. Varias fueron utilizadas en la recolección de datos relacionados con los problemas, experiencias y barreras en la lactancia, frecuencia de las tomas, inicio de uso de leche de fórmula o de alimentación complementaria. Las aplicaciones que tenían una red social de apoyo en la lactancia y las que presentaban procesos de evaluación tuvieron poca expresividad.

Conclusión

las aplicaciones fueron orientadas solo con el objetivo de brindar apoyo informativo a las lactantes y su red social durante la lactancia. Sin embargo, presentan vacíos con relación a la calidad de la información, usabilidad, aceptación y eficacia de estas aplicaciones, así como tampoco quedó en evidencia si su elaboración estuvo fundamentada en la literatura científica.

Aplicaciones móviles; Lactancia materna; Periodo posparto; Embarazo; Apoyo social

Abstract

Objective

To identify the contributions of mobile applications on the breastfeeding practice.

Methods

Integrative literature review of CINAHL, BDENF, Medline/PubMed, Scopus, LILACS, Web of Science, Cocharane and Scielo virtual libraries to answer the guiding question: What are the contributions of mobile applications to breastfeeding?. The searches occurred between September and November of 2017, using the descriptors “mobile applications”, “breastfeeding”, “postpartum period”, “pregnant women”, and “social support”. After the combination of these descriptors, 530 articles were identified, and when applying the eligibility criteria, nine studies remained, which were assessed for methodological rigor and level of evidence. During data extraction, a validated and adapted instrument was used.

Results

Mobile applications that contributed to breastfeeding were informative. They provided guidance on the promotion of breastfeeding, infant feeding, use of alcohol during breastfeeding, and breastfeeding positions. Several applications were used to evaluate problems, experiences, and barriers to breastfeeding; frequency of breastfeeding; use of formula or complementary feeding. The applications that used the social network to support breastfeeding, and those which were subjected to the evaluation processes showed little expressiveness.

Conclusion

The applications were developed only with purpose of informative support in breastfeeding for the nursing mothers and their social network. However, some gaps were identified in the quality of information, usability, acceptability, and effectiveness of these applications, and it was not evident whether the development of these applications was supported by the scientific literature.

Mobile applications; Breast feeding; Postpartum period; Pregnancy; Social support

Introdução

As evidências científicas destacam os benefícios da amamentação e o estabelecimento de iniciativas para promoção do aleitamento materno, entretanto, a taxa de aleitamento materno e em especial o aleitamento materno exclusivo, ainda são baixas em todo o mundo. As principais razões relatadas pelas mães são: insegurança, inexperiência, ocupação profissional, crenças, influência de terceiros, falta de apoio dos familiares, amigos e profissionais de saúde e a carência de informações.11. Victora CG, Bahl R, Barros AJ, França GV, Horton S, Krasevec J, et al.; Lancet Breastfeeding Series Group. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10017):475–90.,22. Capucho LB, Forechi L, Lima RCD, Massaroni L, Primo CC. Fatores que interferem na amamentação exclusiva. Rev Bras Pesq Saúde. 2017;19(1):108-13.

No sentido de contribuir com essa prática, as tecnologias digitais surgem para complementar à aquisição de novos conhecimentos, por serem cada vez mais utilizadas e por alcançarem a maioria dos espaços sociais, chegando a cinco bilhões de assinaturas de telefones móveis no mundo e 80,4% de usuários, no Brasil.33. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio- PNAD. Brasília (DF): IBGE; 2015. [citado 2017 Dez 21]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?edicao=17983&t=sobre
https://www.ibge.gov.br/estatisticas/soc...
,44. The world in 2010: ICT facts and figures [Internet]. Genève; International Telecommunications Union; 2010 [cited 2017 Dec 15 ]. Available from: http://www.itu.int/net/itunews/issues/2010/10/04.aspx
http://www.itu.int/net/itunews/issues/20...

Com o advento desse crescimento, os serviços de saúde almejam o interesse pela saúde móvel por possibilitar benefícios em diversas especialidades de saúde, ofertar informações, armazenar dados clínicos, além de auxiliar na tomada de decisões. Também, são capazes de acompanhar o usuário durante 24 horas por dia, com espaço virtual sem restrições ou limitações físicas, representando um meio eficaz de atingir o público-alvo desejado.55. Lewis TL, Wyatt JC. mHeakth and móbile medical app: a framework to assess risk and promote safer use. J Med Internet Res. 2014;16(9):e210.

6. World Health Organization (WHO). mHealth. New horizons for health through mobile technologies: second global survey on eHealth. Genève: WHO; 2011.

7. Olff M. Mobile mental health: a challenging research agenda. Eur J Psychotraumatol. 2015;6(1):27882.
-88. Tenório L, Oliveira AL, Amorim YP, Neto AC. A. Educação em Saúde através das novas tecnologias da informação e da comunicação: uma análise da (re) orientação de nativos digitais no ciberespaço. Rev Cient Interdisc. 2014;(1);179-92.

Nesse processo transformador da comunicação, a integração de aplicativos móveis propicia a aquisição de informações, contribui com o estabelecimento de novos modos de relações sociais e comunicacionais capazes de inserir a nutriz e sua rede social na amamentação colaborando para mudanças de atitudes positivas nessa prática. Assim, a presente revisão integrativa tem como objetivo de identificar as contribuições dos aplicativos móveis para a prática do aleitamento materno.

Métodos

Revisão integrativa da literatura que permite sintetizar e analisar pesquisas desenvolvidas pelo método quantitativo e qualitativo, publicadas sobre determinado assunto, proporcionando a compreensão mais abrangente de determinado fenômeno, para subsidiar a tomada de decisão baseada nas evidências científicas.99. Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005;52(5):546–53.

A elaboração desta revisão percorreu as etapas: formulação do problema; busca na literatura dos estudos primários; avaliação dos estudos incluídos na revisão; análise dos dados; apresentação dos resultados.99. Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005;52(5):546–53. A pergunta de pesquisa é: Quais as contribuições dos aplicativos móveis para a prática do aleitamento materno?

A busca das publicações ocorreu entre setembro e novembro de 2017, nas bases de dados CINAHL, BDENF, Medline/PubMed, Scopus, LILACS, Web of Science e nas bibliotecas Cocharane e Scielo. Para viabilizar a busca foi realizado consultas dos Descritores em Ciências da Saúde (DeSC) e no Medical Subject Headings (MeSH). Foram identificados os seguintes descritores em português e seus correspondentes em inglês: “aplicativos móveis”, “aleitamento materno”, “período pós-parto”, “gestante” e “apoio social”.

A estratégia de busca dos estudos foi feita por dois pesquisadores, com a intenção de padronizar a sequência dos descritores e cruzamentos e, em seguida, separadamente. Os resultados dessa busca foram comparados para identificar possíveis discordâncias e correção de erros que viessem a existir. Ressalta-se que em todos os cruzamentos o descritor “aplicativos móveis” esteve presente.

Inicialmente, os descritores foram combinados entre si por meio do operador booleano AND, primeiramente aos pares buscando apreender as relações entre os aplicativos móveis com os demais descritores mencionados. Depois, foram realizados os cruzamentos entre três descritores, de maneira que “aplicativos móveis” e “aleitamento materno” foram mantidos em associação com os outros descritores: “período pós-parto”, “gestante” e “apoio social”. Todos os cruzamentos foram feitos igualmente e na mesma ordem em cada base de dados e bibliotecas de saúde (Quadro 1).

Quadro 1
Publicações identificadas nas bases de dados e bibliotecas virtuais de saúde, no período de 2007-2017, com enfoque nas contribuições dos aplicativos móveis para prática do aleitamento materno

Os estudos primários foram selecionados a partir dos critérios de inclusão: artigos originais que abordassem a temática do estudo, disponível na íntegra, em português, inglês e espanhol, publicados nos últimos 10 anos. Essa delimitação temporal se deve pelo ano de 2007 ser considerado a revolução dos smartphones resultando na disponibilização de diversos aplicativos nas lojas virtuais.1010. Pinto FS, Centeno JAS. A realidade aumentada em smartphones na exploração das informações estatísticas e cartográficas. Bol. Ciênc. Geod., sec. Artigos. 2012; 18(2):282-301. Cartas ao leitor, editoriais, teses, dissertações, livro, capítulos de livros, matéria de jornal, relato de experiência, estudo reflexivo, revisões sistemáticas ou integrativas da literatura e estudos que não respondessem a pergunta condutora, foram excluídos.

Na etapa de seleção dos estudos primários, foi realizada a leitura dos títulos das 530 publicações encontradas. Sendo excluídos 300 artigos por não abordarem a temática do estudo nos títulos. Dos 230 selecionados para aplicação dos critérios de elegibilidade, excluindo-se 177 por não se adequarem aos critérios estabelecidos. Das 44 publicações submetidas à leitura dos resumos, 35 foram excluídos por não discorrer sobre aplicativos e amamentação. Restaram nove publicações para análise e discussão (Figura 1). Os artigos encontrados em mais de uma base de dados, foram catalogados apenas uma vez, de acordo com a ordem de identificação na primeira base de dados pesquisada.

Figura 1
Processo de seleção das publicações, dos artigos envolvendo as contribuições dos aplicativos móveis para prática do aleitamento materno.

A extração dos dados foi norteada por um instrumento validado e adaptado que contempla as informações sobre os autores, objetivo, características metodológicas e principais resultados do estudo.1212. Ursi ES. Prevenção de lesões no perioperatório: revisão integrativa da literatura Rev Lat Am Enfermagem; 2006;14(1):124-31. Para avaliar o rigor metodológico utilizou-se o instrumento adaptado do Critical Appraisal Skills Programm (CASP), que classifica os estudos como: de boa qualidade metodológica e viés reduzido (categoria A - 6 a 10 pontos) e com qualidade metodológica satisfatória (categoria B - no mínimo 5 pontos),1313. Critical Appraisal Skills Programme [Internet]. Oxford: CASP; 2013- [citado 2017 nov 08]. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/dded87_ebad01cd736c4b868abe4b10e7c2ef23.pdf
http://media.wix.com/ugd/dded87_ebad01cd...
no entanto todos os artigos foram incluídos.

O nível de evidência foi avaliado de acordo com a classificação hierárquica, divididos em: nível 1, estudos de metanálise de múltiplos estudos controlados; nível 2, estudo individual com delineamento experimental; nível 3, estudo com delineamento experimental, como estudo sem randomização com grupo único, pré e pós-teste; nível 4, estudo com delineamento não experimental como pesquisas descritivas correlacional e qualitativa ou estudo de caso; nível 5, relatórios de casos ou dado obtido de forma sistemática, de qualidade verificável ou dados de avaliação de programas; e nível 6, opinião de autoridades respeitáveis baseada na competência clínica ou opiniões de comitês de especialistas, incluindo interpretações não baseadas em pesquisas.1414. Oxford Centre for Evidence-based Medicine: levels of evidence [Internet]. 2009 [cited 2018 Jan 20]. Available from: http://www.cebm.net/oxford-centre-evidence-based-medicine-levels-evidence-march-2009.
http://www.cebm.net/oxford-centre-eviden...
Os resultados foram discutidos a luz de Teoria da Rede Social de Sanicola,1515. Sanicola L. As dinâmicas da rede social e o trabalho social. 2a ed. ampliada. São Paulo: Vera; 2015. nos referenciais do Ministério da Saúde e na literatura científica.

Resultados

Dos nove artigos selecionados, três foram encontrados na Medline/PubMed, dois na Scopus, dois na CINAHL e dois na Web of Science.1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.

17. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

18. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

19. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.

20. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.

23. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.

24. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84.
-2525. Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp....
Quanto ao delineamento de pesquisa, cinco foram descritivos,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.,2020. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.
-2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024. um qualitativo,1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81. um metodológico,1919. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7. um experimental sem randomização2525. Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp....
e outro experimental com randomização.2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. nível de evidência que predominou foi o quatro,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

18. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

19. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.

20. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.
-2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024. seguido do três2525. Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp....
e do dois.2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. A análise do rigor com metodológico concentrou-se no nível A1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

19. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.

20. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.

23. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.

24. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84.
-2525. Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp....
e apenas um no B.1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

Os estudos foram publicados entre 2015-2017, na língua inglesa, em periódicos dos Estados Unidos,1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.,2020. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.
-2222. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70. Reino Unido,2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.,2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. Austrália.1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.,1919. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7. Dentre à população estudada três foram dos Estados Unidos,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.,2020. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.,2121. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95. dois da Austrália,1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.,1919. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.um na Libéria,2222. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70. um da Dinamarca2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.e um da Índia.2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. Um dos artigos1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20. não foi possível identificar o local de estudo. Quanto as áreas de divulgação dos periódicos, três foram publicados na área materno-infantil,1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.,2020. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.,2121. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95. dois em informática,1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.,2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. dois na área multidisciplinar,1919. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.,2222. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70. um na área médica2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024. e um na enfermagem.1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

Um estudo compartilhou informações sobre características dos aplicativos, disponíveis nas lojas virtuais, destinados a amamentação,1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20. no entanto os aplicativos mais utilizados tinham como propósito o direcionamento para coleta de dados referentes à saúde materno-infantil, dentre eles: problemas na amamentação, frequência da amamentação, início do uso de fórmulas ou da alimentação complementar, experiências e barreiras com a amamentação e o uso de álcool na amamentação.1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

18. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

19. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.

20. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.
-2323. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024. Apenas dois direcionados exclusivamente para rastreio das práticas de aleitamento materno,2020. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.,2121. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.dois inseriram a rede social de apoio a nutriz em seus estudos,1717. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.,1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81. um artigo foi avaliado por meio de pesquisa de opinião e escala de avaliação do protótipo.1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81. A síntese dos artigos encontrados está apresentado no quadro 2.

Quadro 2
Síntese dos artigos sobre as contribuições dos aplicativos móveis para prática do aleitamento materno

Discussão

A globalização e o advento da internet têm contribuído para que os aplicativos móveis conquistem cada vez mais espaço na população. Por meio dessa tecnologia, é possível desenvolver soluções de entretenimento e criação de vasta rede de comunicação, proporcionar o conhecimento independente e autônomo à medida que oportuniza a mulher e sua rede social navegar de acordo com seu próprio interesse, mas também permite o compartilhamento e a obtenção de informações relevantes na tentativa de contribuir para a manutenção da lactação.

Essa versatilidade contribuiu para que a Organização Mundial de Saúde, em 2011, reconhecesse o potencial da saúde móvel como estratégia para as práticas de saúde, favorecendo a incorporação desse artefato de forma cada vez mais frequente.66. World Health Organization (WHO). mHealth. New horizons for health through mobile technologies: second global survey on eHealth. Genève: WHO; 2011. Como resultado, estudos sobre aplicativos móveis utilizados para auxiliar a prática da amamentação1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.

17. Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.

18. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

19. White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.

20. Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.

21. Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.

22. Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.

23. Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.
-2424. Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84. vem sendo publicados. No entanto ainda são relativamente recentes, entre 2015-2017, conforme identificado nessa revisão.

Entre as populações estudadas nas pesquisas identificadas para esta revisão, a do Brasil não se fez presente, embora nesse país, tenha cerca de 245 milhões de dispositivos móveis conectados a internet, sendo 71% em smartphones.2525. Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp....
Contudo, essa tecnologia se mostra como uma alternativa promotora do apoio informativo, por oferecer diversas formas de divulgação de conhecimento e transmitir informações, sobre aleitamento, a lugares remotos, alcançando gestantes, puérperas e sua rede social. Essa transmissão de informação deve ocorrer em especial no puerpério, pois nessa fase observa-se uma maior necessidade de apoio e orientação sobre aleitamento materno, devido a insegurança em nutrir seu filho2626. Silva AM, Freitas LM, Maia JÁ, Granja MM, Dodt RC, Chaves EM. Tecnologias em aleitamento materno: revisão integrativa. Rev Bras Prom Saúde. 2016;29(3):439-66. e por constituir um período onde as crenças, mitos e costumes a cerca da amamentação estão mais presentes. Essas informações quando ofertadas são responsáveis por aumentar em 49% o aleitamento materno exclusivo e em 66% o aleitamento materno.2727. Rollins NC, Lutter CK, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Jose C. Martines JC, et al. Porque investir e o que é necessário para melhorar as práticas da amamentação? Epidemiol Serv Saúde (Brasília). 2016:25-40. Esse fato foi bem evidenciado em estudo incluído nessa revisão.

Ressalta-se que esse apoio informativo também deve ser ofertado a familiares, vizinhos, amigos por esses serem considerados importantes na adesão e manutenção do aleitamento.2828. Prates LA, Schmalfuss JM, Lipinsk JM. Rede de apoio social de puérperas na prática da amamentação. Esc Ana Nery. 2015;19(2):310-5. A nutriz, em meio as diversas transformações próprias do puerpério, acabam susceptíveis a influências externas e sua rede social pode interferir positivamente ou não na amamentação.

Ao nascimento os sentimentos de medo e incertezas frente a nova conjuntura familiar geram inseguranças e dúvidas, do pai, sobre os cuidados com o bebê e sua esposa. Assim é necessário incluir o pai, orientando-o sobre a importância de sua participação no processo de amamentação, pois, quanto mais esses souberem a respeito dos benefícios da amamentação para a criança e a mulher, maiores são as chances de sucesso.2929. Jeneral RBR, Belini LA, Duarte MF. Aleitamento materno: uma reflexão sobre o papel do pai. Rev. Fac. Ciên. Méd. Sorocaba 2015 Ago. v 17(3): 140-147. No entanto, a análise dos artigos evidenciou que a rede social, em especial o pai foi pouco representativa.

Contudo não basta apenas ofertar informações, mas também rastrear as ações de promoção, proteção e apoio a amamentação, com intuito de fornecer subsídios para o direcionamento das práticas de orientações realizadas pelos profissionais e instituições de saúde. Realizar coleta através de aplicativos móveis favorece a maior agilidade para obtenção, registro, armazenamento e envio das informações com organização, rapidez e comodidade, acarretando em intervenção de forma rápida e eficaz.3030. Pereira IM, Bonfim D, Peres HH. Góes RF, Gaidzinski RR. Tecnologia móvel para coleta de dados de pesquisas em saúde. Acta Paul Enferm. 2017;(5):479–88.

O que se observa é que os aplicativos móveis, em sua maioria, versam sobre os cuidados gerais com os recém-nascidos e locais para coleta de leite humano1616. Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20. além da ocorrência de poucas informações sobre a qualidade desses conteúdos. Esses são lançados nas lojas virtuais sem nenhum tipo de monitoramento, possivelmente por não estarem vinculados a pesquisas e sim a desenvolvedores particulares, dificultando a avaliação da qualidade do conteúdo das informações.3131. Cummings RE, Lagrial S, Su Wu-Chen. Mobile and rating scale: a new tool for assesing the quality of health móbile apps. JMIR Mhealth Uhealth. 2015 Jan-Mar; 3 (1): e27.

A avaliação garante a aplicação de procedimentos metodológicos para determinar, a partir de objetivos propostos a relevância, a efetividade, o impacto de determinadas atividades com a finalidade da tomada de decisões. Esse processo foi identificado em um artigo, desta revisão, ocorrendo por meio de avaliação formativa do conteúdo, de teste da credibilidade e avaliação de funcionabilidade, compreensibilidade e usabilidade.1818. White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.

Conclusão

Nessa era de grande disseminação da internet e dos smatphones, os aplicativos surgem como uma proposta educacional capaz de disseminar informações em diversos contextos. No entanto, é necessária uma reflexão sobre a importância dessa ferramenta no apoio a amamentação, no que se refere ao fornecimento de informações a nutriz e sua rede social. Os estudos obtiveram informações sobre a prática do aleitamento materno de puérperas e forneceram apoio informativo as nutrizes e sua rede social. Porém, indicaram que lacunas precisam ser preenchidas quanto à qualidade de informações, a usabilidade, aceitabilidade e eficácia, pois não mencionaram se a construção dos aplicativos móveis foi alicerçada na literatura científica. Destaca-se que não foram identificados estudos experimentais voltados exclusivamente para amamentação, que possibilitasse a descrição precisa de evidências na temática estudada. Assim, emerge a necessidade de repensar o desenvolvimento de aplicativos móveis voltados, exclusivamente, para o aleitamento materno, focado na promoção da amamentação durante todo o ciclo gravídico-puerperal. Dispositivos construídos por meio do reconhecimento das necessidades das usuárias e que incluam sua rede social de apoio à amamentação, coerente e adequada, de acordo com demandas específicas, submetida a processo de avaliação e estudos capazes de avaliar sua eficiência.

Referências

  • 1
    Victora CG, Bahl R, Barros AJ, França GV, Horton S, Krasevec J, et al.; Lancet Breastfeeding Series Group. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10017):475–90.
  • 2
    Capucho LB, Forechi L, Lima RCD, Massaroni L, Primo CC. Fatores que interferem na amamentação exclusiva. Rev Bras Pesq Saúde. 2017;19(1):108-13.
  • 3
    Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio- PNAD. Brasília (DF): IBGE; 2015. [citado 2017 Dez 21]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?edicao=17983&t=sobre
    » https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?edicao=17983&t=sobre
  • 4
    The world in 2010: ICT facts and figures [Internet]. Genève; International Telecommunications Union; 2010 [cited 2017 Dec 15 ]. Available from: http://www.itu.int/net/itunews/issues/2010/10/04.aspx
    » http://www.itu.int/net/itunews/issues/2010/10/04.aspx
  • 5
    Lewis TL, Wyatt JC. mHeakth and móbile medical app: a framework to assess risk and promote safer use. J Med Internet Res. 2014;16(9):e210.
  • 6
    World Health Organization (WHO). mHealth. New horizons for health through mobile technologies: second global survey on eHealth. Genève: WHO; 2011.
  • 7
    Olff M. Mobile mental health: a challenging research agenda. Eur J Psychotraumatol. 2015;6(1):27882.
  • 8
    Tenório L, Oliveira AL, Amorim YP, Neto AC. A. Educação em Saúde através das novas tecnologias da informação e da comunicação: uma análise da (re) orientação de nativos digitais no ciberespaço. Rev Cient Interdisc. 2014;(1);179-92.
  • 9
    Whittemore R, Knafl K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs. 2005;52(5):546–53.
  • 10
    Pinto FS, Centeno JAS. A realidade aumentada em smartphones na exploração das informações estatísticas e cartográficas. Bol. Ciênc. Geod., sec. Artigos. 2012; 18(2):282-301.
  • 11
    Moher D, Liberati A, Tetzalaff J, Altman DG. Preferres reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statment. PLoS Med. 2009;6(7):e1000097. doi: 12.1371/journal.pmed.1000097. Epub 2009 Jul 21.
    » https://doi.org/12.1371/journal.pmed.1000097
  • 12
    Ursi ES. Prevenção de lesões no perioperatório: revisão integrativa da literatura Rev Lat Am Enfermagem; 2006;14(1):124-31.
  • 13
    Critical Appraisal Skills Programme [Internet]. Oxford: CASP; 2013- [citado 2017 nov 08]. Disponível em: http://media.wix.com/ugd/dded87_ebad01cd736c4b868abe4b10e7c2ef23.pdf
    » http://media.wix.com/ugd/dded87_ebad01cd736c4b868abe4b10e7c2ef23.pdf
  • 14
    Oxford Centre for Evidence-based Medicine: levels of evidence [Internet]. 2009 [cited 2018 Jan 20]. Available from: http://www.cebm.net/oxford-centre-evidence-based-medicine-levels-evidence-march-2009
    » http://www.cebm.net/oxford-centre-evidence-based-medicine-levels-evidence-march-2009
  • 15
    Sanicola L. As dinâmicas da rede social e o trabalho social. 2a ed. ampliada. São Paulo: Vera; 2015.
  • 16
    Mohrbacher N. Hi-Tech breastfeeding tools: meeting the needs of today’s parents. Int J Childbirth Educ. 2015;30(4):17-20.
  • 17
    Asiodu IV, Waters CM, Dailey DE, Lee KA, Lyndon A. Breastfeeding and use of social media among first-time African American mothers. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 2015;44(2):268–78.
  • 18
    White BK, Martin A, White JA, Burns SK, Maycock BR, Giglia RC, et al. Theory-Based Design and Development of a Socially Connected, Gamified Mobile App for Men About Breastfeeding (Milk Man). JMIR Mhealth Uhealth. 2016;4(2):e81.
  • 19
    White BK, White J, Giglia R, Tawaia S. Feed safe: a multidisciplinary partnership approach results in a successful mobile application for breastfeeding mothers. Health Prom J Australia. 2016; 27:111-7.
  • 20
    Demirci JR, Bogen DL. Feasibility and acceptability of a mobile app in an ecological momentary assessment of early breastfeeding. Matern Child Nutr. 2017;13(3):e12342.
  • 21
    Demirci JR, Bogen DL. An Ecological Momentary Assessment of primiparous women’s breastfeeding behavior and problems from birth to 8 weeks. J Hum Lact. 2017;33(2):285–95.
  • 22
    Guyon A, Bock A, Buback L, Knittel B. Mobile-based nutrition and child health monitoring to inform program development: an experience from Liberia. Glob Health Sci Pract. 2016;4(4):661–70.
  • 23
    Hägi-Pedersen MB, Norlyk A, Dessau R, Stanchev H, Kronborg H. Multicentre randomised study of the effect and experience of an early in home programme (PreHomeCare) for preterm infants using video consultation and smartphone applications compared with in hospital consultations: protocol of the PreHome Care study. BMJ Open. 2017;7(3):e013024.
  • 24
    Balakrishnan R, Gopichandran V, Chaturvedi S, Chatterjee R, Mahapatra T, Chaudhuri I. Continuum of Care Services for Maternal and Child Health using mobile technology - a health system strengthening strategy in low and middle income countries. BMC Med Inform Decis Mak. 2016;16:84.
  • 25
    Fundação Getúlio Vargas. Pesquisa anual do uso de TI [Internet]. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas; 2016 [citado 2018 Jan 12]. Disponível em http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
    » http://eaesp.fgvsp.br/sites/eaesp.fgvsp.br/files/pesti2016gvciappt.pdf
  • 26
    Silva AM, Freitas LM, Maia JÁ, Granja MM, Dodt RC, Chaves EM. Tecnologias em aleitamento materno: revisão integrativa. Rev Bras Prom Saúde. 2016;29(3):439-66.
  • 27
    Rollins NC, Lutter CK, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Jose C. Martines JC, et al. Porque investir e o que é necessário para melhorar as práticas da amamentação? Epidemiol Serv Saúde (Brasília). 2016:25-40.
  • 28
    Prates LA, Schmalfuss JM, Lipinsk JM. Rede de apoio social de puérperas na prática da amamentação. Esc Ana Nery. 2015;19(2):310-5.
  • 29
    Jeneral RBR, Belini LA, Duarte MF. Aleitamento materno: uma reflexão sobre o papel do pai. Rev. Fac. Ciên. Méd. Sorocaba 2015 Ago. v 17(3): 140-147.
  • 30
    Pereira IM, Bonfim D, Peres HH. Góes RF, Gaidzinski RR. Tecnologia móvel para coleta de dados de pesquisas em saúde. Acta Paul Enferm. 2017;(5):479–88.
  • 31
    Cummings RE, Lagrial S, Su Wu-Chen. Mobile and rating scale: a new tool for assesing the quality of health móbile apps. JMIR Mhealth Uhealth. 2015 Jan-Mar; 3 (1): e27.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    10 Out 2019
  • Data do Fascículo
    Sep-Oct 2019

Histórico

  • Recebido
    9 Dez 2018
  • Aceito
    16 Maio 2019
Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo R. Napoleão de Barros, 754, 04024-002 São Paulo - SP/Brasil, Tel./Fax: (55 11) 5576 4430 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: actapaulista@unifesp.br