Stevia rebaudiana (Bert) Bertoni: influência do estresse osmótico e do “priming” na germinação das sementes em condições de laboratório

Keila Regina Hossa José Walter Pedroza Carneiro Terezinha Aparecida Guedes Alessandro Lucca Braccini Sobre os autores

RESUMO.

O fator mais importante para que os agricultores possam cultivar Stevia rebaudiana is a produção qualitativa de mudas. Assim, o objetivo destes experimentos foi o de avaliar a influência do “priming” na uniformidade das ocorrências germinativas. Primeiro, nós avaliamos a porcentagem de plântulas normais de duas amostras colhidas nos anos 2011 e 2012. As sementes colhidas no ano de 2012 desenvolveram 71,4% de plântulas normais, e por isso foram usadas nos demais experimentos. Depois, as sementes foram estressadas osmoticamente usando cinco concentrações de polietileno glicol (PEG-6000) -0,2; -0,4; -0,6; -0,8 e -1,0 MPa, juntamente com um controle com água destilada. Com base nestes resultados, apenas as concentrações à -0,8 e -1,0 MPa foram avaliadas no terceiro experimento. Assim, as sementes foram imersas para a embebição à 20ºC por quatro, cinco, seis e sete dias. Em seguida, nós avaliamos to tempo para a primeira ocorrência germinativa (Ti), o tempo para a última (Tf), a porcentagem inicial de plântulas normais (Pi) e a porcentagem final de cada tratamento (Pf). O priming aumentou a porcentagem de plântulas normais e reduziu o tempo para a primeira e última ocorrência germinativa.

Palavras-chave:
condicionamento osmótico; protrusão de radículas; tempo de germinação; adoçantes.

Editora da Universidade Estadual de Maringá - EDUEM Av. Colombo, 5790, bloco 40, 87020-900 - Maringá PR/ Brasil, Tel.: (55 44) 3011-4253, Fax: (55 44) 3011-1392 - Maringá - PR - Brazil
E-mail: actaagron@uem.br