Atividade de predação e parasitismo de Aphelinus asychis (Hymenoptera: Aphelinidae) após tratamento com o fungo Entomopatogênico Paecilomyces fumosoroseus (Deuteromycotina: Hyphomycetos) sob diferentes condições de umidade relativa

O efeito do hyphomyceto Paecilomyces fumosoroseus (Wise) Brown & Smith sobre as atividades de predação e parasitismo de Aphelinus asychis Walker, um parasitóide comum do pulgão-russo-do-trigo, Diuraphis noxia (Mordvilko), foi estudado sobre três diferentes umidades relativas. Três lotes de 20 fêmeas de A. asychis foram tratadas com 5,2 x 10(4) esporos/cm² (2 x DL95 para D. noxia). Cada fêmea foi então individualmente mantida numa placa de Petri com janela de ventilação provida com folhas de cevada e 20 D. noxia do 3º instar. Os lotes de 20 fêmeas tratadas foram mantidos em uma das seguintes umidades relativas: 67-73%, 85-89% e 94-98%. Números iguais de insetos não tratados foram mantidos nas mesmas condições (testemunha). A cada 24 horas, durante uma semana, os parasitóides sobreviventes eram transferidos para nova placa de Petri provida com folhas frescas e 20 pulgões. Após cada período de 24 horas de exposição e para cada parasitóide, os pulgões mortos foram contados e as folhas contendo os pulgões vivos foram colocadas sobre plantas de cevada a fim de permitir o reestabelecimento destes afídeos. Nove dias após a transferência dos pulgões, as múmias originadas foram contadas. O número total de afídeos consumidos e de múmias originadas do ataque dos parasitóides tratados, incubados a 94-98% de umidade relativa, foram significativamente menores do que os números correspondentes resultantes de parasitóides não tratados. Existe um declínio significativo de predação e de parasitismo para as fêmeas tratadas e uma redução progressiva no número de parasitóides sobreviventes. A morte de todos os parasitóides tratados, incubados por sete dias à umidade de 94-98% após tratamento, e o alto nível de micose dos cadáveres demonstraram suscetibilidade do adulto de A. asychis ao fungo P. fumosoroseus em condições de alta umidade relativa. Contudo, a compatibilidade do fungo e do parasitóide nas baixas umidades relativas indica bom potencial para seu uso combinado.

Insecta; Diuraphis noxia; parasitóide; controle biológico; interação entre inimigos naturais


Sociedade Entomológica do Brasil Caixa postal 481 - CEP 86001-970, Londrina - PR - Brasil, Fone:(43) 3376 2262, Fax: (43) 3342 3987 - Londrina - PR - Brazil
E-mail: suemart@sercomtel.com.br