Distribuição de flebótomos (Diptera: Phlebotominae) em remanescentes florestais e habitats matrizes adjacentes na Amazônia Brasileira

Estudamos a distribuição de flebótomos (Diptera: Phlebotminae) - insetos vetores de várias doenças, incluindo-se a leishmaniose - na interface entre a pastagem e a floresta primária e entre a capoeira e a floresta primária, em Alta Floresta, no sul da Amazônia. Os flebótomos foram coletados com armadilhas de luz e com o uso de vertebrados como iscas. Foram detectadas fortes diferenças na abundância e na riqueza de espécies entre florestas primárias e pastagens. Poucas espécies de flebótomos foram encontradas nas pastagens, e nestas em geral as populações eram esparsas. Entretanto, ao menos uma espécie (Lutzomyia lainsoni) pode ser bastante abundante nas pastagens, possivelmente em função da congregação de gado em torno de pequenos corpos d'água. As diferenças entre as capoeiras e a floresta primária foram relativamente pequenas, embora as capoeiras apresentassem menor abundância e menor diversidade de espécies de flebótomos. Nenhuma espécie foi registrada exclusivamente nas pastagens ou capoeiras; as espécies presentes nesses ambientes representaram um subconjunto das espécies da floresta. A distância até a borda da floresta não afetou a abundância, a riqueza e a composição de espécies de flebótomos nos fragmentos florestais. A abundância e a riqueza de espécies de flebótomos, entretanto, foram maiores em bordas de floresta adjacentes à pastagem do que naquelas adjacentes à capoeira. Este padrão não pode ser explicado por uma entrada de flebótomos da pastagem adjacente, o que sugere a existência de diferenças intrínsecas entre os dois tipos de borda estudados.

Amazônia; efeitos de borda; fragmentação florestal; Phlebotominae; Lutzomyia


Instituto Internacional de Ecologia R. Bento Carlos, 750, 13560-660 São Carlos SP - Brasil, Tel. e Fax: (55 16) 3362-5400 - São Carlos - SP - Brazil
E-mail: bjb@bjb.com.br