Padrões de infestação por ácaros em quatro espécies de lagartos diurnos em um ambiente de restinga (Jurubatiba) no Sudeste do Brasil

Nós estudamos o parasitismo por larvas do ácaro Eutrombicula alfreddugesi na comunidade de lagartos da Restinga de Jurubatiba, no Estado do Rio de Janeiro, Sudeste do Brasil. Nós investigamos os padrões de infestação (prevalência e intensidade) desse ácaro em quatro lagartos simpátricos: Tropidurus torquatus, Mabuya agilis, M. macrorhyncha e Cnemidophorus littoralis. Todos os lagartos coletados foram examinados para verificar a presença de ácaros, os quais foram contados sob microscópio estereoscópico. Nós testamos a relação entre a intensidade de infestação e o tamanho do corpo para cada espécie de lagarto, usando análise de regressão. As prevalências e intensidades médias de infestação (+ 1 desvio-padrão) por espécie hospedeira foram, respectivamente: 100%; 86,4 + 94,6 em T. torquatus (n = 62); 100%; 20,9 + 9,3 em M. agilis (n = 7); 100%; 11,1 + 13,1 em M. macrorhyncha (n = 12); e 95,2%; 20,1 + 16,7 em C. littoralis (n = 21). Somente em C. littoralis o tamanho corpóreo influenciou significativamente a intensidade de infestação (r = 0,27, p = 0,02). Para todas as espécies de lagarto, as partes do corpo onde os ácaros ocorreram com maior intensidade foram as áreas de dobras de pele e regiões axilares.

ácaro; parasitismo; lagarto; restinga


Instituto Internacional de Ecologia R. Bento Carlos, 750, 13560-660 São Carlos SP - Brasil, Tel. e Fax: (55 16) 3362-5400 - São Carlos - SP - Brazil
E-mail: bjb@bjb.com.br