Anatomia e ontogênese da semente de Pterodon emarginatus (Fabaceae: Faboideae)

O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de descrever a estrutura da semente de Pterodon emarginatus, nas várias fases do desenvolvimento, utilizando técnicas usuais. Verificou-se que os óvulos são campilótropos, crassinucelados e bitegumentados. Durante o desenvolvimento tegumentar ocorrem os seguintes processos: divisões anticlinais e acúmulo de compostos fenólicos na exotesta, cujas células tornam-se paliçádicas; divisões predominantemente periclinais e alongamento na mesotesta, onde se diferencia o feixe rafeal; diferenciação, adjacente à paliçada, da camada de células em ampulheta; coalescimento do tégmen junto à testa, culminando no concrescimento dos dois tegumentos, que se mantêm individualizados apenas na região micropilar; intensa impregnação de compostos pécticos nas paredes espessadas da mesotesta, com lignificação restrita ao xilema. Na região hilar, desenvolve-se a estrutura característica das sementes de Faboideae, com dupla camada paliçádica, parênquima subhilar e barra de traqueídes. O nucelo é consumido durante a formação da semente, observando-se, na estrutura jovem, células de paredes pécticas espessadas. O endosperma é nuclear e, após a celularização, exibe perifericamente células de conteúdo denso; é encontrado na semente madura, embora se apresente reduzido, acumulando substâncias lipídicas. O embrião é axial, com cotilédones crassos, que acumulam reservas de natureza lipídica e protéica, sendo raros os grãos de amido. Embora a estrutura observada seja típica das Fabaceae, não há reabsorção do tegumento interno, mas concrescimento ao externo.

cerrado; Fabaceae; Pterodon emarginatus; anatomia de semente; tegumento seminal


Instituto Internacional de Ecologia R. Bento Carlos, 750, 13560-660 São Carlos SP - Brasil, Tel. e Fax: (55 16) 3362-5400 - São Carlos - SP - Brazil
E-mail: bjb@bjb.com.br