Evidências de fonte jovem, próxima e primária (YPP) do diamante que ocorre nos aluviões dos rios Santo Antônio do Bonito, Santo Inácio e Douradinho na região de Coromandel, Minas Gerais

Rogério Silvestre Pereira Reinhardt Adolfo Fuck Osvaldo Soares França Anival Antônio Leite Sobre os autores

RESUMO:

O extenso magmatismo associado ao alto estrutural Alto Paranaíba, responsável pela intrusão de kimberlitos, kamafugitos e complexos alcalinos, forma faixa de aproximadamente 400 x 150 km e orientação noroeste-sudeste na porção sul do Cráton do São Francisco. Datações realizadas em algumas intrusões ao longo da faixa mostram idades entre 120 e 75 Ma. ­Análises químicas de granada recuperada em amostragem aluvionar na região de Coromandel e adjacências, tradicionalmente produtoras de diamante, mostram evidências de janelas distintas de granada peridotítica de alto interesse em Três Ranchos e Coromandel. Estudos de 680 diamantes adquiridos ou recuperados durante programas de prospecção nas principais áreas de garimpo em Romaria, Estrela do Sul, Três Ranchos e Coromandel apresentam características únicas, distintas entre si, em que determinadas populações indicam procedência de fontes jovens, próximas e primárias (YPP). Especificamente em Coromandel, análises de 201 pedras provenientes de aluviões dos rios Santo Antônio do Bonito, Santo Inácio e Douradinho não mostram evidências de transporte, caracterizando fonte proximal. Em diferentes pontos das bacias dos rios mencionados, ocorre o conglomerado basal da Formação Capacete, Grupo Mata da Corda, do Cretáceo Superior, contendo principalmente seixos pouco arredondados e/ou angulosos de quartzito e de diferentes tipos de rochas básicas e ultrabásicas. Granada, ilmenita, espinélio e, em casos restritos, diamante são recuperados no conglomerado. Perfil magnetotelúrico realizado entre as bacias do Paraná e Sanfranciscana mostra litosfera subjacente espessa na região de Coromandel, capaz de preservar diamante, coincidente com a janela de granada peridotítica de alto interesse e com a população de diamante com característica de fonte proximal identificadas na área. Intrusões de kimberlito diamantífero ocorrem em diferentes pontos do Alto Paranaíba.

PALAVRAS-CHAVE:
kimberlito; diamante; conglomerado; química mineral; exploração mineral

Sociedade Brasileira de Geologia R. do Lago, 562 - Cidade Universitária, 05466-040 São Paulo SP Brasil, Tel.: (55 11) 3459-5940 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: sbgeol@uol.com.br