Isolamento e identificação de leveduras e fungos filamentosos em iogurtes

Setenta e duas embalagens de iogurtes de quatro indústrias diferentes foram analisadas durante três épocas diferentes com intervalo mensal. A população microbiana total encontrada foi em torno de 6 x 10(7) células g-1 de iogurte. A contagem de leveduras variou entre 1 a 2.700 células g-1. Não foi possível observar uma sistemática contaminação, mas este estudo longitudinal revelou que contaminação ad hoc e armazenamento impróprio pode levar a elevadas populações de leveduras. De modo geral foi detectada uma contaminação maior nos meses mais quentes do ano mas em valores inferiores aos encontrados em outros países. Um total de 577 isolados de leveduras foram identificados como pertencentes a 10 espécies. As leveduras mais abundantes foram, em ordem, Debaryomyces hansenii, Saccharomyces cerevisiae, Mrakia frigida, Hansenula spp., Candida parapsilosis, Debaryomyces castellii e Candida maltosa. A levedura psicrófila, Mrakia frigida foi pela primeira vez mencionada como isolada a partir de iogurtes. Foi encontrada em algumas amostras uma pequena contaminação por espécies de Monilia e Penicillium. Os testes utilizados para crescimento sugeriram que habilidade para fermentar sacarose, crescimento a 5ºC e na presença de 300 µg g-1 de sorbato foram as três propriedades fisiológicas mais importantes para a presença destas leveduras em iogurtes. Os dados também sugerem que clima mais quente e refrigeração inadequada são as principais causas de alta nível de contaminação, aumento da diversidade e mudança na microbiota presente.

leveduras; fungos filamentosos; iogurtes; deterioração


Sociedade Brasileira de Microbiologia USP - ICB III - Dep. de Microbiologia, Sociedade Brasileira de Microbiologia, Av. Prof. Lineu Prestes, 2415, Cidade Universitária, 05508-900 São Paulo, SP - Brasil, Ramal USP 7979, Tel. / Fax: (55 11) 3813-9647 ou 3037-7095 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: bjm@sbmicrobiologia.org.br