Avaliação tomográfica das orelhas contralaterais de pacientes com otite média crônica grave

Alguns estudos indicam uma tendência à bilateralidade da otite média crônica. Acredita-se que a orelha contralateral possa fornecer evidências da via de formação da doença da orelha mais afetada, ser um parâmetro da função da tuba auditiva e predizer o sucesso do tratamento. A tomografia computadorizada é um excelente teste para avaliar as estruturas do osso temporal e as alterações decorrentes da da otite média. OBJETIVO: Avaliar tomografias computadorizadas (TC) de osso temporal de pacientes com otite média crônica e descrever anormalidades na orelha contralateral. MÉTODO: Estudo de Prevalências (transversal). Avaliação das TC de 75 pacientes com otite média crônica de um hospital terciário de referência no Brasil por um neurorradiologista. RESULTADOS: A população foi constituída por 50,6% do sexo masculino, com idade média de 36 anos. Encontramos 54,7% de alterações na orelha contralateral claramente relacionadas com otite média crônica. DISCUSSÃO: A prevalência de alterações radiográficas nas orelhas contralaterais de pacientes com otite média crônica corrobora com estudos clínicos, histopatológicos e funcionais desenvolvidos pelo mesmo grupo de pesquisa e sugere que esta doença tem uma característica bilateral.

colesteatoma; otite média; radiologia; tomografia


Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Sede da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial, Av. Indianópolia, 1287, 04063-002 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (0xx11) 5053-7500, Fax: (0xx11) 5053-7512 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@aborlccf.org.br