Enxertos e anastomoses do nervo facial na orelha média: caixa do tímpano e mastoide

Nelson Álvares Cruz Filho José Evandro Prudente de Aquino Luís Francisco de Oliveira Sobre os autores

O nervo facial, quando seccionado, pode ser reparado em seu tronco por enxerto ou anastomose. OBJETIVO: Discutir as técnicas em questão e mostrar o que podemos esperar das mesmas. MÉTODO: Foram operados sete pacientes com secção do nervo facial. As cirurgias foram quatro enxertos e três anastomoses. Cinco paralisias foram iatrogênicas e duas por projéteis de arma de fogo. A avaliação da recuperação motora foi feita pela tabela de Janssen. RESULTADOS: Obtivemos 72,5% em média de recuperação motora nos casos de enxerto e 73,3% nos casos de anastomose. CONCLUSÃO: 1. Enxertos e anastomoses são soluções adequadas para reparar o nervo facial seccionado, mas nunca permitem uma recuperação facial completa, podendo ocorrer sincinesias. 2. Em princípio, o nosso objetivo é fazer a anastomose, mas quando existe tração mínima nos cotos do facial, preferimos os enxertos. 3. Em ambas as técnicas, conseguimos acima de 70% de recuperação motora em média (72,5% nos enxertos e 73,3% nas anastomoses).

anastomose cirúrgica; microcirurgia; nervo facial; orelha média


Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Sede da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial, Av. Indianópolia, 1287, 04063-002 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (0xx11) 5053-7500, Fax: (0xx11) 5053-7512 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@aborlccf.org.br