Influência dos contrastes de fala nos potenciais evocados auditivos corticais

Estudos voltados aos potenciais evocados auditivos com estímulos de fala em indivíduos ouvintes são importantes para compreender como a complexidade do estímulo influencia nas características do potencial cognitivo auditivo gerado. OBJETIVO: Caracterizar o potencial evocado auditivo cortical e o potencial cognitivo auditivo P3 com estímulos de contrastes vocálico e consonantal em indivíduos com audição normal. MÉTODO: Participaram deste estudo 31 indivíduos sem alterações auditivas, neurológicas e de linguagem na faixa etária de 7 a 30 anos. Os potenciais evocados auditivos corticais e cognitivo auditivo P3 foram registrados nos canais ativos Fz e Cz utilizando-se os contrastes de fala consonantal (/ba/-/da/) e vocálico (/i/-/a/). Desenho: Estudo de coorte, transversal e prospectivo. RESULTADOS: Houve diferença entre o contraste de fala utilizado e as latências dos componentes N2 (p = 0,00) e P3 (p = 0,00), assim como entre o canal ativo considerado (Fz/Cz) e os valores de latência e amplitude de P3. Estas diferenças não ocorreram para os componentes exógenos N1 e P2. CONCLUSÃO: O contraste do estímulo de fala, vocálico ou consonantal, deve ser considerado na análise do potencial evocado cortical, componente N2, e do potencial cognitivo auditivo P3.

audiologia; eletrofisiologia; potenciais evocados auditivos; potencial evocado P300; vias auditivas


Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial. Sede da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial, Av. Indianópolia, 1287, 04063-002 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (0xx11) 5053-7500, Fax: (0xx11) 5053-7512 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@aborlccf.org.br