Accessibility / Report Error

Ocorrência de protozoários e helmintos em amostras de fezes de cães e gatos da cidade de São Paulo

Occurrence of protozoa and helminths in faecal samples of dogs and cats from São Paulo city

Resumos

Foram examinadas, pelo Laboratório de Doenças Parasitárias do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, no período de janeiro de 1991 a janeiro de 1995, amostras de 353 cães e de 187 gatos, com idades variadas e de diferentes áreas da cidade de São Paulo. Os métodos de diagnóstico empregados foram: centrífugo-flutuação em solução de sacarose e centrífugo-sedimentação em água-éter. Aproximadamente 45,0% das amostras de cães examinadas (160 amostras) apresentaram-se positivas e o percentual de ocorrência de parasitos, em relação ao total de amostras foi: Ancylostoma spp. 20,40; Toxocara canis 8,49; Giardia sp. 7,65; Cryptosporidium parvum 2,83; Cystoisospora spp. 2,55; Sarcocystis spp. 1,70; Hammondia heydorni 0,85; e Spirocerca lupi, Trichuris vulpis e Dipylidium caninum 0,28. Das 187 amostras recebidas, provenientes de gatos, somente oito eram negativas e observou-se a ocorrência (%) de Cystoisospora spp. 38,5; Toxocara sp. 34,22; Giardia sp. 16,04; Cryptosporidium parvum 14,44; Ancylostoma spp. 13,37; Dipylidium caninum 10,69; Sarcocystis spp. 8,56; Physaloptera spp. 4,81; oocistos tipo "Hammondia-Toxoplasma" 1,60; Strongyloides stercoralis 1,60; e Platynosomum concinum 1,07. Em cães, as associações mais freqüentemente observadas foram: Ancylostoma spp. + T. canis em oito amostras e Ancylostoma spp. + Giardia sp. e Ancylostoma spp. + T. vulpis em cinco amostras. Em gatos, Toxocara sp. e Cystoisospora spp., encontrados em 24 amostras, e Toxocara sp. + Ancylostoma spp. em cinco amostras, foram as associações mais comumente observadas.

Cães; Gatos; Helmintos; Protozoa


Faeces from 353 dogs and 187 cats, received from January 1991 to January 1995 in the Department of Preventive Veterinary Medicine and Animal Health, Faculty of Veterinary Medicine, University of São Paulo, were examined for the presence of parasites. The animals were from different areas of the city of São Paulo, and the faecal materials were examined by the methods of flotation in sucrose solution and centrifuge-sedimentation in water-ether. Approximately 45.0% of the dog samples (160 samples) were positive and the occurrence (%) of parasites, in relation to the total of samples was: Ancylostoma spp. 20.40; Toxocara canis 8.49; Giardia sp. 7.65; Cryptosporidium parvum 2.83; Cystoisospora spp. 2.55; Sarcocystis spp. 1.70; Hammondia heydorni 0.85; and Spirocerca lupi, Trichuris vulpis and Dipylidium caninum 0.28. From the 187 cats samples, only eight were negatives and the occurrence (%) was: Cystoisospora spp. 38.5; Toxocara sp. 34.22; Giardia sp. 16.04; Cryptosporidium parvum 14.44; Ancylostoma spp. 13.37; Dipylidium caninum 10.69; Sarcocystis spp. 8.56; Physaloptera spp. 4.81; "Hammondia-Toxoplasma" 1.60; Strongyloides stercoralis 1.60; and Platynosomum concinum 1.07. In dogs, the most frequently associations were: Ancylostoma spp. + T. canis in eight samples and Ancylostoma spp. + Giardia sp. and Ancylostoma spp. + T. vulpis in five samples for each one of the associations. In cats, Toxocara sp. + Cystoisospora spp. were present in 24 samples, and Toxocara sp. + Ancylostoma spp. in five samples.

Dogs; Cats; Helminthes; Protozoa


Ocorrência de protozoários e helmintos em amostras de fezes de cães e gatos da cidade de São Paulo

Occurrence of protozoa and helminths in faecal samples of dogs and cats from São Paulo city

Solange Maria GENNARI1 1 Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP ; Nobuko KASAI1 1 Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP ; Hilda Fátima de Jesus PENA1 1 Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP ; Adriana CORTEZ1 1 Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP

CORRESPONDÊNCIA PARA:

Solange Maria Gennari

Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal

Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP

Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira

Av. Orlando Marques de Paiva, 87

05508-000 – São Paulo – SP

e-mail: sgennari@usp.br

RESUMO

Foram examinadas, pelo Laboratório de Doenças Parasitárias do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, no período de janeiro de 1991 a janeiro de 1995, amostras de 353 cães e de 187 gatos, com idades variadas e de diferentes áreas da cidade de São Paulo. Os métodos de diagnóstico empregados foram: centrífugo-flutuação em solução de sacarose e centrífugo-sedimentação em água-éter. Aproximadamente 45,0% das amostras de cães examinadas (160 amostras) apresentaram-se positivas e o percentual de ocorrência de parasitos, em relação ao total de amostras foi: Ancylostoma spp. 20,40; Toxocara canis 8,49; Giardia sp. 7,65; Cryptosporidium parvum 2,83; Cystoisospora spp. 2,55; Sarcocystis spp. 1,70; Hammondia heydorni 0,85; e Spirocerca lupi, Trichuris vulpis e Dipylidium caninum 0,28. Das 187 amostras recebidas, provenientes de gatos, somente oito eram negativas e observou-se a ocorrência (%) de Cystoisospora spp. 38,5; Toxocara sp. 34,22; Giardia sp. 16,04; Cryptosporidium parvum 14,44; Ancylostoma spp. 13,37; Dipylidium caninum 10,69; Sarcocystis spp. 8,56; Physaloptera spp. 4,81; oocistos tipo "Hammondia-Toxoplasma" 1,60; Strongyloides stercoralis 1,60; e Platynosomum concinum 1,07. Em cães, as associações mais freqüentemente observadas foram: Ancylostoma spp. + T. canis em oito amostras e Ancylostoma spp. + Giardia sp. e Ancylostoma spp. + T. vulpis em cinco amostras. Em gatos, Toxocara sp. e Cystoisospora spp., encontrados em 24 amostras, e Toxocara sp. + Ancylostoma spp. em cinco amostras, foram as associações mais comumente observadas.

UNITERMOS: Cães; Gatos; Helmintos; Protozoa.

INTRODUÇÃO

O crescente número de animais de companhia, principalmente nos grandes centros, tem estreitado o contato entre esses e o homem, aumentando a exposição humana a agentes de zoonoses. Só nos Estados Unidos estimou-se que existam 52 milhões de cães e 55 milhões de gatos domiciliados entre aproximadamente 60% das famílias americanas2.

Dentre as zoonoses parasitárias, a Larva Migrans Visceral, devido à infecção pelas larvas do nematódeo de cães e gatos, Toxocara spp. é, provavelmente, a mais emergente25. Outra zoonose de grande importância no mundo todo é a Larva Migrans Cutânea, causada principalmente por larvas infectantes de Ancylostoma braziliense, ancilostomatídeo de cães e gatos25.

O Cryptosporidium parvum, considerado um agente zoonótico, foi descrito em humanos em 197618,20. O mesmo agente, alguns anos mais tarde, foi descrito em gatos por Iseki15,que o denominou de C. felis. Entretanto, alguns anos mais tarde, por apresentar morfologia e desenvolvimento que não o distinguia do C. parvum, foi considerado a mesma espécie10,26. Em 1983,o C. parvum também foi diagnosticado em cães29. No início dos anos 80, avolumaram-se os relatos de criptosporidiose intestinal em pacientes com AIDS e o C. parvum passou a ser considerado agente patogênico oportunístico28, causando diarréia intensa e persistente a indivíduos imunodeprimidos11,24.

Trabalhos recentes vêm indicando a similaridade entre a Giardia presente no homem e em muitas espécies animais, levando a crer que há grande possibilidade de transmissão entre as diferentes espécies25. Esta é uma das parasitoses mais comuns no homem, provavelmente por poder se propagar pela água consumida.

No Brasil, trabalhos realizados com necropsias ou com exame de material fecal de cães3,4,6,8,14,17,19,23 e de gatos5,16 evidenciam a prevalência dos diferentes agentes. No estado de São Paulo, Zago Filho; Barreto30 realizaram um estudo em Ribeirão Preto, e Amaral et al.1; Fenerich et al.12; Ogassawara et al.21,22 e Côrtes et al.7, na cidade de São Paulo, sempre encontrando vários agentes parasitários, seja em animais errantes ou domiciliados.

As amostras de fezes utilizadas no presente trabalho eram de animais domiciliados e retratam a ocorrência de endoparasitos em cães e gatos de diferentes áreas da cidade de São Paulo.

MATERIAL E MÉTODO

Foram examinadas 353 amostras fecais de cães e 187 de gatos, recebidas pelo Laboratório de Doenças Parasitárias do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, de janeiro de 1991 a janeiro de 1995.

As amostras eram provenientes de animais domiciliados, de diferentes áreas da cidade de São Paulo e com sexos, raças e idades variadas.

As fezes foram examinadas pelos métodos de centrífugo-flutuação em solução de sacarose (d = 1,203g/cm3) e centrífugo-sedimentação em água-éter13. Oocistos tipo Toxoplasma-Hammondia, quando encontrados, só foram classificados como tal e não identificados através de passagem em camundongos.

RESULTADOS

Das 353 amostras de cães, 160 apresentavam-se positivas (45,32%), seja em infecções únicas ou associadas (Tab. 1). Os números e as porcentagens de ocorrência para cada um dos gêneros encontram-se coligidas na Tab. 1.

Tabela 1

A Tab. 2 mostra os números e porcentagens de parasitismo único, ou em associação com outros, de Ancylostoma spp. e de T. canis. As associações mais freqüentemente observadas foram: Ancylostoma spp. e T. canis em oito amostras, Ancylostoma spp. e Giardia sp., e Ancylostoma spp. e T. vulpis em cinco amostras para cada associação.

Tabela 2

Das 187 amostras provenientes de gatos, 179 (95,72%) estavam positivas. A Tab. 3 ilustra os números e porcentagens dos parasitos encontrados, em ordem decrescente.

Tabela 3

O T. cati esteve presente em 64 amostras, estando em 52 destas em infecção mista e em 12 amostras como único parasito. O Ancylostoma spp. apresentou-se menos freqüente, estando presente em 25 amostras, sendo quatro em infecção única e 21 em associação com outros parasitos (Tab. 4).

Tabela 4

As associações mais freqüentemente observadas nas amostras de gatos foram: Toxocara sp. e Cystoisospora spp., em 24 amostras e Toxocara sp. e Ancylostoma sp. em cinco amostras.

DISCUSSÃO

É importante ressaltar que estes achados, baseados em exames de fezes, são mais adequadamente avaliados quando comparados com os resultados de levantamentos também baseados em exames coproparasitológicos. Isso porque vários trabalhos3,4,5,6,7,8,9,14,16,17,21,22,23,30 foram realizados utilizando necropsias, que evidenciam infecções que podem não ser facilmente diagnosticadas pelo exame de fezes, como é o caso do D. caninum. Geralmente este parasito é subestimado em levantamentos baseados em exames laboratoriais de fezes, uma vez que seu diagnóstico é feito pelo encontro de proglotes em fezes frescas ou pelo achado das formas adultas nas necropsias e raramente pelo encontro de cápsulas ovígeras nas fezes. Entretanto, nos levantamentos baseados em exames coproparasitológicos geralmente utiliza-se maior número de amostras, o que vem compensar os possíveis diagnósticos falso-negativos.

Para efeito de comparação dos resultados com os de outros autores, é importante enfatizar que os animais do presente experimento eram domiciliados e, a maioria deles, semiconfinados.

Os resultados mostram a presença de 10 e 11 diferentes espécies de parasitos, respectivamente, nos cães e nos gatos.

Nos cães, os ancilostomatídeos foram os mais freqüentes. Este foi um resultado esperado, pois animais de todas as faixas etárias foram contemplados nesta amostragem. Os cães podem ser parasitados por ancilostomídeos por toda a vida, enquanto desenvolvem uma forte imunidade contra os ascarídeos e somente aqueles com menos de seis meses de idade e as fêmeas no pós-parto é que eliminam ovos de ascarídeos nas fezes27.

Fenerich et al.12, examinando amostras de fezes de cães domiciliados e Côrtes et al.7, de cães errantes, ambos da cidade de São Paulo, encontraram, respectivamente, uma prevalência de 53,26% e 59,83% para Ancylostoma spp., valores estes mais elevados dos que os ora observados. Entretanto, os mesmos autores observaram, respectivamente, 10,07% e 11,7% de prevalência para ascarídeos, resultados mais elevados, porém semelhantes aos do presente experimento (8,49%).

De um modo geral, esses achados refletem as observações feitas em várias regiões do país, onde o Ancylostoma spp. foi o parasito mais freqüentemente observado em cães3,9,14,17,23.

O segundo parasito mais prevalente nos cães foi o T. canis; o mesmo foi observado em Salvador, BA4, em Viçosa, MG3, e em Uberlândia, MG23. Entretanto, este segundo posto foi alternado com o Trichuris vulpis, em estudos realizados em Belo Horizonte, MG8, em Pelotas, RS17, e em Porto Alegre, RS14.

Outros nematódeos observados nos cães foram o Spirocerca lupi e o Trichuris vulpis, porém com baixa ocorrência.

No presente estudo, a presença marcante dos protozoários Giardia sp., Cryptosporidium parvum, Cystoisospora spp., Sarcocystis spp. e Hammondia spp. vem reforçar a necessidade da utilização de técnicas de flutuação e de sedimentação mais sofisticadas que as técnicas de Willis ou o exame direto de esfregaços de fezes, que não possibilitam seu diagnóstico adequado.

Nas amostras procedentes de gatos, o nematódeo predominante foi o Toxocara spp. (34,22%), seguido pelo Ancylostoma spp. (13,37%) e pelo Physaloptera spp. (4,81%). Ogassawara et al.21, trabalhando com amostras fecais de gatos da cidade de São Paulo, também encontraram os Ascaridae e os Ancylostomidae como os nematódeos mais prevalentes, com 22,3% e 19,5% respectivamente. Côrtes et al.7, em gatos errantes da mesma cidade, de modo diverso dos acima citados, observaram maior freqüência de animais positivos para Ancylostoma spp. (22,26%) que para Toxocara spp. (17,65%).

Diferentemente do que ocorre em cães, a infecção por nematódeos da família Ascaridae ocorre em felinos de todas as faixas etárias, apesar de predominar em animais até seis meses de idade21.

Nos gatos, os protozoários apresentaram alta prevalência. Os coccídios estavam presentes em 63,1% das amostras, sendo Cystoisospora spp. o parasito mais freqüente (38,5%). Além desse, o C. parvum esteve presente em 14,44% das amostras examinadas, o Sarcocystis spp., em 8,56% e os oocistos tipo Hammondia-Toxoplasma, em 1,6%. Além desses, o gênero Giardia apresentou alta freqüência (16,04%), reforçando a importância dos protozoários como parasitos de gatos. Ogassawara et al.21 também encontraram alta freqüência de coccídios (34,0%) nas amostras fecais examinadas e, do mesmo modo que para os ascarídeos, a maior freqüência ocorreu nos animais até seis meses de idade.

A infecção pelo Ancylostoma spp. e pelo Toxocara spp., em cães, ocorreu em porcentagens bastante semelhantes levando-se em conta a ocorrência desses nematódeos em infecção única ou em associações. Entretanto, nos gatos, os casos de infecções múltiplas por Toxocara sp. e Ancylostoma spp. e outros parasitos foram, respectivamente, quatro e cinco vezes mais freqüentes que as infecções unicamente por Toxocara sp. ou Ancylostoma spp.

O presente estudo vem reforçar as observações anteriormente realizadas na cidade de São Paulo1,7,12,21,22, onde mesmo após aproximadamente dez anos do último estudo, observa-se que Toxocara spp. e Ancylostoma spp. continuam sendo os nematódeos mais prevalentes em cães e gatos. Também alerta para o aparecimento, em alta freqüência, de alguns protozoários como Giardia sp., Cystoisospora spp. e C. parvum, que não constavam na maioria dos levantamentos citados, provavelmente devido à metodologia empregada ou aos objetivos dos trabalhos.

SUMMARY

Faeces from 353 dogs and 187 cats, received from January 1991 to January 1995 in the Department of Preventive Veterinary Medicine and Animal Health, Faculty of Veterinary Medicine, University of São Paulo, were examined for the presence of parasites. The animals were from different areas of the city of São Paulo, and the faecal materials were examined by the methods of flotation in sucrose solution and centrifuge-sedimentation in water-ether. Approximately 45.0% of the dog samples (160 samples) were positive and the occurrence (%) of parasites, in relation to the total of samples was: Ancylostoma spp. 20.40; Toxocara canis 8.49; Giardia sp. 7.65; Cryptosporidium parvum 2.83; Cystoisospora spp. 2.55; Sarcocystis spp. 1.70; Hammondia heydorni 0.85; and Spirocerca lupi, Trichuris vulpis and Dipylidium caninum 0.28. From the 187 cats samples, only eight were negatives and the occurrence (%) was: Cystoisospora spp. 38.5; Toxocara sp. 34.22; Giardia sp. 16.04; Cryptosporidium parvum 14.44; Ancylostoma spp. 13.37; Dipylidium caninum 10.69; Sarcocystis spp. 8.56; Physaloptera spp. 4.81; "Hammondia-Toxoplasma" 1.60; Strongyloides stercoralis 1.60; and Platynosomum concinum 1.07. In dogs, the most frequently associations were: Ancylostoma spp. + T. canis in eight samples and Ancylostoma spp. + Giardia sp. and Ancylostoma spp. + T. vulpis in five samples for each one of the associations. In cats, Toxocara sp. + Cystoisospora spp. were present in 24 samples, and Toxocara sp. + Ancylostoma spp. in five samples.

UNITERMS: Dogs; Cats; Helminthes; Protozoa.

Recebido para publicação: 19/08/1997

Aprovado para publicação: 27/10/1998

  • 1
    - AMARAL, V.; BIRGEL, E.H.; JULY, J.R. Análise de 1.431 exames coproparasitários em Canis familiaris da cidade de São Paulo. In: REUNIÃO CIENTÍFICA DA SOCIEDADE PAULISTA DE MEDICINA VETERINÁRIA, São Paulo, 1968. Anais São Paulo, 1968.
  • 2
    - VETERINARY services market for companion animals. Summary reports. Journal of the American Veterinarian Association, v.193, p.920-2, 1988.
  • 3
    - ARAÚJO, R.B.; FERREIRA, P.M.; ASSIS, C.B.; DEL CARLO, R.J.; VIEIRA, D. Helmintoses intestinais em cães da microrregião de Viçosa - Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.38, n.2, p.197-203, 1986.
  • 4
    - BRUST, M.B.; MOTTA, J.G. DA; CALDAS, E.M.; JACQUES, S.A. Localização de helmintos nos diversos segmentos do intestino delgado de cães (Canis familiares) na cidade de Salvador, Bahia. Arquivos da Escola de Medicina Veterinária, v.1, n.1, p.115-22, 1976.
  • 5
    - CAMPOS, D.M.B.; GARIBALDI, I.M.; CARNEIRO, J.R. Prevalência de helmintos em gatos (Felis catus domesticus) de Goiânia. Revista de Patologia Tropical, v.4, n.3, p.355-9, 1974.
  • 6
    - CARNEIRO, J.R.; FREITAS, J.S.; PEREIRA, E.; CAMPOS, D.M.B.; JARDIM, C.V. Prevalência de helmintos em Canis familiaris no município de Goiânia. Revista de Patologia Tropical, v.2, n.4, p.401-4, 1973.
  • 7
    - CÔRTES, V. DE A.; PAIM, G.V.; ALENCAR FILHO, R.A. DE. Infestação por ancilostomídeos e toxocarídeos em cães e gatos apreendidos em vias públicas, São Paulo (Brasil). Revista da Saúde Pública, v.22, n.4, p.341-3, 1988.
  • 8
    - COSTA, H.M.; BATISTA JÚNIOR, J.A.; FREITAS, M.G. Endo e ectoparasitos de Canis familiaris em Belo Horizonte. I - Prevalência e intensidade de infestação. Arquivo da Escola de Veterinária, v.14, p.103-12, 1962.
  • 9
    - COSTA, J.O.; GUIMARÃES, M.P.; LIMA, W.S.; LIMA, E.A.M. Freqüência de endo e ectoparasitos de cães capturados nas ruas de Vitória - ES - Brasil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.42, n.5, p.451-2, 1990.
  • 10
    - CURRENT, W.L.; REESE, N.C.; ERNST, J.V.; BAILEY, W.S.; HEYMAN, M.B.; WEINSTEIN, W.M. Human cryptosporidiosis in immunocompetent and immunodeficient persons. Studies of an outbreak and experimental transmission. New England Journal of Medicine, v.309, p.1326-32, 1983.
  • 11
    - DUBEY, J.P.; SPEER, C.A.; FAYER, R. Cryptosporidiosis of man and animals Boston : CRC Press, 1990. 199p.
  • 12
    - FENERICH, F.L.; SANTOS, S.M.; AMARAL, V. DO. Análise dos resultados obtidos em 903 amostras de fezes oriundas da espécie canina. O Biológico, v.38, n.6, p.175-7, 1972.
  • 13
    - FERREIRA, L.F.; MORTEO, R.E.; SILVA, J.R. Padronização de técnicas para exame parasitológico das fezes. Jornal Brasileiro de Medicina, v.6, p.241-57, 1962.
  • 14
    - HOFFMANN, R.P.; FORTES, E.; PANDOLFO, R.A.; KAISER, J.C.; BELLÓ, A.R.R.; MOTTA-NETO, A.A. Prevalência de helmintos gastrintestinais do cão errante do município de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Arquivos da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v.18, p.61-8, 1990.
  • 15
    - ISEKI, M. Cryptosporidium felis sp. n. (Protozoa: Eimeriorina) from the domestic cat. Japanese Journal of Parasitology, v.28, p.285-9, 1979.
  • 16
    - LANGENEGGER, J.; LANZIERI, P.D. Incidência e intensidade de infestação por helmintos em Felis catus domesticus do Rio de Janeiro. Veterinária, v.16, n.18, p.77-89, 1963/65.
  • 17
    - LARA, S.I.; RIBEIRO, P.B.; TAROUCO, M.R. DA R. Helmintos parasitos de Canis familiaris de Pelotas - Rio Grande do Sul. Arquivos da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais, v.33, n.2, p.293-7, 1981.
  • 18
    - MEISEL, J.L.; PERERA, D.R.; MELIGRO, C.; RUBIN, C.E. Overwhelming warwey diarrhea associated with a Cryptosporidium in an immunosuppressed patient. Gastroenterology, v.70, p.1156-8, 1976.
  • 19
    - MENEZES, O.B. Parasitos de Canis familiaris em Salvador. Boletim do Instituto Biológico da Bahia, v.1, n.1, p.75-8, 1954.
  • 20
    - NIME, F.A.; BUREK, J.D.; PAGE, D.L.; HOLSCHER, M.A.; YARDLEY, J.H. Acute enterocolitis in a human being infected with the protozoan Cryptosporidium Gastroenterology, v.70, p.592-5, 1976.
  • 21
    - OGASSAWARA, S.; BENASSI, S.; LARSSON, C.E.; HAGIWARA, M.K. Prevalência de endoparasitas em gatos na cidade de São Paulo. Revista da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, v.23, n.1, p.39-46, 1986.
  • 22
    - OGASSAWARA, S.; BENASSI, S.; LARSSON, C.E.; LEME, P.T.Z.; HAGIWARA, M.K. Prevalência de infecções helmínticas em gatos na cidade de São Paulo. Revista da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, v.23, n.2, p.145-9, 1986.
  • 23
    - OLIVEIRA, P.R.; SILVA, P.L.; PARREIRA, V.F.; RIBEIRO, S.C.A.; GOMES, J.B. Prevalência de endoparasitos em cães da região de Uberlândia, Minas Gerais. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, São Paulo, v.27, n.2, p.193-7, 1990.
  • 24
    - RENE, E.; ROZE, C. The AIDS GIT. Diagnosis and treatment of gastrointestinal infections in AIDS. In: KOTLER, D.P. Gastrointestinal and nutritional manifestation of the acquired immunodeficiency syndrome New York : Raven, 1991. p.65-92.
  • 25
    - SCHANTZ, P.M. Parasitic zoonoses in perspective. International Journal for Parasitology, v.21, n.2, p.161-70, 1991.
  • 26
    - UPTON, S.J.; CURRENT, W.L. The species of Cryptosporidium (Apicomplexa: Cryptosporidiidae) infecting mammals. Journal Parasitology, v.71, p.625-9, 1985.
  • 27
    - URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L.; DUNN, A.M.; JENNINGS, F.W. Parasitologia veterinária Rio de Janeiro : Guanabara Koogan, 1991. 306p.
  • 28
    - WHITESIDE, M.E.; BARKIN, J.S.; MAY, R.G.; WEISS, S.D.; FISCHL, M.A.; MACLEOD, C. Enteric coccidiosis among patients with the acquired immunodeficiency syndrome. American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v.33, n.6, p.1065-72, 1984.
  • 29
    - WILSON, R.B.; HOLSCHER, M.A.; LYLE, S.J. Cryprosporidiosis in a pup. Journal of the American Veterinary Medicine Association, v.183, p.1005-6, 1983.
  • 30
    - ZAGO FILHO, H.; BARRETTO, M.P. Estudo sobre a prevalência e intensidade de infestação por helmintos intestinais em cães e gatos de Ribeirão Preto, S.P. Revista Brasileira de Malariologia e Doenças Tropicais, v.9, p.295-305, 1967.
  • 1
    Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      21 Set 2000
    • Data do Fascículo
      1999

    Histórico

    • Aceito
      27 Out 1998
    • Recebido
      19 Ago 1997
    Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia / Universidade de São Paulo Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva, 87, Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira, 05508-270 São Paulo SP Brazil, Tel.: +55 11 3091-7636, Fax: +55 11 3031-3074 / 3091-7672 / 3091-7678 - São Paulo - SP - Brazil
    E-mail: brazvet@edu.usp.br