Accessibility / Report Error

Melhoramento do algodoeiro no Estado de São Paulo: obtenção da variedade IAC 19

Improvement of São Paulo cotton varieties: the origin of the 'IAC 19'

Resumos

Um programa de cruzamentos intra-específicos e seleção foi iniciado pela Seção de Algodão, em 1963, com o objetivo de associar numa linhagem melhorada de algodoeiro, alta produtividade, resistência à murcha de Fusarium e alta resistência da fibra. Foram utilizados o algodoeiro selvagem Gossypium hirsutum var. yucatanense Hutch., uma variedade primitiva originária do Vietnã, oito cultivares norte-americanos e dois paulistas da mesma espécie. Após nove anos de seleção nas populações híbridas obtidas e respectivos estudos das progênies, cinco anos de estudos genealógicos e dois anos em estudos regionais de variedades, foi obtido e lançado para plantio o cultivar IAC 19, proveniente da linhagem selecionada IAC 74/221. Ele veio substituir na lavoura o 'IAC 16' com ganhos, principalmente, em produtividade, resistência à murcha de Fusarium e qualidade da fibra e do fio, trazendo vantagens em produção, peso de capulho, peso de semente e porcentagem de fibra.

algodão; melhoramento vegetal; produtividade; resistência da fibra; resistência a Fusarium


A hybridization and selection program started in 1963 at the Cotton Section of the Agronomic Institute at Campinas, State of São Paulo, Brazil, by intercrossing the wild cotton Gossypium hirsutum L. var. yucatanense Hutch., a primitive variety from Vietnam; eight american and two São Paulo varieties. The main goal of this breeding program was to combine high yield, Fusarium wilt resistance and high fiber resistance in an improved variety. After nine years of selection and progeny evaluation of the hybrid populations obtained, plus five years of pedigree selection and two years more of regional variety tests, the cultivar IAC 19 was obtained and released for growers. 'IAC 19' replaced 'IAC 16' with outstanding increases in yield, wilt and nematodes resistance as well as fiber and yarn qualities. It has been advantageous for growers by its improved yield, boll weight, seed size and lint percentage.

cotton; plant breeding; yield; fiber resistance; Fusarium wilt resistance


II. GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS

Melhoramento do algodoeiro no Estado de São Paulo: obtenção da variedade IAC 191 1 Trabalho com suporte financeiro do Ministério da Agricultura (AGIPLAN) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA).

Improvement of São Paulo cotton varieties: the origin of the 'IAC 19'

Imre Lajos Gridi-PappI, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Edivaldo CiaI, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Milton Geraldo FuzattoI; Popilio Ângelo CavaleriI; Ederaldo José ChiavegatoI; Nelson Machado da SilvaI, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Luiz Henrique CarvalhoI, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Nelson Paulieri SabinoII, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Julio Isao KondoII; Mauro Hideo SugimoriIII, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Jaciro SoaveIII, 2 2 Com bolsa de pesquisa do CNPq. ; Carlos Antonio Menezes FerrazIV

ISeção de Algodão, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001 Campinas, SP

IISeção de Tecnologia de Fibras, IAC

IIISeção de Fitopatologia, IAC

IVAssistência Técnica de Programação, IAC

RESUMO

Um programa de cruzamentos intra-específicos e seleção foi iniciado pela Seção de Algodão, em 1963, com o objetivo de associar numa linhagem melhorada de algodoeiro, alta produtividade, resistência à murcha de Fusarium e alta resistência da fibra. Foram utilizados o algodoeiro selvagem Gossypium hirsutum var. yucatanense Hutch., uma variedade primitiva originária do Vietnã, oito cultivares norte-americanos e dois paulistas da mesma espécie. Após nove anos de seleção nas populações híbridas obtidas e respectivos estudos das progênies, cinco anos de estudos genealógicos e dois anos em estudos regionais de variedades, foi obtido e lançado para plantio o cultivar IAC 19, proveniente da linhagem selecionada IAC 74/221. Ele veio substituir na lavoura o 'IAC 16' com ganhos, principalmente, em produtividade, resistência à murcha de Fusarium e qualidade da fibra e do fio, trazendo vantagens em produção, peso de capulho, peso de semente e porcentagem de fibra.

Termos de indexação: algodão, melhoramento vegetal, produtividade, resistência da fibra, resistência a Fusarium.

ABSTRACT

A hybridization and selection program started in 1963 at the Cotton Section of the Agronomic Institute at Campinas, State of São Paulo, Brazil, by intercrossing the wild cotton Gossypium hirsutum L. var. yucatanense Hutch., a primitive variety from Vietnam; eight american and two São Paulo varieties. The main goal of this breeding program was to combine high yield, Fusarium wilt resistance and high fiber resistance in an improved variety. After nine years of selection and progeny evaluation of the hybrid populations obtained, plus five years of pedigree selection and two years more of regional variety tests, the cultivar IAC 19 was obtained and released for growers. 'IAC 19' replaced 'IAC 16' with outstanding increases in yield, wilt and nematodes resistance as well as fiber and yarn qualities. It has been advantageous for growers by its improved yield, boll weight, seed size and lint percentage.

Index terms: cotton, plant breeding, yield, fiber resistance, Fusarium wilt resistance.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 4 de março e aceito em 14 de agosto de 1991.

  • BALLS, W.L The development and properties of raw cotton. London, A. & C. Black, 1915. 221p.
  • CAVALERI, PA; GRIDI-PAPP, I.L.; FERRAZ, CAM.; FUZATTO, M.G.; CIA, E.; SILVA, N.M. da; NEVES, O. da S.; SABINO, N.P.; LAZZARINI, J.F.; MARTINELLI, E.S. & CORREA, F.A. Melhoramento das variedades paulistas de algodão: criação da IAC 13-1. Bragantia, Campinas, 34:203-217, 1975.
  • CIA, E.; FUZATTO, M.G.; GRIDI-PAPP, I.L. & CHIAVEGATO, E.J. Melhoramento do algodoeiro visando resistência a nematóides. In: REUNIÃO NACIONAL DO ALGODÃO, 2., Salvador, 1982. Resumo dos trabalhos. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 1982a. p.242.
  • ______; _____; GRIDI-PAPP, I.L.; SOAVE, J. & CIONE, J. Avaliação da incidência de ramulose do algodoeiro através de inoculação artificial. In: REUNIÃO NACIONAL DO ALGODÃO, 2., Salvador, 1982. Resumo dos trabalhos. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 1982b. p.241.
  • ______; GRIDI-PAPP, I.L. & FERRAZ, C.A.M. Correlações entre respostas de resistência apresentadas por linhagens de algodoeiro (Gossypium hirsutum L.) a três agentes patogênicos. Summa Phytopathologica, Piracicaba, 4(2/4):111-121, 1978.
  • ______;______ & FUZATTO, M.G. Avaliação de linhagens e variedades para resistência múltipla a doenças do algodoeiro. In: REUNIÃO NACIONAL DO ALGODÃO, 2., Salvador, 1982. Resumo dos trabalhos. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 1982c. p.239
  • GRIDI-PAPP, I.L. Genética e melhoramento do algodoeiro. In: KERR, W.E., org. Melhoramento e genética. São Paulo, Melhoramentos, 1969. cap.4, p.75-101.
  • ______; CIA, E. & FUZATTO, M.G. Uniformização de índices de avaliação em programas de melhoramento para resistência múltipla a fatores adversos. In: REUNIÃO NACIONAL DO ALGODÃO, 2., Salvador, 1982. Resumo dos trabalhos. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 1982a. p.236.
  • _____;______;_____; CAVALERI, P.A.; CHIAVEGATO, E.J.; FERRAZ, C.A.M.; SABINO, N.P.; KONDO, J.I.; SOAVE, J. & BORTOLETTO, N. Melhoramento do algodoeiro no Estado de São Paulo: obtenção da variedade IAC 18. Bragantia, Campinas, 44(2):645-658, 1985a.
  • ______;_____;______; VEIGA, A.A. & SABINO, J.C. Avaliação de variedades e linhagens de algodoeiro para resistência à broca-da-raiz. In: REUNIÃO NACIONAL DO ALGODÃO, 2., Salvador, 1982. Resumo dos trabalhos. Campina Grande, EMBRAPA-CNPA, 1982b. p.75.
  • ______; FUZATTO, M.G.; CAVALERI, P.A.; CIA, E.; SILVA, N.M. da; FERRAZ, C.A.M.; SCHMIDT, W.; NEVES, O. da S.; RODRIGUES FILHO, F.S.O.; CHIAVEGATO, E.J.; SABINO, N.P.; MARTINELLI, E.S.; LAZZARINI, J.F.; CORREA, F.A. & GROSSI, J.M.M. Melhoramento do algodoeiro no Estado de São Paulo: obtenção das variedades IAC RM3, IAC RM4, IAC 16 e IAC 17. Bragantia, Campinas, 43(2):405-423, 1984.
  • GRIDI-PAPP, I.L; FUZATTO, M.G.; CIA, E; CHIAVEGATO, E.J.; SABINO, N.P.; KONDO, J.I.; SILVA, N.M. da; CARVALHO, L.H.; MARTINS, A.L.M.; PETINELLI JÚNIOR, A.; SORDI, G. de; SABINO, J.C.; PEREIRA, J.C.V.N.A.; CAMPANA, M.P.; BORTOLETTO, N. & GALLO, P.B. Ensaios regionais de variedades paulistas de algodoeiro: VI. 1977/78-1978/79. Campinas, Instituto Agronômico, 1985b. 89p. (Boletim científico, 4)
  • ______;_______; FERRAZ, C.A.M. & CIA, E. Seleção do algodoeiro para resistência à fusariose em área onde ocorre doença semelhante em plantas labelabe (Dolichos lablab L). Bragantia, Campinas, 29:67-72, 1970.
  • ______; KONDO, J.I.; SABINO, N.P. & FUZATTO, M.G. Resistência intrínseca da fibra de algodão determinada através de correção do índice Pressley. Bragantia, Campinas, 44(2):587-598, 1985c.
  • HARLAND, S.C. The genetics of cotton: Part 1. The inheritance of petal spot in new world cottons. Journal of Genetics, Cambridge, 20(3):365-385, 1929.
  • HUTCHINSON, J.B. Intra-specific differentiation in Gossypium hirsutum. Heredity, London, 5(2):161-193, 1951.
  • NEVES, O. da S. Relatório dos trabalhos sobre algodão do Instituto Agronômico: 1931/32 a 1947/48. Campinas, Instituto Agronômico-Seção de Algodão, 1949. 75p. (Datilografado)
  • SABINO, N.P.; GRIDI-PAPP, I.L; KONDO, J.l. & CARNEIRO, J.B. Maturidade da fibra de algodão determinada pelo fibrógrafo modelo 430. Bragantia, Campinas, 39:69-77, 1980.
  • SILVEIRA, A.P. Moléstias. In: CULTURA e adubação do algodoeiro. São Paulo, Instituto Brasileiro de Potassa, 1965. cap.9, p.417-460.
  • 1
    Trabalho com suporte financeiro do Ministério da Agricultura (AGIPLAN) e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA).
  • 2
    Com bolsa de pesquisa do CNPq.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      09 Nov 2007
    • Data do Fascículo
      1991

    Histórico

    • Recebido
      04 Mar 1991
    • Aceito
      14 Ago 1991
    Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
    E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br