Estudo dos horizontes orgânicos do solo de matas, no arenito Bauru: I - Distribuição e fracionamento da matéria orgânica

Resumos

No estudo da serapilheira nos solos de mata do Arenito Bauru foram feitas as seguintes observações: Elaborou-se uma nomenclatura específica, dada a carência de termos técnicos em português, para denominar as diferentes camadas que constituem os horizontes orgânicos das matas. A matéria orgânica nos horizontes A00 e A0 foi determinada pelo processo de perda ao rubro e não pela multiplicação do teor de carbono por 1,724, porque, na serapilheira, este último processo conduz a resultados menos exatos. Apesar de não coincidirem exatamente as coletas de serapilheira com a dos perfis do levantamento pedológico já efetuado anteriormente no local, a sua associação permitiu esboçar o estado da matéria orgânica nestes solos. A quantidade de matéria orgânica da serapilheira oscila entre 1/2 a 1 da quantidade contida nos primeiros 30 cm do solo (camada a). O emprêgo do fogo para eliminar os restos vegetais das matas recém-derrubadas ou dos restos de cultura, é prática condenável em qualquer tipo de solo, mas, neste, assume aspecto ainda mais grave. Pelo estudo do fracionamento da matéria orgânica das diferentes camadas, constatou-se decomposição muito intensa, mesmo para a lignina, que é a base das substâncias humificadas. Como o levantamento pedológico já havia indicado, estes solos são pobres em substâncias orgânicas, mesmo no início da sua exploração agrícola. O estudo do fracionamento das substâncias nitrogenadas indica um enriquecimento do nitrogênio protéico, quando comparado com a matéria orgânica total. Deve haver perdas de nitrogênio, porém, muito menores que as das substâncias não nitrogenadas. A concentração, das frações nitrogenadas, à medida da evolução da matéria orgânica, é muito grande, caindo a relação C/N de, aproximadamente, 21-30 na camada L a 10-14 na camada a.


The results of the study of a forest floor of Arenito Bauru Soil are summarized as follows: The organic matter content of A00 and A0 horizons was determined by the loss on ignition method. The determination of the total carbon by the dry combustion method and subsequent calculation of the organic matter by the factor 1.724 was tound to be inadequate, judging from the low results obtaneid. Organic matter content of the forset floor of Arenito Bauru Soil is from 50 to 100% of that found in the first 30 cm of the soil mass, indicating a rapid decomposition of the same in the soil profile. Although Waksman (15) showed that lignin is the organic compound most resistent to the attack by the soil microorganisms, it was found that working with a soil from a different climatic region, lignin decomposes as quickly as all the other soil organic fractions. Therefore, concerning the fraction anti on of organic matter and the resistence of the compounds thus obtained to the decomposition by microorganisms, the idea was advanced of an approximately equal rate of decomposition for all the fraction for this soil type with the exception of the nitrogen compounds and water extract compounds. The fractionation of organic nitrogen compounds indicates enrichment of protein content in the soil with depth. It was determined that the losses of non nitrogen constituents were higher than those of nitrogen compounds. The accumulation of the latter in the soil takes place in the form of protein and related compounds. The C/N. ratio falls from 20 - 30 in the L layer to 10 - 14 in the layer a rising in b and e layers, which shows a definite washing of non nitrogen organic compounds into these horizons.


Estudo dos horizontes orgânicos do solo de matas, no arenito Bauru. I - Distribuição e fracionamento da matéria orgânica(1 (1 ) Trabalho apresentado na III Reunião Brasileira de Ciência do Solo, realizada em Recife, em julho de 1951. )

F. da Costa Verdade

Engenheiro agrônomo, Secção de Agrogcologia, Instituto Agronômico de Campinas

RESUMO

No estudo da serapilheira nos solos de mata do Arenito Bauru foram feitas as seguintes observações:

Elaborou-se uma nomenclatura específica, dada a carência de termos técnicos em português, para denominar as diferentes camadas que constituem os horizontes orgânicos das matas.

A matéria orgânica nos horizontes A00 e A0 foi determinada pelo processo de perda ao rubro e não pela multiplicação do teor de carbono por 1,724, porque, na serapilheira, este último processo conduz a resultados menos exatos.

Apesar de não coincidirem exatamente as coletas de serapilheira com a dos perfis do levantamento pedológico já efetuado anteriormente no local, a sua associação permitiu esboçar o estado da matéria orgânica nestes solos. A quantidade de matéria orgânica da serapilheira oscila entre 1/2 a 1 da quantidade contida nos primeiros 30 cm do solo (camada a). O emprêgo do fogo para eliminar os restos vegetais das matas recém-derrubadas ou dos restos de cultura, é prática condenável em qualquer tipo de solo, mas, neste, assume aspecto ainda mais grave.

Pelo estudo do fracionamento da matéria orgânica das diferentes camadas, constatou-se decomposição muito intensa, mesmo para a lignina, que é a base das substâncias humificadas. Como o levantamento pedológico já havia indicado, estes solos são pobres em substâncias orgânicas, mesmo no início da sua exploração agrícola.

O estudo do fracionamento das substâncias nitrogenadas indica um enriquecimento do nitrogênio protéico, quando comparado com a matéria orgânica total. Deve haver perdas de nitrogênio, porém, muito menores que as das substâncias não nitrogenadas. A concentração, das frações nitrogenadas, à medida da evolução da matéria orgânica, é muito grande, caindo a relação C/N de, aproximadamente, 21-30 na camada L a 10-14 na camada a.

SUMMARY

The results of the study of a forest floor of Arenito Bauru Soil are summarized as follows:

The organic matter content of A00 and A0 horizons was determined by the loss on ignition method. The determination of the total carbon by the dry combustion method and subsequent calculation of the organic matter by the factor 1.724 was tound to be inadequate, judging from the low results obtaneid.

Organic matter content of the forset floor of Arenito Bauru Soil is from 50 to 100% of that found in the first 30 cm of the soil mass, indicating a rapid decomposition of the same in the soil profile.

Although Waksman (15) showed that lignin is the organic compound most resistent to the attack by the soil microorganisms, it was found that working with a soil from a different climatic region, lignin decomposes as quickly as all the other soil organic fractions. Therefore, concerning the fraction anti on of organic matter and the resistence of the compounds thus obtained to the decomposition by microorganisms, the idea was advanced of an approximately equal rate of decomposition for all the fraction for this soil type with the exception of the nitrogen compounds and water extract compounds.

The fractionation of organic nitrogen compounds indicates enrichment of protein content in the soil with depth. It was determined that the losses of non nitrogen constituents were higher than those of nitrogen compounds. The accumulation of the latter in the soil takes place in the form of protein and related compounds.

The C/N. ratio falls from 20 — 30 in the L layer to 10 — 14 in the layer a rising in b and e layers, which shows a definite washing of non nitrogen organic compounds into these horizons.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

LITERATURA CITADA

  • 1.  Alway, F. J. e outros. Composition of the forest floor layers under different forest tvpes on the same soil type. Soil Sci. 36: 387-398. 1933.
  • 2.  A.O.A.C. Em Methods of Analysis, pág. 570, 6.Ş ed. A.O.A.C. Washington 4, D. C, 1945.
  • 3.  Ashworth, M. R. F. Fractionation of the organic soils and its relation to their quality. Resumo em Analyst 68: 6.1. 1943.
  • 4.  Franco, A. e outros. Comissão Permanente de Terminologia da Soc. Bras. Ciência do Solo. Publ. esparsa, pág. 5, mimeografado, Rio de Janeiro, 1949.
  • 5.  Gysel, L. W. The forest humus layers of Ohio. Soil Sci. 60: 197-217. 1945.
  • 6.  Heiberg, S. O. e R. F. Chandler Jr. A revised nomenclature of forest layers for the northeastern United States. Soil Sci. 52: 87-99. 1941.
  • 7.  Joffe, J. S. Russian studies on soil profiles. Jour. Amer. Soc. Agron. 24: 33-57. 1932.
  • 8.  Lunt, H. A. The carbon-organic matter factor in forest soil humus. Soil Sci. 32: 27-33. 1931.
  • 9.  Morgan, M. F. e H. A. Lunt. The role of organic matter in the classification of forest soils. Jour. Amer. Soc. Agron. 24: 655-662. 1932.
  • 10.  Paiva Neto, J. E. e outros. Estudo pedológico da Estação Experimental de Pindorama. Apresentado à II Reunião Brasileira, de Ciência do Solo (não publicado).
  • 11.  Phillips, M. e outros. The decomposition of lignified materials by soil microorganisms. Soil Sci. 30: 383-390. 1930.
  • 12.  Pittmans, D. W. A proposed descriptive symbolism for soil horizons. Jour. Amer. Soc. Agron. 24: 931-933. 1932.
  • 13.  Shewan, J. M. The proximate analyses of the organic constituents in northeast Scottish soils, with some notes on the methods. Jour. Agr. Sci. 28: 324-345. 1938.
  • 14.  Silva Teixeira, A. J. Glossário da Pedologia. Rev. Agronomia (Lisboa-Portugal) 35: 95-127. 1947.
  • 15.  Waksman, S. A. Em Humus, pág. 212 a 230, l.Ş ed. The Williams & Wilkins Comp., Baltimore, 1936.
  • 16.  Waksman, S. A. e K. R. Stevens. A system of proximate chemical analysis of plant materials. Ind. Eng. Chem. Anal. Ed. 2: 167-173. 1930.
  • 17.  Waksman, S. A. e K. R. Stevens. A critical study of the methods for determining the nature and abundance of soil organic matter. Soil Sci. 30: 97-116. 1930.
  • 18.  Waksman, S. A. e F. G. Tenney. The composition of natural organic materials and their decomposition in the soil: I. Methods of quantitative analysis of plant materials. Soil Sci. 24: 275-283. 1927.
  • 19.  Waksman, S. A. e F. G. Tenney. The composition of natural organic materials and their decomposition in the soil: II. Influence of age of plant upon the rapidity and nature of its decomposition on rye plants. Soil Sci. 24: 317-333. 1927.
  • 20.  Wilde, S. A. Em Forest Soils and Forest Growth, pág. 10-13, l.Ş ed. Chronica Bot. Comp., Waltham, U. S. A., 1946.

  • (1
    ) Trabalho apresentado na III Reunião Brasileira de Ciência do Solo, realizada em Recife, em julho de 1951.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    25 Maio 2010
  • Data do Fascículo
    1951
Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902 Campinas SP - Brazil, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br