Accessibility / Report Error

Melhoramento do trigo: XIV. Correlações entre a tolerância à toxicidade a dois níveis de alumínio e altura das plantas com outros caracteres agronômicos em trigo

Wheat breeding: XIV. Correlations of tolerance to two levels of aluminum toxicity and plant height with other agronomic characteristics in wheat

Resumos

Visando estimar as correlações entre a altura das plantas com sete caracteres agronômicos e aquelas entre a tolerância a 1 e 3 mg/litro de Al3+ em solução nutritiva com produção de grãos, altura das plantas e número de grãos por espigueta, foram efetuados, no Centro Experimental de Campinas, em 1983, cruzamentos entre o cultivar de trigo BH-1146, com Siete Cerros e Tobari-66. Plântulas representando os pais e as gerações F1 e F2 foram testadas para a reação a 1 e 3 mg/litro de Al3+ em solução nutritiva no laboratório. As plântulas, devidamente identificadas, foram transplantadas em número de quatro por vaso, empregando-se no total 164 vasos dispostos em quatro blocos ao acaso. Os dados referentes à produção de grãos e a outros caracteres agronômicos foram obtidos de plantas individuais em 1984. Os valores da herdabilidade no sentido restrito para comprimento da espiga, número de grãos por espiga, número de grãos por espigueta e número de espigas por planta foram de 0,79; 0,75; 0,73 e 0,68 respectivamente, e de 0,58; 0,53 e 0,50 para número de espiguetas por espiga, altura das plantas e peso de cem grãos respectivamente. Para produção de grãos, o valor estimado foi de 0,38. Nas populações estudadas, a altura das plantas foi correlacionada com todos os caracteres agronômicos estudados, com exceção de número de grãos por espigueta e peso de cem grãos na população BH-1146 x Tobari-66. A tolerância ao alumínio não foi associada com altura das plantas, número de grãos por espigueta e produção de grãos (com exceção da população BH-1 146 x Tobari-66, quando se utilizou a concentração de 3 mg/litro de Al3+), sugerindo ser possível selecionar plantas que combinam a tolerância ao Al3+, porte semi-anão e alto potencial produtivo para serem cultivadas nos solos ácidos. Entretanto, grandes populações F2 seriam necessárias para assegurar a freqüência dos recombinantes desejáveis.

trigo; herdabilidade; altura das plantas; produção de grãos; toxicidade de alumínio; tolerância


The standard height and Al tolerant cultivar BH-1146 was crossed with semi-dwarf and Al sensitive cultivars Tobari-66 and Siete Cerros, in 1983. Parents, F1's and F2's were tested for their reaction to 1 and 3 mg/l of Al3+ in nutrient solution, in laboratory condition and evaluated for grain yield, plant height, number of spikes per plant, number of spikelets per spike, number of grains per spike, number of grains per spikelet, 100-grain-weight and spike length at maturity in an experiment using pots, under a screen house at Experimental Center of Campinas, State of São Paulo, Brazil, in 1984. Medium to high narrow sense heritability estimates were obtained for spike length, number of grains per spike, number of grain per spikelet and number of spikes per plant; and medium to low for other agronomic characteristics under study. Plant height was significantly correlated with all the agronomic characteristics under study, except number of grains per spikelet and 100-grain-weight in the 'BH-1146' x 'Tobari- 66' population. Tolerance to Al3+ toxicity was not associated with grain yield (except for the population from the cross BH-1146 x Tobari-66 using 3 mg/l of Al3+), plant height and number of grain per spikelet. The results suggested that it is possible to select plant types that combine Al3+ tolerance, semi-dwarf height levels and high yield potential to be cultivated on aluminum acid soils. However, larger F2 populations would be required to ensure the frequency of desired recombinants.

wheat; narrow sense heritability; plant height; aluminum toxicity; tolerance; grain yield; number of grain per spikelet


ARTIGOS

Melhoramento do trigo: XIV. Correlações entre a tolerância à toxicidade a dois níveis de alumínio e altura das plantas com outros caracteres agronômicos em trigo1 1 Com recursos complementares do Acordo do Trigo entre as Cooperativas de Produtores Rurais do Vale do Paranapanema e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto Agronômico. Trabalho apresentado na XIV Reunião Nacional de Pesquisa de Trigo, Londrina (PR), julho de 1986.

Wheat breeding: XIV. Correlations of tolerance to two levels of aluminum toxicity and plant height with other agronomic characteristics in wheat

Carlos Eduardo de Oliveira CamargoI, II

ISeção de Arroz e Cereais de Inverno, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001 Campinas (SP)

IICom bolsa de suplementação do CNPq

RESUMO

Visando estimar as correlações entre a altura das plantas com sete caracteres agronômicos e aquelas entre a tolerância a 1 e 3 mg/litro de Al3+ em solução nutritiva com produção de grãos, altura das plantas e número de grãos por espigueta, foram efetuados, no Centro Experimental de Campinas, em 1983, cruzamentos entre o cultivar de trigo BH-1146, com Siete Cerros e Tobari-66. Plântulas representando os pais e as gerações F1 e F2 foram testadas para a reação a 1 e 3 mg/litro de Al3+ em solução nutritiva no laboratório. As plântulas, devidamente identificadas, foram transplantadas em número de quatro por vaso, empregando-se no total 164 vasos dispostos em quatro blocos ao acaso. Os dados referentes à produção de grãos e a outros caracteres agronômicos foram obtidos de plantas individuais em 1984. Os valores da herdabilidade no sentido restrito para comprimento da espiga, número de grãos por espiga, número de grãos por espigueta e número de espigas por planta foram de 0,79; 0,75; 0,73 e 0,68 respectivamente, e de 0,58; 0,53 e 0,50 para número de espiguetas por espiga, altura das plantas e peso de cem grãos respectivamente. Para produção de grãos, o valor estimado foi de 0,38. Nas populações estudadas, a altura das plantas foi correlacionada com todos os caracteres agronômicos estudados, com exceção de número de grãos por espigueta e peso de cem grãos na população BH-1146 x Tobari-66. A tolerância ao alumínio não foi associada com altura das plantas, número de grãos por espigueta e produção de grãos (com exceção da população BH-1 146 x Tobari-66, quando se utilizou a concentração de 3 mg/litro de Al3+), sugerindo ser possível selecionar plantas que combinam a tolerância ao Al3+, porte semi-anão e alto potencial produtivo para serem cultivadas nos solos ácidos. Entretanto, grandes populações F2 seriam necessárias para assegurar a freqüência dos recombinantes desejáveis.

Termos de indexação: trigo, herdabilidade, altura das plantas, produção de grãos, toxicidade de alumínio, tolerância.

SUMMARY

The standard height and Al tolerant cultivar BH-1146 was crossed with semi-dwarf and Al sensitive cultivars Tobari-66 and Siete Cerros, in 1983. Parents, F1's and F2's were tested for their reaction to 1 and 3 mg/l of Al3+ in nutrient solution, in laboratory condition and evaluated for grain yield, plant height, number of spikes per plant, number of spikelets per spike, number of grains per spike, number of grains per spikelet, 100-grain-weight and spike length at maturity in an experiment using pots, under a screen house at Experimental Center of Campinas, State of São Paulo, Brazil, in 1984. Medium to high narrow sense heritability estimates were obtained for spike length, number of grains per spike, number of grain per spikelet and number of spikes per plant; and medium to low for other agronomic characteristics under study. Plant height was significantly correlated with all the agronomic characteristics under study, except number of grains per spikelet and 100-grain-weight in the 'BH-1146' x 'Tobari- 66' population. Tolerance to Al3+ toxicity was not associated with grain yield (except for the population from the cross BH-1146 x Tobari-66 using 3 mg/l of Al3+), plant height and number of grain per spikelet. The results suggested that it is possible to select plant types that combine Al3+ tolerance, semi-dwarf height levels and high yield potential to be cultivated on aluminum acid soils. However, larger F2 populations would be required to ensure the frequency of desired recombinants.

Index terms: wheat, narrow sense heritability, plant height, aluminum toxicity, tolerance, grain yield, number of grain per spikelet.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 22 de agosto de 1986.

  • CAMARGO, C.E.O. Efeito da temperatura da solução nutritiva na tolerância ao alumínio de cultivares de trigo. Bragantia, Campinas, 42:51-63, 1983.
  • __________ Melhoramento do trigo. I. Hereditariedade da tolerância à toxicidade do alumínio. Bragantia, Campinas, 40:33-45, 1981.
  • __________ Melhoramento do trigo. VIII. Associações entre produção de grãos e outros caracteres agronômicos em populações híbridas envolvendo diferentes fontes de nanismo. Bragantia, Campinas, 43(2):541-552, 1984.
  • __________ Melhoramento do trigo. X. Estimativas da herdabilidade e correlações entre tolerância à toxicidade de alumínio e produção de grãos com outros caracteres agronômicos em trigo. Bragantia, Campinas, 43(2):615-628, 1984.
  • __________; FELÍCIO, J.C.; FREITAS, J.G.; FERREIRA FILHO, A.W.P.; RAMOS, V.J. & PETTINELLI JÚNIOR, A. Adubação N, P. K e S para a cultura do trigo no Estado de São Paulo. In: REUNIÃO DA COMISSÃO CENTRO-SULBRASILEIRA DE PESQUISA DE TRIGO, 1., Londrina, 1985. 25p. (Mimeo)
  • __________; KRONSTAD, W.E. & METZGER, R.J. Parent-progeny regression estimates and associations of height level with aluminum toxicity and grain yield in wheat. Crop Science, 20:355-358, 1980.
  • __________& OLIVEIRA, O.F. Melhoramento do trigo. V. Estimativas da herdabilidade e correlações entre altura, produção de grãos e outros caracteres agronômicos em trigo. Bragantia, Campinas, 42:131-148, 1983.
  • __________&__________ Tolerância de cultivares de trigo a diferentes níveis de alumínio em solução nutritiva e no solo. Bragantia, Campinas, 40:21-31, 1981.
  • __________;__________& LAVORENTI, A. Efeito de diferentes concentrações de sais em solução nutritiva na tolerância de cultivares de trigo à toxicidade de alumínio. Bragantia, Campinas, 40:93-101, 1981.
  • FALCONER, D.S. Introduction to quantitative genetics. New York, Ronald Press, 1960. 365p.
  • FOY, C.D.; ARMIGER, W.H.; BRIGGLE, L.W. & REID, D.A. Differential aluminum tolerance to wheat and barley varieties in acid soils. Agronomy Journal, 57:413-417, 1965.
  • JOHNSON, VA; BIRVER, R.J.; HAUNOLD, A. & SCHMIDT, J.N. Inheritance of plant height and seed characteristics in a cross of hard red winter wheat (Triticum aestivum L). Crop Science, 6:336-338,1966.
  • KERRIDGE, P.C.; DAWSON, M.D. & MOORE, D.P. Separation of degrees of aluminum tolerance in wheat Agronomy Journal, 63:586-591, 1971.
  • KETATA, H.; EDWARDS, L.H. & SMITH, E.L. Inheritance of eight agronomic characters in a winter wheat cross. Crop Science, 16:19-22, 1976.
  • LAFEVER, H.N.; CAMPBELL, L.G. & FOY, CD. Differential response of wheat cultivars to Al. Agronomy Journal, 69:563-568, 1977.
  • 1
    Com recursos complementares do Acordo do Trigo entre as Cooperativas de Produtores Rurais do Vale do Paranapanema e a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio do Instituto Agronômico. Trabalho apresentado na XIV Reunião Nacional de Pesquisa de Trigo, Londrina (PR), julho de 1986.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      06 Dez 2007
    • Data do Fascículo
      1987

    Histórico

    • Recebido
      22 Ago 1986
    Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
    E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br