Melhoramento das variedades paulistas de algodão. Criação da IAC 13-1

Improvement of the São Paulo cotton varieties origin and breeding of IAC 13-1

Popílio A. Cavaleri Imre L. Gridi-Papp Carlos A. M. Ferraz Milton G. Fuzatto Edivaldo Cia Nélson M. da Silva Oswaldo O. S. Neves Nélson P. Sabino José F. Lazzarini Edmur S. Martinelli Francisco A. Corrêa Sobre os autores

Resumos

A variedade de algodoeiro IAC 13-1 foi desenvolvida a partir da linhagem norte-americana Acala 5675, conhecida como uma "Acala Oriental", a qual foi selecionada de material primitivo colhido no México. Dadas as boas qualidades da sua fibra, essa linhagem foi objeto de estudos, na Seção de Algodão do Instituto Agronômico, desde a sua introdução. Após nove anos de aclimatação e seleção individual, foi isolada a linhagem IAG 61/60 como material promissor. Desenvolveu-se a IAC 13-1 a partir dessa linhagem por seleção genealógica, no período de 1961 a 1970. A sua semente foi entregue em 1968, pela primeira vez, para multiplicação em campo básico. A IAC 13-1 substitui a IAC 12-2, na lavoura, a partir de 1970, tendo maior produtividade, melhor capulho, maior semente, melhor fibra e maior produção em terrenos infestados porFusarium oxysporumf.vasiniectum(Atk) Snyder e Hansen.


The origin and breending of the São Paulo cotton variety IAC 13-1, as well as the involved proceedings and numerical results are reported. The "eastern Acala" Acala 5675, selected at Knoxville, Tenn., from a Mexican cotton was introduced to São Paulo in 1950. It showed very good fiber qualities in the new environment. After nine years of acclimation and individual selection it yielded a promising line named IAG 61/60. IAC 13-1 was developped from this line by the general pedegree selection process adopted in breeding for final genetic balance by the Cotton Section of the Instituto Agronômico. The first stock of genetic seed was released for further increase in 1968. IAC 13-1 substituted the commercial variety IAC 12-2. This substitution signified an improvement in yield, type and size of bolls, size of seeds, fiber qualities and behaviour in areas contaminated by Fusarium oxysporum f. vasinfectum (Atk.) Snyder et Hansen.


Melhoramento das variedades paulistas de algodão. Criação da IAC 13-1

Improvement of the São Paulo cotton varieties origin and breeding of IAC 13-1

Popílio A. CavaleriI; Imre L. Gridi-PappI,1 1 Com bolsa de suplementação do C.N.Pq. ; Carlos A. M. FerrazI,1 1 Com bolsa de suplementação do C.N.Pq. ; Milton G. FuzattoI; Edivaldo CiaI,1 1 Com bolsa de suplementação do C.N.Pq. ; Nélson M. da SilvaI,1 1 Com bolsa de suplementação do C.N.Pq. ; Oswaldo O. S. NevesI; Nélson P. SabinoII,1 1 Com bolsa de suplementação do C.N.Pq. ; José F. LazzariniII; Edmur S. MartinelliII; Francisco A. CorrêaII

ISeção de Algodão

IISeção de Tecnologia de Fibras, Instituto Agronômico,2 2 A responsabilidade pela análise dos dados e pela redação é do segundo autor. Colaboraram na condução de ensaios e na colheita de dados os engenheiros-agrônomos Reinaldo Forster e Aldo Alves, J. Aloisi Sobrinho e Hélio J. Scaranari, Armando Petinelli, Vicente C. de Oliveira, Ary A. Veiga, Mário P. Campana, Antônio J. Reis e Guido de Sordi, Túlio R. Rocha e Luciano S. P. Cruz, respectivamente das Est. Exp. de Campinas, Pindorama, Tatuí, Tietê, Jaú, Rib. Preto e Mococa.

SINOPSE

A variedade de algodoeiro IAC 13-1 foi desenvolvida a partir da linhagem norte-americana Acala 5675, conhecida como uma "Acala Oriental", a qual foi selecionada de material primitivo colhido no México. Dadas as boas qualidades da sua fibra, essa linhagem foi objeto de estudos, na Seção de Algodão do Instituto Agronômico, desde a sua introdução. Após nove anos de aclimatação e seleção individual, foi isolada a linhagem IAG 61/60 como material promissor. Desenvolveu-se a IAC 13-1 a partir dessa linhagem por seleção genealógica, no período de 1961 a 1970.

A sua semente foi entregue em 1968, pela primeira vez, para multiplicação em campo básico. A IAC 13-1 substitui a IAC 12-2, na lavoura, a partir de 1970, tendo maior produtividade, melhor capulho, maior semente, melhor fibra e maior produção em terrenos infestados porFusarium oxysporumf.vasiniectum(Atk) Snyder e Hansen.

SUMMARY

The origin and breending of the São Paulo cotton variety IAC 13-1, as well as the involved proceedings and numerical results are reported.

The "eastern Acala" Acala 5675, selected at Knoxville, Tenn., from a Mexican cotton was introduced to São Paulo in 1950. It showed very good fiber qualities in the new environment. After nine years of acclimation and individual selection it yielded a promising line named IAG 61/60. IAC 13-1 was developped from this line by the general pedegree selection process adopted in breeding for final genetic balance by the Cotton Section of the Instituto Agronômico. The first stock of genetic seed was released for further increase in 1968. IAC 13-1 substituted the commercial variety IAC 12-2. This substitution signified an improvement in yield, type and size of bolls, size of seeds, fiber qualities and behaviour in areas contaminated by Fusarium oxysporum f. vasinfectum (Atk.) Snyder et Hansen.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

LITERATURA CITADA

Recebido para publicação em 6 de março de 1975.

  • 1. AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. Book of ASTM standards. Part. 25. Philadelphia, 1968. p.666.
  • 2.  CAVALERI, P. A. A semente. In: Cultura e adubaçăo do algodoeiro. Săo Paulo, Instituto Brasileiro de Potassa, 1965. p.161-219.
  • 3.  DOEBRICH, J. M. The Pressley fiber strength tester. Tucson, Arizona, 1948. p.4.
  • 4
      CAMPINAS, Instituto Agronômico. Ensaios regionais de variedades paulistas de algodoeiro, 1967/68 — 1968/69 — 1969/70. Campinas, 1971. 86p.
  • 5.  GRIDI-PAPP, I. L. Genética e melhoramento do algodoeiro. In: Melhoramento e genética. Săo Paulo, Ed. Melhoramentos. Univ. Săo Paulo, 1969. p.75-101.
  • 6.  GROVER, E. B. & HAMBY, D. S. Handbook of textile testing and quality control. New York, Textile Book Publishers, 1960. p.193.
  • 7.  HERTEL, K. L. A method of fibre length analysis using the fibrograph. Textile Res. 10:510-525, 1940.
  • 8.  LANDSTREET, C. B. The fibrogram: its concept and use in measuring cotton fiber length. Charlotte, N. C. Ed. Textile Quality Control Association, 1961.
  • 9.  NEVES, O. S.; CAVALERI, P. A.; GRIDI-PAPP, I. L. & FERRAZ, C. A. M. Melhoramento das variedades paulistas de algodăo. Criaçăo da IAC 12. Bragantia 28:291-306, 1969.
  • 10. RICHMOND, T. R. & RADWAN, Sami R. H. A comparative study of seven methods of measuring earliness of crop maturity in cotton. Crop Sci. 2:397-400, 1962.

  • 1
    Com bolsa de suplementação do C.N.Pq.
  • 2
    A responsabilidade pela análise dos dados e pela redação é do segundo autor. Colaboraram na condução de ensaios e na colheita de dados os engenheiros-agrônomos Reinaldo Forster e Aldo Alves, J. Aloisi Sobrinho e Hélio J. Scaranari, Armando Petinelli, Vicente C. de Oliveira, Ary A. Veiga, Mário P. Campana, Antônio J. Reis e Guido de Sordi, Túlio R. Rocha e Luciano S. P. Cruz, respectivamente das Est. Exp. de Campinas, Pindorama, Tatuí, Tietê, Jaú, Rib. Preto e Mococa.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    10 Mar 2009
  • Data do Fascículo
    1975

Histórico

  • Recebido
    06 Mar 1975
Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902 Campinas SP - Brazil, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br