Produtividade do cafeeiro Mundo Novo enxertado e submetido à adubação verde antes e após recepa da lavoura

Productivity of grafted coffee during intercropping with five leguminous species in the western region of São Paulo State, Brazil

Resumos

Estudaram-se a produção e o crescimento do cafeeiro Mundo Novo (Coffea arabica L.) enxertado sobre o Apoatã IAC 2258 (Coffea canephora Pierre ex Froehner) submetido à adubação verde com as seguintes espécies leguminosas: crotalária espectábilis (Crotalaria spectabilis Roth.), crotalária júncea (Crotalaria juncea L.), guandu [Cajanus cajan (L.) Millsp.], mucuna anã (Stizolobium deeringeanum Bort.) e soja IAC 9 [Glycine max (L.) Merril] e um tratamento testemunha sem plantas leguminosas. As leguminosas foram semeadas a 50 cm da projeção da copa dos cafeeiros e incorporadas no florescimento. O experimento foi desenvolvido no Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios da Alta Paulista, em Adamantina, no período de 1989 a 1995. Adotou-se o delineamento estatístico de blocos ao acaso com seis tratamentos e cinco repetições. Os adubos verdes crotalária espectábilis, crotalária júncea, mucuna anã e soja, durante o período experimental, e a crotalária espectábilis após a recepa, não diminuíram a produção do cafeeiro. O guandu, embora tenha aumentado o teor de matéria orgânica do solo, foi a única leguminosa que diminuiu a produção e o diâmetro do caule dos cafeeiros. O guandu e a crotalária júncea, respectivamente, produziram as maiores quantidades de fitomassa seca. A produção do café se correlacionou inversamente com a fitomassa seca das leguminosas e positivamente com altura e diâmetro do caule do cafeeiro.

café; Coffea arabica; C. canephora; leguminosa; cultura intercalar


Yield of arabica coffee (Coffea arabica) of grafted onto robusta coffee (Coffea canephora Pierre ex Froehner) Apoatã IAC 2258 was evaluated during six years of intercropping with five leguminous species: sunn hemp (Crotalaria juncea L.), Crotalaria spectabilis Roth., dwarf velvet bean (Stizolobium deeringeanum Bort.), soybean Glycine max (L.) Merryl] and pigeon pea [Cajanus cajan (L.) Millsp.] in the Western region of São Paulo State, Brazil, from 1989 to 1995. Leguminous species were sown 50 cm away from coffee plants and incorporated into the soil flowering stage. The treatments were arranged in randomized complete block design with five replicates. Coffee yield was not affected by Crotalaria spectabili Roth, sunn hemp, dwarf velvet bean and soybean IAC 9 as interrow crop. After stamping back the trees only the Crotalaria spectabilis Roth did not affect yield. Stem diameter and yield were significantly decreased by pigeon pea intercrop. The highest amount of legume dry biomass was produced by pigeon pea and sunn hemp. Linear correlation analysis showed that coffee yield was inversely correlated with leguminous dry biomass and positively correlated with coffee stem diameter at the harvest year.

coffee; Coffea arabica; C.canephora leguminous species; intercropping


FITOTECNIA

Produtividade do cafeeiro Mundo Novo enxertado e submetido à adubação verde antes e após recepa da lavoura

Productivity of grafted coffee during intercropping with five leguminous species in the western region of São Paulo State, Brazil

Edison Martins PauloI; Ronaldo Severiano BertonII; José Carlos CavichioliI; Eduardo Antonio BulisaniIII; Francisco Seiiti KasaiI

IPólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios da Alta Paulista, APTA, Caixa Postal 191, 17800-000 Adamantina (SP). E-mail: ed.paulo@uol.com.br

IICentro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico (IAC), Caixa Postal 28, 13001-970 Campinas (SP). E-mail: rsberton@iac.sp.gov.br

IIIPesquisador Científico aposentado, Instituto Agronômico (SP)

RESUMO

Estudaram-se a produção e o crescimento do cafeeiro Mundo Novo (Coffea arabica L.) enxertado sobre o Apoatã IAC 2258 (Coffea canephora Pierre ex Froehner) submetido à adubação verde com as seguintes espécies leguminosas: crotalária espectábilis (Crotalaria spectabilis Roth.), crotalária júncea (Crotalaria juncea L.), guandu [Cajanus cajan (L.) Millsp.], mucuna anã (Stizolobium deeringeanum Bort.) e soja IAC 9 [Glycine max (L.) Merril] e um tratamento testemunha sem plantas leguminosas. As leguminosas foram semeadas a 50 cm da projeção da copa dos cafeeiros e incorporadas no florescimento. O experimento foi desenvolvido no Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios da Alta Paulista, em Adamantina, no período de 1989 a 1995. Adotou-se o delineamento estatístico de blocos ao acaso com seis tratamentos e cinco repetições. Os adubos verdes crotalária espectábilis, crotalária júncea, mucuna anã e soja, durante o período experimental, e a crotalária espectábilis após a recepa, não diminuíram a produção do cafeeiro. O guandu, embora tenha aumentado o teor de matéria orgânica do solo, foi a única leguminosa que diminuiu a produção e o diâmetro do caule dos cafeeiros. O guandu e a crotalária júncea, respectivamente, produziram as maiores quantidades de fitomassa seca. A produção do café se correlacionou inversamente com a fitomassa seca das leguminosas e positivamente com altura e diâmetro do caule do cafeeiro.

Palavras-chave: café, Coffea arabica, C. canephora, leguminosa, cultura intercalar.

ABSTRACT

Yield of arabica coffee (Coffea arabica) of grafted onto robusta coffee (Coffea canephora Pierre ex Froehner) Apoatã IAC 2258 was evaluated during six years of intercropping with five leguminous species: sunn hemp (Crotalaria juncea L.), Crotalaria spectabilis Roth., dwarf velvet bean (Stizolobium deeringeanum Bort.), soybean Glycine max (L.) Merryl] and pigeon pea [Cajanus cajan (L.) Millsp.] in the Western region of São Paulo State, Brazil, from 1989 to 1995. Leguminous species were sown 50 cm away from coffee plants and incorporated into the soil flowering stage. The treatments were arranged in randomized complete block design with five replicates. Coffee yield was not affected by Crotalaria spectabili Roth, sunn hemp, dwarf velvet bean and soybean IAC 9 as interrow crop. After stamping back the trees only the Crotalaria spectabilis Roth did not affect yield. Stem diameter and yield were significantly decreased by pigeon pea intercrop. The highest amount of legume dry biomass was produced by pigeon pea and sunn hemp. Linear correlation analysis showed that coffee yield was inversely correlated with leguminous dry biomass and positively correlated with coffee stem diameter at the harvest year.

Key words: coffee, Coffea arabica, C.canephora leguminous species, intercropping.

INTRODUÇÃO

A expansão da cafeicultura em São Paulo ocorreu no século XIX, iniciando no Vale do Paraíba, seguindo para Campinas e Ribeirão Preto até atingir a Alta Paulista, constituindo o itinerário conhecido como "trilha do café" ou "caminhos do café". O avanço se deu sobre terras férteis, antes ocupadas pelas matas, correspondendo a intenso impulso na expansão da fronteira agrícola estadual, criando cidades e progresso por algumas décadas.

Na Alta Paulista, em meados da década de 70, a ocorrência de fortes geadas, associada à infestação dos nematóides, ao manejo inadequado da cultura e à conseqüente diminuição da fertilidade dos solos, concorreu para o acentuado declínio da lavoura cafeeira na região. O contorno do problema dos nematóides, por meio da enxertia do café arábica sobre o Apoatã, possibilitou novo ânimo e revigorou a atividade que, de modo geral, desenvolveu-se sem a adequada regeneração da fertilidade dos solos, imprescindível à obtenção de produções elevadas para fazer frente aos custos de implantação, formação e manutenção do cafezal.

A adubação verde é uma prática que recupera a fertilidade do solo (IGUE, 1984; MIYASAKA, 1984), enriquecendo-o com matéria orgânica e nutrientes e melhorando suas condições físicas e biológicas (MALAVOLTA, 1967; IGUE, 1984), além de ser eficaz no controle de erosão (BERTONI e LOMBARDI-NETO, 1985). As plantas leguminosas são as preferidas como adubos verdes devido à fixação biológica do nitrogênio atmosférico e à produção de grande quantidade de massa rica em elementos minerais (MALAVOLTA, 1967; IGUE, 1984; AMBROSANO et al., 1997), mobilizados de diferentes camadas do solo através de um sistema radicular profundo e ramificado (INFORZATO, 1947; AMBROSANO et al., 1997).

No Brasil, embora utilizada há mais de 30 anos, a adubação verde é prática controvertida na lavoura cafeeira, atribuindo-se ao seu uso aumentos na produção de café, após a verificação de prejuízos nos períodos iniciais da cultura (FRAGA e CONAGIN, 1956), a não-variação (FRANCO et al., 1960; FRANCO e LAZZARINI, 1967; LAZZARINI e NEME, 1967; REIS e ARRUDA, 1974; PAULO et al., 2001) ou, até mesmo, a diminuição da produtividade dos cafeeiros (LOMBARDI-NETO et al., 1976; MELLES et al., 1979; REIS e ARRUDA, 1980).

O trabalho relata o estudo da produção e do crescimento do cafeeiro Mundo Novo enxertado sobre o Apoatã IAC 2258, submetido à adubação verde com espécies leguminosas entre as linhas da cultura, em Adamantina, na Região da Alta Paulista.

2. MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi desenvolvido no Pólo Regional de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios da Alta Paulista, em Adamantina (SP), no período de 1988 a 1995. Estudaram-se os seguintes tratamentos: crotalária espectábilis (Crotalaria spectabilis Roth.), crotalária júncea (Crotalaria juncea L.), guandu [Cajanus cajan (L.) Millsp.], mucuna anã (Stizolobium deeringeanum Bort) e soja IAC-9 [Glycine max (L.) Merril] e um tratamento testemunha sem o cultivo de adubos verdes, utilizando-se o delineamento estatístico de blocos ao acaso com cinco repetições. Anualmente, semeram-se cinco linhas de leguminosas em sulcos não adubados e espaçados de 50 cm entre si e no mínimo a 50 cm da projeção da copa dos cafeeiros, cultivar Mundo Novo (Coffea arabica L.) enxertado sobre Apoatã IAC 2258 (Coffea canephora Pierre ex Froehner). A parcela experimental contou com 16 covas com dois cafeeiros cada uma, dispostas em quatro linhas de plantio, no espaçamento de 4,0 x 2,0 m, adubadas com 250 g de superfosfato simples e 30 g de cloreto de potássio. Realizou-se o plantio dos cafeeiros em maio de 1988 e a semeadura das leguminosas no verão de cada ano do período experimental, capinando-se as parcelas testemunhas e a dos tratamentos aos 30 e 60 dias após a emergência das leguminosas e efetuando-se o controle de pragas e doenças conforme recomendado para as culturas (PEDRO-JUNIOR et al., 1987). No primeiro ano após o plantio e também após a recepa adubou-se o cafezal com 20 kg ha-1 de N. No segundo ano, o cafezal recebeu a adubação de 20 kg ha-1 de N, 30 kg ha-1 de P2O5 e 30 kg ha-1 de K2O e nos demais anos 80 kg ha-1 de N, 30 kg ha-1 de P2O5 e 40 kg ha-1 de K2O. As quantidades dos adubos foram aplicadas em quatro parcelas iguais no período de outubro a abril de cada ano.

Na fase de pleno florescimento-frutificação amostraram-se os adubos verdes em 4 pontos de 0,5 m locados casualizadamente nas linhas de semeadura da área útil das parcelas, incorporando-se posteriormente a massa vegetal no solo com grade ou enxada rotativa. Determinou-se a fitomassa seca das leguminosas, após secagem das plantas em estufa a 65 ºC até massa constante.

Avaliou-se a produção de café nas quatro covas centrais das parcelas a partir de 1990, exceto em 1992, quando as plantas foram recepadas em fevereiro em vista da ocorrência de baixas temperaturas no ano anterior, e, em 1995, a altura e o diâmetro dos caules dos cafeeiros a 30 cm do solo.

Coletaram-se em 1993 amostras de solo à profundidade de 0-20 cm, 60 dias após a incorporação das leguminosas, determinando-se os teores de macro e micronutrientes segundo método descrito por RAIJ e QUAGGIO (1983).

Utilizou-se o programa estatístico SANEST (ZONTA et al., 1984) para as análises estatísticas, comparando-se as médias dos tratamentos pelo teste de Duncan e aplicando-se o teste t para verificação da significância da correlação entre as variáveis.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

A produção de café do primeiro biênio (1990 e 1991) não diferiu entre os tratamentos, embora em 1990 tenha se verificado menor produtividade dos cafeeiros com soja e com guandu quando comparados à testemunha (Tabela 1).

Em 1993, primeiro ano após a recepa da lavoura, os cafeeiros tiveram produção econômica inexpressiva. Em 1994, observou-se a menor produção nos cafeeiros adubados com o guandu, enquanto as crotalárias júncea e espectábilis foram os únicos adubos verdes equivalentes à testemunha. No ano seguinte, com a crotalária júncea e o guandu os tratamentos foram menos produtivos, diferindo significativamente dos demais adubos verdes e da testemunha. No total do triênio após a recepa (1993 a 1995), a maior produtividade de café beneficiado ocorreu no tratamento testemunha, que não diferiu significativamente da crotalária espectábilis, e a menor no guandu. Os demais adubos verdes não diferiram entre si quanto a essa variável estudada.

No período da experimentação (1990 a 1995) somente o guandu diminuiu significativamente a produção dos cafeeiros (Tabela 1), o que não foi observado por LAZZARINI e NEME (1967). Contudo, os resultados concordam com os de PAULO et al. (2001), excetuando-se o obtido com a crotalária júncea que, naquele trabalho, diminuiu a produção.

A diminuição na produção dos cafeeiros, quando adubado com o guandu, pode ter explicação na capacidade das raízes dessa leguminosa em explorar camadas profundas do solo (ALVARENGA et al., 1995), o que provavelmente pode competir com os cafeeiros, devido ao seu maior potencial de absorção de água e possibilidade de reciclagem dos nutrientes do solo (TRANI et al., 1989; ALVARENGA, 1993). Além disso, o guandu foi a leguminosa com maior produção total de fitomassa seca (Tabela 2), exigindo provavelmente maior quantidade de nitrogênio que as outras leguminosas para decompor a biomassa incorporada ao solo, o que pode prejudicar a produção do cafeeiro. A fitomassa produzida pela crotalária júncea foi maior que a da crotalária espectábilis, mucuna anã e soja, corroborando o resultado de outros autores (PAULO et al., 2001; ALVARENGA et al., 1995), embora já se tenha verificado maior produção de fitomassa seca com a crotalária júncea que com o guandu (SOUZA, 1953). Ao maior acúmulo da fitomassa pelos adubos verdes correspondeu menor produtividade de café (r=-0,58) (P<0,01) (FIGURA 1), fato constatado em outros trabalhos com leguminosas (PAULO et al., 2001 ) e com outras plantas intercalares (PAULO et al., 2004).

Os adubos verdes não modificaram a altura de planta e somente o guandu diminuiu o diâmetro do caule do cafeeiro (Tabela 3). PAULO et al. (2001) observaram que o guandu reduziu a altura de planta e o diâmetro do caule do Apoatã IAC 2258. Verificou-se na correlação da produtividade com a altura (r = 0,39) (P<0,05) e com o diâmetro do caule (r=0,67) (P<0,01) do cafeeiro, a produção do cafeeiro foi dependente do crescimento da planta.

As leguminosas conviveram com os cafeeiros em torno de 90 dias, enquanto o guandu por cerca de 150 dias, de abril até junho, período em que se inicia na região a diminuição da precipitação pluvial, o que pode ter contribuído para os resultados da competição. Nota-se também que os adubos verdes prejudicaram a produção de café após a recepa, mas não no primeiro biênio da cultura (Tabela 1), o que pode estar relacionado ao estado nutricional das plantas após a implementação da prática de renovação do cafezal.

Pela caracterização química do solo em 1993 (Tabela 4) observou-se que o cultivo com leguminosas não alterou o fósforo disponível. O maior teor de matéria orgânica ocorreu com o guandu que somente não diferiu da soja. A matéria orgânica provavelmente aumentou a capacidade de troca catiônica (CTC) e contribuiu para maior retenção do potássio trocável do solo, diferindo o guandu dos demais tratamentos. A melhoria na fertilidade do solo resultante da incorporação do guandu revela que a competição por outros recursos do meio deve ter sido mais importante que a competição por nutrientes, tornando-se a condição limitante do crescimento e da produção do cafeeiro nesse tratamento.

Nenhuma das leguminosas estudadas promoveu mudanças significativas no pH, nos teores de cálcio e de magnésio do solo ou na saturação por bases, sugerindo que os adubos verdes estudados não são eficientes em corrigir a acidez do solo. PAULO et al. (2001) verificaram aumento no teor de matéria orgânica do solo pelo guandu e crotalária júncea cultivadas intercalarmente ao cafeeiro Apoatã IAC 2258, atribuído à fitomassa seca média anual de, respectivamente, 42 e 23 t ha-1, produtividades maiores do que as obtidas nesse estudo. Não observaram, porém, alterações nos demais atributos da análise do solo pelos tratamentos.

4. CONCLUSÕES

1. O uso da adubação verde nos três primeiros anos da lavoura não prejudica a produtividade do cafeeiro.

2. O cultivo intercalar da crotalária espectábilis não diminui a produção do cafeeiro recepado.

3. O uso durante sete anos consecutivos dos adubos verdes crotalária espectábilis, crotalária júncea, mucuna anã ou da soja não diminui significativamente a produção e o desenvolvimento do cafeeiro.

4. O guandu diminui a produção e o diâmetro do caule do cafeeiro e aumenta a matéria orgânica, o potássio e a CTC do solo.

Recebido para publicação em 20 de maio de 2005 e aceito em 6 de janeiro de 2006.

  • ALVARENGA, R.C. Potencialidades de adubos verdes para conservação e recuperação de solos Viçosa, 1993. 112 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Viçosa.
  • ALVARENGA, R.C.; COSTA, L.M.; MOURA-FILHO, W.; REGAZZI, A.J. Características de alguns adubos verdes de interesse para a conservação e recuperação de solos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v.30, n.2, p.175-185, 1995.
  • AMBROSANO, E.J.; WUTKE, E.B.; TANAKA, R.T.; MASCARENHAS, H.A.A.; BRAGA, N.R.; MURAOKA, T. Leguminosas para adubação verde: uso apropriado em rotação de culturas. Campinas: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1997. 24p.
  • BERTONI, J.; LOMBARDI-NETO, F. Conservação do solo 1. ed. Piracicaba: Livroceres, 1985. 392p.
  • FRAGA, C.G.; CONAGIN, A. Delineamentos e análises de experimentos com cafeeiros. Bragantia, Campinas, v.15, p.177-191, 1956.
  • FRANCO, C.M.; LAZZARINI, W. Ensaio de adubação mineral NPK e adubos verdes. In: LAZZARINI et al. Experimentação cafeeira, 1929-1963 Campinas: Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo / Instituto Agronômico, 1967. p.173-177.
  • FRANCO, C.M.; LAZZARINI, W.; CONAGIN, A.; REIS, A.J.; MORAES, F.R.P. Manutenção de cafezal com adubação exclusivamente mineral. Bragantia, Campinas, v.19, n.33, p.523-546, 1960.
  • IGUE, K. Dinâmica da matéria orgânica e seus efeitos na propriedade do solo. In: FUNDAÇÃO CARGILL. Adubação verde no Brasil Campinas: Fundação Cargill, 1984. p.232-267.
  • INFORZATO, R. Nota sobre o sistema radicular do guandu Cajanus cajan L. Millsp. e sua importância na adubação verde. Bragantia, Campinas, v.7, p.125-127, 1947.
  • LAZZARINI, W.; NEME, A.N. Ensaio de adubação verde e química. In: LAZZARINI et al. Experimentação cafeeira, 1929-1963 Campinas: Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo / Instituto Agronômico, 1967. p.199-203.
  • LOMBARDI-NETO, F.; BERTONI, J.; BENATTI JÚNIOR, R. Efeito de algumas práticas conservacionistas vegetativas na produção de café. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 15., 1975, Campinas. Anais...Campinas: Sociedade Brasileira do Solo, 1976. p.547-550.
  • MALAVOLTA, E. Manual de Química Agrícola: Adubos e Adubação. São Paulo: Agronômica Ceres, 1967. 606p.
  • MELLES, C.C.A.; GUIMARÃES, P.T.G.; NACIF, A.P.; SILVA, C.M.; CARVALHO, M.M.; ANDRADE, M.A. Efeito de culturas intercalares na formação do cafeeiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS, 7., 1979, Araxá. Resumos.. Rio de Janeiro: IBC/GERCA, 1979. p.174-175.
  • MIYASAKA, S.; CAMARGO, O.A.; CAVALIERI, P.A.; GODOY, I.J.; CURI, S.M.; LOMBARDI-NETO, F.; MEDINA, J.C.; CERVELLINI, G.S.; BULISANI, E.A. Adubação verde e rotação de culturas no Estado de São Paulo Campinas: Fundação Cargill, 1984.138p.
  • PAULO, E.M.; BERTON, R.S.; CAVICHIOLI, J.C.; BULISANI, E.A.; KASAI, F.S. Produtividade do café apoatã em consórcio com leguminosas na região da Alta Paulista. Bragantia, Campinas, v.60, n.3, p.195-199, 2001.
  • PAULO, E.M.; BERTON, R.S.; CAVICHIOLI, J.C.; KASAI, F.S. Comportamento do cafeeiro Apoatã em consórcio com culturas anuais. Bragantia, Campinas, v.63, n.2, p.275-281, 2004.
  • PEDRO JÚNIOR, M.J.; BULISANI, E.A.; POMMER, C.V.; PASSOS, E.A.; GODOY, I.J.; ARANHA, C. Instruções agrícolas para o Estado de São Paulo. 4.ed. Campinas: Instituto Agronômico, 1987. 231p.
  • RAIJ, B. van; QUAGGIO, J.A. Métodos de análises de solos para fins de fertilidade Campinas: Instituto Agronômico, 1983. 31p. (IAC. Boletim Técnico, 81)
  • REIS, A.J.; ARRUDA, H.V. Alguns resultados sobre técnicas culturais do cafeeiro na região de Ribeirão Preto. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS, 2., 1974, Poços de Caldas. Resumos... Rio de Janeiro: IBC, 1974. p.324-326.
  • REIS, A.J.; ARRUDA, H.V. Efeito depressivo da soja perene como adubo verde para cafezal. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS, 8.; 1980, Campos do Jordão. Anais...Rio de Janeiro: IBC-GERCA, 1980. p.101-103.
  • SOUZA, D.F. A adubação verde e o problema dessa prática na lavoura canavieira paulista 1953. 47p. Tese (Doutorado) Escola Superior de Aguricultura "Luiz de Queiroz" USP, Piracicaba.
  • TRANI, P.E.; BULISANI, E.A.; BRAGA, N.R. Adubação verde Campinas: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1989.13p. (Boletim Técnico, 197)
  • ZONTA, E.P.; MACHADO, A.D.; SILVEIRA JUNIOR,P. Sistema de análise estatística para microcomputadores: SANEST. Pelotas: UFPEL, 1984. (Registro SEI no. 06606-0 categoria AO)

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    28 Abr 2006
  • Data do Fascículo
    2006

Histórico

  • Aceito
    06 Jan 2006
  • Recebido
    20 Maio 2005
Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902 Campinas SP - Brazil, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br