Efeito da escassez de alimento no desenvolvimento pós-embrionário e no potencial reprodutivo de Chrysoperla externa (Hagen) (Neuroptera: Chrysopidae) em laboratório

Effect of food shortage on the post-embryonic development and reproductive potential of Chrysoperla externa (Hagen) (Neuroptera: Chrysopidae) in the laboratory

Resumos

As conseqüências da escassez alimentar no período pós-embrionário e potencial reprodutivo de Chrysoperla externa (Hagen) em laboratório foram avaliadas. Larvas de 1.°, 2.º e 3.° ínstares receberam alimento apenas no 1.°, 2.º ou 3.° dia após a ecdise. Nos períodos em que antecederam ou sucederam os testes com os respectivos ínstares, as larvas receberam uma, duas e três unidades de alimentação (UA) a cada dois dias para o 1.°, 2.º e 3.° ínstares, respectivamente. Cada UA constou de um disco de cartolina contendo ovos de Sitotroga cerealella (Olivier) (Lepidoptera: Gelechiidae). Diariamente, avaliou-se a viabilidade nos diferentes ínstares, da fase larval e pupal, assim como os períodos de pré-oviposição e oviposição, o número e a viabilidade de ovos. A escassez de alimento durante o 1.° ínstar pode ser suprida no decorrer do desenvolvimento larval. Entretanto, as larvas precisam encontrar alimento nas primeiras 48 horas de vida, pois a viabilidade nesse ínstar foi decrescendo com a ausência de alimento, podendo ocorrer 100% de mortalidade quando as larvas não se alimentam em até 48 horas após a eclosão. Os períodos de pré-oviposição e oviposição, assim como a fecundidade, não foram influenciados pela escassez de alimento durante o 1.° ínstar larval. Durante os 2.° e 3.° ínstares larvais, C. externa necessita de alimentação rica em proteína, pois a ingestão de apenas água e açúcares nesses estádios ocasionou alta mortalidade. Entretanto, a fecundidade e viabilidade dos ovos não foram afetadas pela escassez de alimento nesses ínstares.

Controle biológico; crisopídeo; regime alimentar; predador


The consequences of food shortage on the post-embryonic development and reproductive potential of Chrysoperla externa (Hagen) in the laboratory were evaluated. First, second, and third instar larvae received only food on the 1.st, 2.nd, or 3.rd day after ecdysis. During the periods that preceded or followed the tests in the corresponding instars, the larvae received one, two, and three feeding units (FU) at every two days for the 1.st, 2.nd, and 3.rd instars, respectively. Each FU consisted of a cardstock disc containing Sitotroga cerealella eggs (Lepidoptera: Gelechiidae). Daily evaluations included survival in the different instars and in the larval and pupal stages, as well as the pre-oviposition and oviposition periods, plus number and viability of eggs. The results showed that food shortage during the 1st instar could be offset during larval development. However, the larvae must find food in their first 48 hours of age, because survival in that instar gradually decreased in the absence of food, and 100% mortality may occur when the larvae do not feed until 48 hours after hatching. The pre-oviposition and oviposition periods, as well as fecundity, were not influenced by food shortage during the 1st larval instar. C. externa larvae require a protein-rich diet during the 2.nd and 3.rd instars, since the ingestion of water and sugars alone during these stages caused high larval mortality. However, fecundity and egg viability were not affected by food shortage during the studied instars.

biological control; chrysopid; feeding regime; predator


FITOSSANIDADE

Efeito da escassez de alimento no desenvolvimento pós-embrionário e no potencial reprodutivo de Chrysoperla externa (Hagen) (Neuroptera: Chrysopidae) em laboratório

Effect of food shortage on the post-embryonic development and reproductive potential of Chrysoperla externa (Hagen) (Neuroptera: Chrysopidae) in the laboratory

Marina Robles Angelini; Sérgio de Freitas

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Campus de Jaboticabal (FCAV/UNESP), Departamento de Fitossanidade, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane, s/n, 14884-900 Jaboticabal (SP), Brasil. E-mail: marinaangelini@hotmail.com; serfre@fcav.unesp.br

RESUMO

As conseqüências da escassez alimentar no período pós-embrionário e potencial reprodutivo de Chrysoperla externa (Hagen) em laboratório foram avaliadas. Larvas de 1.°, 2.º e 3.° ínstares receberam alimento apenas no 1.°, 2.º ou 3.° dia após a ecdise. Nos períodos em que antecederam ou sucederam os testes com os respectivos ínstares, as larvas receberam uma, duas e três unidades de alimentação (UA) a cada dois dias para o 1.°, 2.º e 3.° ínstares, respectivamente. Cada UA constou de um disco de cartolina contendo ovos de Sitotroga cerealella (Olivier) (Lepidoptera: Gelechiidae). Diariamente, avaliou-se a viabilidade nos diferentes ínstares, da fase larval e pupal, assim como os períodos de pré-oviposição e oviposição, o número e a viabilidade de ovos. A escassez de alimento durante o 1.° ínstar pode ser suprida no decorrer do desenvolvimento larval. Entretanto, as larvas precisam encontrar alimento nas primeiras 48 horas de vida, pois a viabilidade nesse ínstar foi decrescendo com a ausência de alimento, podendo ocorrer 100% de mortalidade quando as larvas não se alimentam em até 48 horas após a eclosão. Os períodos de pré-oviposição e oviposição, assim como a fecundidade, não foram influenciados pela escassez de alimento durante o 1.° ínstar larval. Durante os 2.° e 3.° ínstares larvais, C. externa necessita de alimentação rica em proteína, pois a ingestão de apenas água e açúcares nesses estádios ocasionou alta mortalidade. Entretanto, a fecundidade e viabilidade dos ovos não foram afetadas pela escassez de alimento nesses ínstares.

Palavras-chave: Controle biológico, crisopídeo, regime alimentar, predador.

ABSTRACT

The consequences of food shortage on the post-embryonic development and reproductive potential of Chrysoperla externa (Hagen) in the laboratory were evaluated. First, second, and third instar larvae received only food on the 1.st, 2.nd, or 3.rd day after ecdysis. During the periods that preceded or followed the tests in the corresponding instars, the larvae received one, two, and three feeding units (FU) at every two days for the 1.st, 2.nd, and 3.rd instars, respectively. Each FU consisted of a cardstock disc containing Sitotroga cerealella eggs (Lepidoptera: Gelechiidae). Daily evaluations included survival in the different instars and in the larval and pupal stages, as well as the pre-oviposition and oviposition periods, plus number and viability of eggs. The results showed that food shortage during the 1st instar could be offset during larval development. However, the larvae must find food in their first 48 hours of age, because survival in that instar gradually decreased in the absence of food, and 100% mortality may occur when the larvae do not feed until 48 hours after hatching. The pre-oviposition and oviposition periods, as well as fecundity, were not influenced by food shortage during the 1stlarval instar. C. externa larvae require a protein-rich diet during the 2.nd and 3.rd instars, since the ingestion of water and sugars alone during these stages caused high larval mortality. However, fecundity and egg viability were not affected by food shortage during the studied instars.

Key words: biological control, chrysopid, feeding regime, predator.

1. INTRODUÇÃO

A grande preocupação com o meio ambiente tem levado pesquisadores a buscarem métodos de controle de pragas agrícolas que diminuam os impactos sobre os recursos naturais, reduzindo as agressões ao ambiente.

Uma das medidas relaciona-se ao uso do controle biológico de pragas, o qual permite manter as populações abaixo de seus níveis de dano econômico (PAPACEK e SMITH, 1994). Nos vários agroecossistemas, o controle biológico é um processo que ocorre naturalmente, podendo ser efetuado por predadores, parasitóides e entomopatógenos.

Dentre os predadores, os da família Chrysopidae destacam-se como importantes agentes de controle biológico em diferentes culturas anuais e perenes, tanto no campo como em casa de vegetação, sendo considerados inimigos naturais "chave" em muitos programas de Manejo Integrado de Pragas (MIP) (RIDGWAY e MURPHY, 1984), tendo as espécies dos gêneros Chrysopa e Chrysoperla recebido considerável atenção dos pesquisadores (RIBEIRO, 1988).

No Brasil, Chrysoperla externa (Hagen) é vista com grande potencial para o controle de pragas, porém, ainda são escassas as pesquisas sobre a interação desse predador com o agroecossistema (ZHENG et al., 1993a). Tal interação está sujeita a variáveis que podem conduzir o programa de controle biológico ao sucesso ou fracasso

O sucesso dos crisopídeos em programas de MIP vai depender da capacidade de sobrevivência e multiplicação no ambiente em que forem liberados; é sabido que os insetos predadores têm seu potencial reprodutivo e ciclo biológico influenciados pela alimentação. Segundo OLIVEIRA et al. (2002), o predador Podisus nigrispinus (Dallas) (Hemiptera: Pentatomidae) tem seu desenvolvimento e reprodução afetados pela quantidade de presa consumida, sendo a fecundidade o parâmetro mais prejudicado em condições de escassez de alimento.

Dentro da ordem Neuroptera, sabe-se que o ciclo biológico dos crisopídeos e seu potencial como inimigos naturais também recebem influência da quantidade de alimento consumida (CANARD, 1970), entretanto os estudos são escassos. ZHENG et al. (1993a) estudaram a influência do consumo de presas sobre a fecundidade de Chrysoperla carnea Steph (Neuroptera: Chrysopidae) e verificaram que esses insetos têm a duração da fase larval e o desenvolvimento alterado, quando mantidos em condições de abundância da presa.

Estudos precisam ser realizados a fim de verificar como a larva liberada ou aquela recém-eclodida se comporta se não encontrar alimento nas primeiras 24 horas de vida ou como essa larva compensa a restrição de alimento após o 1.° ou 2.° ínstares, quando se alimentou com grande quantidade de presas. Com esses resultados pode-se assegurar qual o melhor momento para a realização de uma liberação, a fim de que o crisopídeo se adapte às condições ambientais desfavoráveis sem afetar sua eficiência no controle de pragas.

O objetivo deste trabalho foi avaliar quais as conseqüências da escassez alimentar no desenvolvimento pós-embrionário e potencial reprodutivo de C. externa em laboratório.

2. MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado em sala climatizada com temperatura de 25 ± 2ºC, umidade relativa de 70 ± 10% e fotofase de 12 horas.

2.1 Criação-estoque de Chrysoperla externa

A criação foi iniciada com adultos coletados em pomares de citros, goiaba e macadâmia, da Fazenda de Ensino e Pesquisa da FCAV/UNESP, Jaboticabal (SP). Utilizou-se a técnica proposta por FREITAS (2001), sendo as larvas alimentadas com ovos de Sitotroga cerealella (Olivier) (Lepidoptera: Gelechiidae).

2.2 Testes de escassez de alimento

Ovos de C. externa (geração F1) provenientes da criação-estoque foram individualizados em frascos de vidro transparente de 2,5 cm de altura e 1,5 cm de diâmetro, com a parte superior vedada com filme plástico. Larvas de 1.°, 2.º e 3.° ínstares receberam alimento apenas uma vez e em diferentes dias de cada ínstar. A alimentação foi oferecida em unidades de alimentação (UA), constituída de discos de cartolina com 6 mm de diâmetro contendo cerca de 200 ovos de S. cerealella, fixados com goma líquida.

Nos períodos em que antecederam ou sucederam os testes nos respectivos ínstares, as larvas receberam como alimento uma, duas e três UA a cada dois dias para o 1.°, 2.º e 3.° ínstares respectivamente.

Foram avaliadas diferentes situações, nas quais foi variado o oferecimento de alimento da seguinte forma: 1) 1 UA somente no primeiro dia; 2) 1 UA somente no segundo dia; 3) 1 UA somente no terceiro dia; 4) 1 UA diariamente (testemunha); 5) Sem alimento e com o fornecimento de água diariamente; 6) Sem alimento e com fornecimento de água e melaço (10%) diariamente. As larvas de 1.º e 2.° ínstares foram submetidas aos testes com 1 UA e as de 3.° ínstar a 2 UA.

Utilizou-se o delineamento inteiramente casualisado, com seis tratamentos e 50 repetições, constituídas pelas larvas de C. externa. As observações foram diárias durante todo ciclo de desenvolvimento das larvas, avaliando-se a duração e a viabilidade de cada ínstar, fases larval e pupal. Após a emergência dos adultos, formaram-se casais, mantidos em gaiolas de criação individuais, a fim de se observar os períodos de pré-oviposição e oviposição, número e viabilidade de ovos.

Os resultados obtidos foram submetidos à análise de variância e as médias, comparadas por meio do teste de Tukey a 5% de probabilidade.

3. RESULTADOS E DISCUSSÃO

3.1 Escassez de alimento durante o primeiro ínstar

a) Duração dos ínstares e da fase pupal

A duração do 1.° ínstar larval foi maior (5,1 dias), quando as larvas de C. externa receberam apenas 1 UA no 2.° dia após a eclosão e foram mantidas em condições de restrição alimentar até a primeira ecdise. Em larvas que receberam 1 UA no 1.° dia após a eclosão e nas que receberam alimento diariamente não se observou diferença quanto à duração desse estádio (Tabela 1). ZHENG et al. (1993a) observaram que larvas de C. carnea, ao receber alimento diariamente, desenvolvem-se mais rapidamente no 1.° ínstar.

NEW (1975) mencionou que larvas neonatas de algumas espécies sobrevivem algumas horas com o que restou do ovo. Para C. carnea, EGGER (1974) e NEW (1975) verificaram que as larvas conseguem sobreviver por 3 a 4 dias na ausência de alimento. No presente trabalho, larvas de C. externa sobreviveram sem alimento em média 2,5 dias, sendo observada 100% de mortalidade no tratamento em que o alimento foi oferecido somente 48 após a eclosão (3.° dia). A mesma taxa de mortalidade das larvas foi observada quando tiveram acesso a apenas água ou água e melaço a 10% durante o 1.° ínstar. Esse fato evidencia que as reservas nutricionais trazidas da fase de ovo não são suficientes para o completo desenvolvimento das larvas de C. externa no 1.° ínstar. Dessa maneira, supõe-se que após a eclosão, larvas de 1.° ínstar de C. externa precisam encontrar alimento no máximo em 48 horas, caso contrário, a eficiência do controle é comprometida, devido à alta mortalidade.

A redução na oferta de alimento durante o 1.° ínstar não afetou o tempo de desenvolvimento do ínstar seguinte. Ao receber 1 UA somente no primeiro ou segundo dia após a eclosão ou ainda, 1 UA diariamente, nos diferentes tratamentos, observaram-se tempos de duração do segundo ínstar semelhantes, ou seja, as larvas de C. externa conseguem recuperar essa falta de alimento e continuar seu desenvolvimento normalmente. O tempo de desenvolvimento no 3.° ínstar variou em função da quantidade de alimento oferecido durante o 1.° ínstar. Nas larvas que receberam 1 UA diariamente durante o 1.° instar, a duração do 3.° instar foi mais curta que naquelas larvas que receberam 1 UA somente no seu primeiro dia de vida (Tabela 1).

A duração do período de pupa foi influenciada pela escassez de alimento durante o 1.° ínstar. Menor tempo de duração dessa fase foi observado no tratamento onde as larvas receberam alimento diariamente. O mesmo ocorreu com a duração da fase larval, a qual variou de 10,6 a 12,1 dias, respectivamente, para os tratamentos em que as larvas se alimentaram diariamente e apenas uma vez no 2.° dia após a eclosão.

b) Sobrevivência larval e pupal

A viabilidade observada nos três ínstares de C. externa foi alta em todos os tratamentos (Tabela 1). Nota-se que no 1.° ínstar, quando as larvas receberam apenas 1 UA 24 horas após a eclosão (2.° dia), ocorreu viabilidade menor, ou seja, apenas 66% das larvas conseguiram passar para o ínstar seguinte. Entretanto, as larvas que foram alimentadas apenas no terceiro dia e aquelas que receberam apenas água ou água e melaço não sobreviveram. Esse fato evidencia que as reservas trazidas da fase de ovo não foram suficientes para a sobrevivência da larva até que encontrasse alimento disponível. Assim, conclui-se que é de grande importância uma alimentação adequada no início do desenvolvimento para a sobrevivência das larvas de C. externa.

Nos demais ínstares, quando as larvas foram mantidas em condições alimentares adequadas, a escassez de alimento durante o 1º ínstar foi suprida e a viabilidade variou de 88 a 100%.

NEW (1975) observou que larvas de Chrysoperla edwardsi Banks (Neuroptera: Chrysopidae), quando criadas em condições de escassez de alimento durante o 1.° ínstar, têm alta mortalidade nos ínstares posteriores, e aquelas que conseguem sobreviver dificilmente atingem o estágio de pupa.

Em estudos com outros insetos predadores, diferentes resultados foram observados. Oliveira et al. (2002), trabalhando com P. nigrispinus, concluíram que sobreviveram 16,7% de ninfas mantidas em escassez total de alimento até atingirem o 3.° ínstar, quando ocorreu 100% de mortalidade. De acordo com os mesmos autores, a sobrevivência das ninfas é maior com o aumento da disponibilidade de alimento para ninfas de 2.° ao 5.° ínstares.

c) Períodos de pré-oviposição, oviposição, número e viabilidade de ovos

Os períodos de pré-oviposição e oviposição de C. externa não diferiram em função dos diferentes tratamentos (Tabela 2). Entretanto, larvas que receberam alimento somente uma vez durante o 1.° ínstar tiveram período de oviposição numericamente maior. Acredita-se então, que, mesmo passando por condições adversas ao seu desenvolvimento durante o 1.° ínstar, os nutrientes armazenados pelas larvas de C. externa nos ínstares posteriores foram suficientes para que machos e fêmeas obtivessem maturidade sexual no tempo esperado.

Quanto à capacidade de oviposição dos adultos de C. externa, não se observou diferença em função dos diferentes tratamentos. Entretanto, nos adultos oriundos de larvas que receberam alimento somente no segundo dia do 1.° ínstar, a capacidade de oviposição tendeu a ser menor (332,7 ovos). Supõe-se que os nutrientes que deveriam ser armazenados durante todo o desenvolvimento larval e, posteriormente usados para a fecundação, foram utilizados anteriormente pelas larvas para suprir a falta de alimento durante o 1.° ínstar, reduzindo assim a fecundidade dos adultos.

Os resultados do presente trabalho concordam com DUELLI (1984), quando afirma que a vitelogênese começa antes da emergência do adulto, através das reservas larvais. A utilização das reservas larvais também é indicada pelo fato de C. carnea produzir aproximadamente 30 ovos em poucos dias, alimentando-se apenas de solução simples de sacarose ou frutose (HAGEN e TASSAN, 1970).

ZHENG et al. (1993 b) mencionaram que larvas bem nutridas deram origem a pupas e adultos maiores; entretanto, esses adultos não produziram mais ovos. Assim, não se sabe se adultos provenientes de larvas mais bem nutridas produzem maior número de ovos pelo fato de terem ingerido maior quantidade de alimento ou se esses insetos desenvolvem maior número de ovários ou oócitos.

A viabilidade de ovos produzidos por adultos oriundos de larvas que sofreram escassez de alimento no 1.° instar não foi afetada, sendo acima de 87%.

3.2 Escassez de alimento durante o segundo ínstar

a) Duração dos ínstares e da fase pupal

A duração do 2.° ínstar de C. externa variou de 2,7 a 4,3 dias em função da escassez de alimento (Tabela 3). Menor tempo de duração desse ínstar foi observado quando as larvas receberam como alimento, após a primeira ecdise, apenas água e melaço, não diferindo do tratamento cuja alimentação foi oferecida diariamente e daquele em que as larvas se alimentaram apenas uma vez no primeiro dia do 2.° ínstar.

Larvas de C. externa que se alimentaram freqüentemente durante o 1.° ínstar conseguiram se desenvolver no 2.° ínstar dentro do tempo esperado mesmo tendo acesso a apenas água e melaço, ou seja, a alimentação adequada durante o 1.° ínstar garante os nutrientes necessários para o desenvolvimento posterior das larvas.

ZHENG et al. (1993 a) observaram em.C. carnea maior tempo de duração do 2.º ínstar somente quando as larvas passaram por privação de alimento nos dois primeiros ínstares. Ainda nesse mesmo estudo, concluiu-se que o desenvolvimento do segundo ínstar larval não só é afetado pelo consumo de presa nessa fase, mas também pelo consumo no ínstar anterior.

NEW (1981) observou em C. edwardsi Banks menor tempo de desenvolvimento nos dois primeiros ínstares, quando as larvas foram mantidas em condições de escassez de alimento.

A duração do 3.° ínstar foi maior nos tratamentos cujas larvas foram alimentadas durante o 2.° dia apenas com água e melaço, não diferindo do tratamento em que receberam alimento somente a partir do terceiro dia. Nas larvas que receberam alimento somente uma vez no primeiro ou no segundo dia durante o 2.° ínstar, houve menor duração do terceiro ínstar, não diferindo daquelas que receberam apenas água como alimento.

Quanto ao 3.° ínstar, NEW (1981) notou tempos de duração muito variáveis, quando as larvas de C. edwardsi passaram por escassez alimentar durante os dois primeiros ínstares.

O completo desenvolvimento das larvas variou de 11,8 a 14,7 dias, sendo menor no tratamento cujas larvas receberam alimento durante o 2.° ínstar somente após a ecdise, diferindo dos tratamentos em que o alimento foi oferecido uma vez no terceiro dia desse estádio e aquele em que as larvas se alimentaram apenas com água e melaço. Esses resultados devem ser considerados em uma criação massal, já que nesse caso é sempre desejável obter-se adultos mais rapidamente, sem comprometer seu desempenho.

Quanto à fase de pupa, a duração foi maior nos tratamentos cujas larvas consumiram durante o 2.° ínstar apenas água ou água e melaço, revelando que esses regimes alimentares não são os mais adequados para C. externa durante o 2.° ínstar.

Pode ser que as larvas em condições adversas acelerem seu desenvolvimento para garantir sua sobrevivência, ou nos casos em que houver escassez, as larvas possam diminuir seu ritmo de desenvolvimento, armazenando energias até o momento em que houver condições mais favoráveis para completar seu desenvolvimento.

b) Sobrevivência larval e pupal

A viabilidade no 2.° ínstar das larvas de C. externa mantidas em escassez de alimento durante esse estádio foi alta em todos os tratamentos, exceto quando tiveram acesso apenas a água ou água e melaço (Tabela 3). Assim, verificou-se que durante o 2.° ínstar, o fornecimento de apenas água e açúcar não é viável em uma criação massal, visto que nessas condições a mortalidade das larvas foi acima de 50%.

NEW (1981), ao estudar C. edwardsi, observou alta mortalidade em larvas dessa espécie, ao passarem por condições de escassez de alimento nos primeiros ínstares. Esse autor verificou que, de 15 larvas que completavam o 1.° ínstar, apenas duas passaram para o ínstar seguinte e nenhuma alcançou a fase de pupa.

Nas larvas que conseguiram sobreviver e completar o 2.° instar, em condições adversas, observou-se alta viabilidade no 3.° ínstar e na fase de pupa. Esses resultados devem estar relacionados ao fato de as larvas terem acesso novamente a alimento após um período de escassez, conseguindo suprir as deficiências de nutrientes durante o ínstar anterior.

c) Períodos de pré-oviposição e oviposição, número e viabilidade de ovos

Apenas o tratamento em que foi oferecido somente água para as larvas durante o 2.° ínstar diferiu dos demais quanto à duração do período de pré-oviposição (Tabela 4). Nesse caso, as fêmeas levaram dez dias para iniciarem a colocação de ovos. Quanto ao período de oviposição, observou-se uma variação de 36 a 70 dias, sendo maior no tratamento cujas fêmeas receberam 1 UA diariamente.

Não foi observada diferença entre os tratamentos quanto ao número de ovos colocados pelas fêmeas de C. externa, quando submetidas a diferentes quantidades de alimento durante o 2.° ínstar, evidenciando que a oviposição não é afetada pela escassez de alimento durante esse estágio de desenvolvimento. Segundo WIGGLESWORTH (1965), a oviposição pode ser influenciada pela alimentação da larva, pois parte das reservas para a formação dos ovos é garantida durante o estágio larval. Fêmeas de P. nigrispinus bem alimentadas colocaram maior número de ovos que aquelas mantidas em condições de escassez de alimento (RUGAMA et al., 1998).

A viabilidade dos ovos foi outro parâmetro em que não houve influência da escassez de alimento durante o 2.° ínstar, sendo alta em todos os tratamentos (acima de 86%).

3.3 Escassez de alimento durante o terceiro ínstar

a) Duração dos ínstares e da fase pupal

Larvas de C. externa que se alimentaram constantemente durante o 1.° e 2.°ínstares e passaram a receber, durante o 3.° instar, alimento única uma vez em diferentes dias tiveram duração desse estádio variando entre 2,5 e 5,4 dias (Tabela 5). Menor duração foi observada no tratamento cujas larvas receberam como alimento apenas água e melaço, seguido do tratamento em que a alimentação foi apenas à base de água. O desenvolvimento larval também foi mais curto nesses tratamentos, sendo de 10,1 e 10,9 dias respectivamente.

ZHENG et al. (1993 b) mencionaram que o tempo de desenvolvimento de larvas de C. carnea, mantidas em condições de escassez de alimento durante o 3.° ínstar larval, foi semelhante àquelas alimentadas normalmente. No presente trabalho, para C. externa observou-se diferença na duração da fase larval em função dos diferentes tratamentos.

O fato de a duração do 3.° ínstar ter sido menor quando as larvas estavam sem ovos de S. cerealella pode estar relacionado à sobrevivência do predador.

As larvas, ao serem mantidas em escassez de alimento, aceleram seu desenvolvimento através das reservas acumuladas durante os ínstares anteriores. Dessa maneira, deixam de estar em condições adversas à sua sobrevivência, pois na fase de pupa não se alimentam.

Quanto à fase de pupa, houve variação de 10,4 a 11,5 dias, sendo o menor tempo de duração observado no tratamento cujas larvas receberam somente água durante o 3.° ínstar, não diferindo daquelas que se alimentaram diariamente e das que receberam água e melaço. Em C. carnea, ZHENG et al. (1993b) observaram que o tempo de duração da fase de pupa foi maior em condições de escassez de alimento.

b) Sobrevivência larval e pupal

Para larvas mantidas com o oferecimento de apenas 2 UA uma única vez e em diferentes dias durante o 3.° ínstar, a viabilidade nos ínstares e pupal foi alta na maioria dos tratamentos (Tabela 5). Apenas no grupo de larvas que recebeu somente água ou água e melaço durante esse instar ocorreu maior mortalidade.

Resultados semelhantes foram observados por NEW (1981) ao estudar C. edwardsi. Esse autor concluiu que para essa espécie, quando mantida durante o 3.° ínstar em condições de escassez de alimento, ocorreu alta mortalidade nesse estádio, sobrevivendo apenas alguns indivíduos que haviam sido muito bem nutridos durante os primeiros dois ínstares.

c) Períodos de pré-oviposição e oviposição

Não houve diferença entre os tratamentos para os períodos de pré-oviposição e oviposição (Tabela 6). Entretanto, em larvas que receberam alimento apenas no primeiro dia do 3.° instar, observou-se maior valor desse parâmetro. Esse fato ocorreu em apenas 50% das fêmeas provenientes desse tratamento, enquanto as demais não ovipositaram.

d) Capacidade de oviposição

Fêmeas provenientes do tratamento cujas larvas receberam alimento apenas no primeiro dia do 3.° ínstar foram as que colocaram maior número de ovos, diferindo apenas do tratamento em que foi oferecido somente água como alimentação (Tabela 6).

A viabilidade dos ovos em todos os tratamentos foi acima de 87%, não havendo diferença entre eles.

4. CONCLUSÕES

1. A escassez de alimento durante o 1.° ínstar pode ser compensada no decorrer do desenvolvimento de C. externa; entretanto, as larvas precisam encontrar alimento nas primeiras 48 horas após a eclosão.

2. A escassez de alimento durante o 2.° e 3.° ínstares de C. externa não afeta parâmetros como a viabilidade nesses estágios e a fecundidade dos adultos.

Recebido para publicação em 22 de julho de 2004 e aceito em 3 de janeiro de 2006.

  • CANARD, M. Incidenses de la valeur alimentaire de divers pucerons (Homoptera: Aphididae) sur le potentiel de multiplication de Chrysopa perla (L.) (Neuroptera: Chrysopidae). Annales de Zoologie Ecologie Animale, Paris, v. 2, n. 3, p. 345-355, 1970.
  • DUELLI, P. In: CANARD, M.; SÉMÉRIA, Y.; NEW, T. R. (Ed.). Biology of Chrysopidae: Oviposition. The Hague: W. Junk, 1984. v. 27, cap. 4, p. 129-133.
  • EGGER, A. The biology and economic importance of Chrysoperla carnea Steph (Neuroptera: Chrysopidae) Berlim: Anzeiger fur Schadlingskunde, Pflazen-und um Weltschutz, 1974. p. 183-189.
  • FREITAS, S. Criação de crisopídeos em laboratório Jaboticabal: Funep, 2001, 20 p.
  • HAGEN, K. S.; TASSAN, R. L. The influence of food wheast and related Saccharomyces fragilis yeast products on the fecundity of Chrysoperla carnea (Neuroptera: Chrysopidae). Canadian Entomologist, Ottawa, v. 86, p. 315-320, 1970.
  • NEW, T. R. The biology of Chrysopidae and Hemerobiidae (Neuroptera), with reference to their usage as biocontrol agents: a review. Transactions of the Royal Entomological Society of London, London, v. 127, n. 2, p.115-140, 1975.
  • NEW, T. R. Aspects of the biology of Chrysopa edwardsi Banks (Neuroptera, Chrysopidae) near Melbourne, Australia. Neuroptera International, Nice, v.1, n.4, p.165-174, 1981.
  • OLIVEIRA, J. E. M.; TORRES, J. B.; CARRANO-MOREIRA, A. F., RAMALHO, F. S. Biologia de Podisus nigrispinus predando lagartas de Alabama argillacea em campo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 37, n. 1, p. 7- 14, 2002.
  • PAPACEK, D.; SMITH, D. Manejo integrado de pragas nos citrus: linhas gerais de um programa comercial de MIP em Quensland, Austrália. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE CITRUS, 3., 1994, Bebedouro. Anais.. Bebedouro, 1994. p. 153-75.
  • RIBEIRO, M. J. Biologia de Chrysoperla externa (Hagen, 1861) (Neuroptera, Chrysopidae) alimentada com diferentes dietas 1988. 131f. Dissertação (Mestrado em Entomologia) Escola Superior de Agricultura de Lavras - ESAL, Lavras.
  • RIDGWAY, R. L.; MURPHY, W. L. In: CANARD, M.; SEMERIA, Y; NEW, T. R. (Eds). Biology of Chrysopidae: Biological control in the field. Hague: W. Junk, v. 27, p. 220-228, 1984.
  • RUGAMA, A. J. M. et al. Efeito do intervalo de alimentação na reprodução e na longevidade do predador Podisus nigrispinus (Dallas) (Heteroptera: Pentatomidae). Anais da Sociedade Entomológica do Brasil, Londrina, v. 27, n.1, p.77-84, 1998.
  • WIGGLESWORTH, V. B. The principles of insect physiology London: Methuen, 1965. p. 723.
  • ZHENG, Y. et al. Influence of larval food consumption on the fecundity of the lacewing Chrysoperla carnea. Entomologia Experimentalis et Applicata, Bristol, v. 67, p. 9-14, 1993 a.
  • ZHENG, Y. et al. Influence of larval dietary supply on the food consumption, food utilization efficiency, growth and development of the lacewing Chrysoperla carnea Entomologia Experimentalis et Applicata, Bristol, v. 67, p.1-7, 1993 b.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    28 Abr 2006
  • Data do Fascículo
    2006

Histórico

  • Aceito
    03 Jan 2006
  • Recebido
    22 Jul 2004
Instituto Agronômico de Campinas Avenida Barão de Itapura, 1481, 13020-902 Campinas SP - Brazil, Tel.: +55 19 2137-0653, Fax: +55 19 2137-0666 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: bragantia@iac.sp.gov.br