Persistent idiopathic facial pain, a diagnosis and treatment of challenge. Case report

Raphael de Souza Borges Durval Campos Kraychete Emilly Leticia Gusmão Borges Valmir Machado de Melo FilhoSobre os autores

RESUMO

Justificativa e objetivos:

A dor facial idiopática persistente é uma doença crônica de origem neuropática cuja etiologia é normalmente desconhecida. É uma condição médica que não responde satisfatoriamente à farmacoterapia. Também é uma doença com grande impacto na qualidade de vida do paciente, e difícil de diagnosticar. O objetivo deste estudo foi reportar o diagnóstico de dor facial idiopática persistente, complexa, a intervenção farmacológica usada e a adoção de práticas integrativas e complementares para o manuseio da dor facial idiopática persistente, além do curso clínico e o impacto dessas ações na qualidade de vida do paciente.

RELATO DO CASO:

Paciente do sexo feminino, 52 anos, diagnosticada há 6 anos como portadora de dor facial idiopática persistente associada a bruxismo e distúrbio temporomandibular. A paciente apresentou-se com queixa de dor orofacial que não atendeu os critérios diagnósticos de distúrbio temporomandibular. A paciente também apresentou dor miofascial e neuralgia do trigêmeo na região esquerda da boca que surgiram depois de um procedimento de tratamento de canal. O plano terapêutico adotado foi pregabalina (450mg) em combinação com cloridrato de venlafaxina (150mg), contínuo. Como medidas adicionais, sessões semanais de acupuntura, terapia com psicólogo, incluindo hipnose e meditação, além de bloqueio do nervo periférico e bloqueio venoso durante as crises e aplicação de toxina botulínica.

CONCLUSÃO:

O plano terapêutico adotado trouxe melhora considerável na qualidade de vida da paciente, evidenciada pela redução da intensidade da dor e pela diminuição na frequência das crises dolorosas. Há necessidade de monitoramento interdisciplinar, por ser uma doença multifatorial, e de capacitação constante nas diversas categorias de profissionais de saúde envolvidos no tratamento da dor facial idiopática persistente, vista ser uma complicação rara e difícil de diagnosticar.

Descritores:
Dor; Dor crônica; Dor facial; Dor facial atípica; Qualidade de vida

Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 937 Cj2 - Vila Mariana, CEP: 04014-012, São Paulo, SP - Brasil, Telefones: , (55) 11 5904-2881/3959 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: dor@dor.org.br