Alterações hemogasométricas e bioquímicas causadas por dietas com alto balanço cátion-aniônico negativo em vacas leiteiras

Josiane de Oliveira Feijó Uriel Secco Londero Camila Pizoni Joao Alveiro Alvarado-Rincón Antônio Amaral Barbosa Eduardo Schmitt Rubens Alves Pereira Francisco Augusto Burkert Del Pino Marcio Nunes Corrêa Sobre os autores

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar indicadores hemogasométricos e metabólicos nas primeiras horas pós-parto de vacas leiteiras, que receberam diferentes dietas cátion-aniônica no pré-parto. Vacas da raça Holandesa Preta e Branca (HPB) (n=14), multíparas, foram divididas em dois grupos: dieta acidogênica (DA -27,13 mEq/100g de MS) (n=7) e dieta neutra (DN -3,25 mEq/100g de MS) (n=7), fornecidas a partir de 30 dias antes da previsão do parto. Amostras de urina foram coletadas a cada três dias após o início da suplementação até o dia do parto, para a verificação do pH. Amostras de sangue foram coletadas às 0, 6, 12, 24, 36, 48, 60 e 72 horas pós-parto, para análises hemogasométricas e bioquímicas. Os animais que receberam DA apresentaram pH urinário menor. A concentração sérica de cálcio total, cálcio ionizado e a incidência de hipocalcemia subclínica não diferiram entre os grupos. Animais que receberam DA apresentaram redução nos níveis sanguíneos de proteínas plasmáticas totais, globulinas, bicarbonato e pH sanguíneo, além de aumento na atividade de paraoxonase-1 (PON-1) e redução na concentração de haptoglobina em relação aos animais da DN. Como conclusão podemos inferir que, dietas acidogênicas podem alterar o pH sanguíneo, interferir na síntese de proteínas, e provavelmente melhorar a capacidade antioxidante.

Palavras-Chave:
ácido-base; hipocalcemia subclínica; hemogasometria; vacas leiteiras

Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com