Ocorrência e fatores de risco associados à identificação da anemia infecciosa equina em equídeos de tração

Occurrence and risk factors associated with identification of equine infectious anemia in traction equidae

Resumos

O objetivo do presente trabalho foi determinar a ocorrência e os fatores de risco associados à identificação da anemia infecciosa equina (AIE) em equídeos de tração na Cidade de São Luís - MA. Amostras de sangue de 154 equídeos apreendidos em vias públicas, pelo Setor de Apreensão de Animais de Tração da Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação, foram coletadas no período de abril a agosto de 2011. Foram analisadas as fichas de atendimento individual para a determinação dos fatores de risco associados a esta enfermidade. Dos animais analisados, 5,20% (8/154) foram positivos. Dentre os fatores de risco avaliados, presença de insetos, permanência dos equídeos em aglomerações por mais de oito horas diárias, condição corporal, estado nutricional, uso repetido de uma mesma agulha entre diferentes equídeos, ocorrência de episódios febris, mucosas amareladas e ausência de conhecimento sobre AIE apresentaram significância estatística (P<0,05) associada à AIE. Os resultados do estudo indicaram que a ocorrência da AIE para equídeos de tração apreendidos na Cidade de São Luís - MA foi baixa. Mesmo assim há a necessidade da realização de diagnóstico sistemático e monitoramento dos animais, além da implantação de medidas de controle, realização de exames sorológicos e implementação da legislação vigente.

asinino; equino; IDGA; Maranhão; muar


The objective of this study was to determine the occurrence and risk factors associated with the identification of equine infectious anemia (EIA) in traction equines in the city of São Luiz - MA. We collected blood samples from 154 equines seized on public roads by the Sector of Animal Traction Seizure of the Municipal Urban Development and Housing Department between April and August of 2011. We analyzed the medical records to determine the individual risk factors associated with this disease. Of the animals tested, 5.20% (8/154) were positive. Among the risk factors evaluated, the presence of insects, permanence of the animals in agglomerations for longer than 8 hours per day, body condition, nutritional status, repeated use of the same needle among different equines, occurrence of febrile episodes, yellowish mucous and lack of knowledge on IEA showed to be statistically significant (P <0.05) associated with the IEA. The study results indicate that the occurrence of the IEA in traction equines in the City of São Luiz - MA was low. Still there is the necessity of systematic diagnosis and monitoring of animals, as well as employment of control measures, serological tests and implementation of current legislation.

asinine; horse; IDGA; Maranhão; mules


  • 1
    Almeida V M A, Gonçalves V S P, Martins M F, Haddad J P A, Dias R A, Leite R C, Reis J K P. Anemia infecciosa equina: prevalência em equídeos de serviço em Minas Gerais.Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. 2006; 58(2): 141-148. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-09352006000200001&script=sci_arttext Português.
  • 2
    CNA. Estudo do complexo agronegócio do cavalo. 2004. Disponível em: <http://www.cepea.esalq.usp.br/pdf/cavalo_resumo.pdf>. Acesso em: 17 de Mar. de 2012.
  • 3
    Karam C H V, Rolim M F, Graça F A S, Aragão A P. Anemia infecciosa equina no estado do Rio de Janeiro: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Revista Eletrônica Novo Enfoque. 2010; 09(09): 01-13. Disponível em: http://www.castelobranco.br/sistema/novoenfoque/files/09/artigos/01.pdf Português.
  • 4
    IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011. Disponível em: http://www.ibge.gov.com.br Acesso em: 17 de Mar. de 2012.
  • 5
    Maranhão R P A, Palhares M S, Melo U P, Rezende H H C, Ferreira, C. Avaliação biométrica do equilíbrio podal de equídeos de tração no município de Belo Horizonte. Ciência Animal Brasileira. 2007; 8(2): 297-305. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/vet/article/view/1354/1410 Português.
  • 6
    Chaves N P, Bezerra D C, Guerra P C, Pereira H de M, Santos H P, Vulcano L C. Lesões Podais em Asininos (EquusAsinus) utilizados em veículos de tração animal na cidade de São Luís, Maranhão. Ciência Animal Brasileira. 2011; 12(2): 365-370. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/cab.v12i2.8953
  • 7
    Bezerra D C, Chaves N P, Guerra P C, Pereira H de M, Santos H P. Pesquisa de aglutininas antileptospira em soros sanguíneos de asininos (Equusasinus) e de condutores de veículos de tração animal na cidade de São Luís, MA, Brasil. Ciência Animal Brasileira. 2010; 11(4): 931-937. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/cab.v11i4.9233
  • 8
    Brasil.Instrução Normativa Número 45, de 15 de junho de 2004, da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: <http://extranet.agricultura.gov.br/sislegisconsulta/consultarLegislacao.do?operacao=visualizar&id=8136>. Acesso em: 15 de Mar. de 2012. Portiguese.
  • 9
    Silva R A M S, Abreu U G P, Barros A T M. Anemia Infecciosa Equina: Epizootiologia, prevenção e controle. [Internet] Embrapa Pantanal. Circular Técnica. 2001; 29: 7-18.Disponível em http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/37568/1/CT29.pdf Português
  • 10
    Van Regenmortel M H, Mayo M A, Fauquet C M, Manillof J. Virusnomenclature: consensus versus chaos. ArchivesofVirology. 2000; 145: 2227-2232.
  • 11
    Maidana N. A, Bassanezi R C. Modelagem da dinâmica da anemia infecciosa equina. Biomatemática. 2011; 21: 87-102. Disponível em: http://www.ime.unicamp.br/~biomat/bio21_art7.pdf Português
  • 12
    Nakajima H, Ushimi C. Immunodiffusion studies of purified equine infectious anemia virus. Infection and Immunity. 1971; 3: 373-377.
  • 13
    Issel C J, Mcmanus J M, Hagius S D, Foil L D, Adams W V Jr, Montelaro R C. Equine infectious anemia: prospects for control. Developments in BiologicalStandartization, Basel. 1990; 72: 49-57.
  • 14
    Barros A T M, Foil L D. Influência da distância na transferência de tabanídeos (Diptera: Tabanidae) entre equinos. Embrapa Pantanal, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 92, 2009, 15p. [Internet] citado em 26 agosto de 2014, disponível em http://www.cpap.embrapa.br/publicacoes/online/BP92.pdf
  • 15
    Souza A O, Salvatti J R Jr, Piccinin A. Anemia Infecciosa Equina. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. 2008; 10. Disponível em: p://api.ning.com/files/ufBwcNx0JhFrG7UTleDM9oHgOrQJt54DL3Y07nE3ksDkYhsPvYS4DV2HsqiV2pZ5XQXats9SMX6v1GlBL09H2QsDwIzOeXSC/Anemiainfecciosaequina.pdf Português.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    15 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Set 2014

Histórico

  • Recebido
    02 Maio 2012
  • Aceito
    27 Ago 2014
Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com