Comparação entre os métodos de extração de metacercárias de Ascocotyle sp (Trematoda: Digenea) dos tecidos de Mugil liza Valenciennes, 1836 (Teleostei: Mugilidae)

Comparison between two methods of metacercariae of Ascocotyle sp (Trematoda: Digenea) extraction from tissues of Mugil liza Valenciennes, 1836 (Teleostei: Mugilidae)

Resumos

Nos últimos anos notou-se considerável aumento na procura e consumo de pescado, além de seus derivados. Contudo, os peixes são hospedeiros ideais de inúmeros parasitas, evidenciando a necessidade de desenvolvimento de novas metodologias de pesquisa para sua detecção. O objetivo do presente trabalho foi comparar a eficácia da extração de metacercárias de Ascocotyle (Trematoda: Digenea) em tecidos viscerais de Mugil liza Valenciennes, 1836 (Teleostei: Mugilidae), mediante duas metodologias: homogeneização por liquidificador ou por mixer. Foram coletadas 26 amostras, sendo 16 amostras de fígado e 10 amostras de tecido muscular de espécimes de M. liza. Cerca de 5g de cada amostra foram processadas pela técnica de homogeneização por liquidificador e pela técnica de homogeneização por mixer para a extração de metacercárias. Em amostras de fígado, até 46 metacercárias foram encontradas na homogeneização em liquidificador. A menor quantidade encontrada foi de 2 metacercárias, para liquidificador e mixer. Em amostras de tecido muscular, observaram-se até 4 metacercárias na extração por mixer. A menor quantidade encontrada em amostras positivas foi de 1 parasita, para liquidificador e mixer. As médias de metacercárias encontradas e extraídas, por liquidificador e mixer, de tecido muscular foram de 0,2 (±0,357) e 1,2 (±0,963), respectivamente. Já as médias de metacercárias encontradas e extraídas, por liquidificador e mixer, do fígado dos peixes foram de 24 (±15,145) e 18 (±8,246), respectivamente. As técnicas de homogeneização, por liquidificador e mixer mostraram-se eficazes para extração de metacercárias dos tecidos de peixes mugilídeos, sugerindo que podem se aplicáveis diretamente no campo de estudo, especialmente pela facilidade de realização do ensaio.

epidemiologia; gestão em saúde; homogeneização; metacercária; Mugil liza


The demand and consumption of fish and their derivatives has increased considerably in recent years. However, fish are ideal hosts of numerous parasites, highlighting the need to develop new research methodologies for its detection. The aim of present study was to compare the efficacy of Ascocotyle metacercariae (Trematoda: Digenea) extraction from visceral tissues of Mugil liza Valenciennes, 1836 (Teleostei: Mugilidae) by two methods: homogenization by blender or mixer. Twenty-six samples of M. liza were collected, being 16 liver samples and 10 samples of muscle tissue. Approximately 5g of each sample were processed by blender and mixer techniques homogenization for metacercariae extraction. In liver samples, up to 46 metacercariae were found in samples homogenized in blender. The lowest amount found was 2 metacercariae for blender and mixer techniques. In samples of muscle tissue, 4 metacercariae were observed in the mixer extraction. The lowest amount was found to be 2 parasites to blender and mixer. The mean metacercariae found and extracted from muscle tissue were 0.2 (+0.357) and 1.2 (+0.963) for blender and mixer, respectively. The averages of metacercariae found and extracted from fish liver, in blender and mixer, were 24 (+15.145) and 18 (+8.246), respectively. The homogenization techniques for blender and mixer were effective for the extraction of metacercariae of mullet fish tissues, suggesting that they may be directly applicable in the field of study, especially due to the ease of testing.

Epidemiology; health management; homogenization; Metacercariae; Mugil liza


  • 1
    Chai J-Y, Darwin Murrell K, Lymbery AJ. Fish-borne parasitic zoonoses: status and issues. International Journal for Parasitology. 2005;35(11):1233–54.
  • 2
    Emmel VE, Inamine E, Secchi C, Brodt TC, Amaro MCO, Cantarelli VV, et al. Diphyllobothrium latum: relato de caso no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2006;39(1):82–4.
  • 3
    Cerdeira RGP, Ruffino ML, Isaac VJ. Consumo de pescado e outros alimentos pela população ribeirinha do lago grande de Monte Alegre, PA. Brasil. Acta Amazonica. 1997;27(3):213–28.
  • 4
    Nomura I. O futuro da pesca e da aquicultura marinha no mundo. Ciênc Cult. 2010;62(3):28–32.
  • 5
    FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations). The state of world fisheries and aquaculture. 2014. Disponível em http://www.fao.org/3/a-i3720e.pdf
  • 6
    Cavalli R, Ferreira J. O futuro da pesca e da aquicultura marinha no Brasil: a maricultura. Ciênc Cult. 2010;62(3):38–9.
  • 7
    Poulin R, Morand S. The diversity of parasites. Quarterly Review of Biology. 2000;277–93.
  • 8
    Oliveira SAL. Pesquisa de helmintos em musculatura e serosa abdominal de peixes de importância comercial capturados no litoral norte do Brasil [Dissertação (Mestrado em Ciência Animal)]. Belém: Universidade Federal do Pará; 2005. Available from: http://cienciaanimal.ufpa.br/pdfs/CA_Ciencia_Animal/CA_SILVIO_ABNER_LAMEIRA_DE_OLIVEIRA.pdf
  • 9
    Semenas L, Kreiter A, Urbanski J. New cases of human diphyllobothriosis in Patagonia, Argentine. Revista de Saúde Pública. 2001;35(2):214–6.
  • 10
    Silva ML da, Matté GR, Matté MH. Aspectos sanitários da comercialização de pescado em feiras livres da cidade de São Paulo, SP/Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2008;67(3):208–14.
  • 11
    Chieffi PP, Leite OH, Dias RMDS, Torres DMAV, Mangini ACS. Human parasitism by Phagicola sp (Trematoda, Heterophyidae) in Cananéia, São Paulo State, Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. 1990;32(4):285–8.
  • 12
    Chieffi PP, Gorla MCO, Vieira Torres D, Souza Dias R, Mangini ACS, Monteiro AV, et al. Human infection by Phagicola sp.(Trematoda, Heterophyidae) in the municipality of Registro, São Paulo State, Brazil. Journal of tropical medicine and hygiene. 1992;95(5):346–8.
  • 13
    Okumura MPM, de Pérez ACA, Espíndola Filho A. Principais zoonoses parasitárias transmitidas por pescado-revisão. Revista de Educação Continuada em Medicina Veterinária e Zootecnia [Internet]. 1999;2(2). Available from: http://revistas.bvs-vet.org.br/recmvz/article/view/3386
  • 14
    Menezes NA. Guia prático para conhecimento e identificação das tainhas e paratis (Pisces, Mugilidae) do litoral brasileiro. Revista Brasileira de Zoologia. 1983;2(1):1–12.
  • 15
    Menezes NA, De Oliveira C, Nirchio M. An old taxonomic dilemma: the identity of the western south Atlantic lebranche mullet (Teleostei: Perciformes: Mugilidae). Zootaxa. 2010;2519:59–68.
  • 16
    Citti AL. Tainhas (Mugil liza valenciennes, 1836) infectadas por Ascocotyle (Phagicola) longa em São Paulo: ocorrência, importância na saúde pública, estratégias de controle e sua representatividade cultural. [Dissertação (Mestrado em Epidemiologia Experimental Aplicada a Zoonose)]. São Paulo: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo. Available from: http://www.sovergs.com.br/site/38conbravet/resumos/363.pdf
  • 17
    Oliveira SA de, Blazquez FJH, Antunes SA, Maia AAM. Ascocotyle (Phagicola) longa Ransom, 1920 (Digenea: Heterophylidae) metacercariae, in Mugil platanus in estuarin of Cananéia, SP, Brazil. Ciência Rural. 2007;37(4):1056–9.
  • 18
    Simões SBE, Barbosa HS, Santos CP. The life cycle of Ascocotyle (Phagicola) longa (Digenea: Heterophyidae), a causative agent of fish-borne trematodosis. Acta tropica. 2010;113(3):226–33.
  • 19
    Bush AO, Lafferty KD, Lotz JM, Shostak AW. Parasitology meets ecology on its own terms: Margolis et al. revisited. The Journal of Parasitology. 1997;575–83.
  • 20
    Martin Bland J, Altman D. Statistical methods for assessing agreement between two methods of clinical measurement. The lancet. 1986;327(8476):307–10.
  • 21
    Hirakata VN, Camey SA. Análise de concordância entre métodos de Bland-Altman. Revista HCPA. 2009;29(3):261-268.
  • 22
    Almeida-Dias ER, Woiciechovski E. Ocorrência da Phagicola longa (Trematoda: Heterophyidae) em mugilídeos e no homem, em Registro e Cananéia, SP. Hig Alim. 1994;8:43–6.
  • 23
    Galván-Borja D, Olivero-Verbel J, Barrios-García L. Occurrence of Ascocotyle (Phagicola longa Ransom, 1920 (Digenea: Heterophyidae) in Mugil incilis from Cartagena Bay, Colombia. Veterinary parasitology. 2010;168(1):31–5.
  • 24
    Antunes SA, Almeida Dias E. Phagicola longa (Trematoda: Heterophyidae) em mugilídeos estocados resfriados e seu consumo cru em São Paulo–SP. Higiene Alimentar. 1994;8(31):41.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    15 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Set 2014

Histórico

  • Aceito
    16 Jul 2014
  • Recebido
    04 Fev 2014
Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com