Frequência de suplementação proteico-energética sobre as variáveis ruminais, ingestão e digestibilidade em novilhos recebendo feno de baixa qualidade

Marcella Cândia D'Oliveira Fábio Arguelo Biberg Gabriela Facholi Bomfim Maria da Graça Morais José Mauro Diogo Gumercindo Loriano Franco Sobre os autores

Resumo

Objetivou-se avaliar o efeito da redução na frequência de suplementação proteico-energética sobre o consumo de nutrientes, degradabilidade e digestibilidade da forragem, assim como o pH e concentração de nitrogênio amoniacal (N-NH3) ruminal em bovinos de corte recebendo feno de baixa qualidade. Foi utilizado o delineamento quadrado latino de 4 x 4. Quatro bovinos foram alimentados com feno de baixa qualidade e submetidos aos seguintes tratamentos: sem suplementação (controle); suplementação com 0,82% do peso corporal (PC), três vezes por semana (3x); 0,49% do PC, cinco vezes por semana (5x); e 0,35% do PC sete vezes por semana (7x). O uso do suplemento proteico-energético aumentou a ingestão de matéria seca (MS), PB (proteína bruta), FDN (Fibra em detergente neutro), EE (extrato etéreo), CNF (carboidratos não fibrosos) e os coeficientes de digestibilidade da PB, EE e CNF. Entretanto, não foram observadas diferenças na degradação da MS e FDN do feno entre os tratamentos. A suplementação não alterou o pH ruminal, mas a concentração de nitrogênio amoniacal (N-NH3) foi maior no tratamento 7x. A redução na frequência de suplementação proteico-energética diária para 3x ou 5x não afetou negativamente o consumo, digestibilidade e degradabilidade dos nutrientes em bovinos de corte recebendo feno de baixa qualidade.

Palavras chave:
produção de bovinos; degradabilidade dos nutrientes; pH ruminal; amônia ruminal; nitrogênio

Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com