Análises coproparasitológicas de aves silvestres cativas

Coproparasitological analysis of captive wild birds

Alessandra Snak Paola Fernanda Lenzi Kira Maria Agostini Luis Eduardo Delgado Cleuza Rocha Montanucci Marivone Valentim Zabott Sobre os autores

Resumos

Na maioria dos casos de parasitismo em aves cativas não há expressão de sinais clínicos. Esse fato aponta a importância da realização de exames parasitológicos frequentes nesses animais. O objetivo do presente trabalho foi realizar exames coproparasitológicos para monitorar as infecções parasitárias nas aves cativas no Parque Municipal Danilo Galafassi (Zoológico Municipal de Cascavel-PR), projeto aprovado pela Comissão de Ética e Bem-estar Animal (CEBEA) do Campus Palotina-UFPR, protocolo nº 29/2010. Foram analisadas 228 amostras de fezes de 37 espécies de aves cativas, provenientes de 22 recintos, no período de agosto de 2010 a julho de 2012. As fezes refrigeradas foram analisadas por meio dos métodos de flutuação de Willis-Mollay e de sedimentação simples de Hoffmann, Pons e Janer. Das amostras analisadas, 127 (55,7%) foram positivas e, destas, 55 (43,3%) apresentaram infecção mista. Os parasitos encontrados pertencem aos gêneros Strongyloides, Eimeria, Capillaria, Deletrocephalus e Isospora, às superfamílias Strongyloidea, Ascaroidea e Spiruroidea, à ordem Trichurida e à classe Cestoda. Os resultados dos exames dos recintos de Jabiru mycteia (tuiuiú) e Cariama cristata (seriema) foram negativos, em todo o período avaliado. Medidas higiênico-sanitárias e de controle da circulação de animais e pessoas foram instituídas para minimizar a infecção das aves, porém são necessárias novas análises para avaliação do impacto das mesmas.

aves cativas; diagnóstico parasitológico; zoológico


In most instances of parasitism in captive birds there is no expression of clinical signs. This fact underscores the importance of performing frequent parasitological examinations in these animals. The aim of this study was to do a coproparasitological analysis to monitor parasitic infections in captive birds in Danilo Galafassi Municipal Park (Municipal Zoo of Cascavel-PR), project approved by the Committee of Ethics and Animal Welfare (CEBEA) Campus Palotina-UFPR, protocol nº 29/2010. A total of 228 fecal samples were analyzed from 37 species of captive birds from 22 enclosures in the period from August 2010 to July 2012. Chilled feces were analyzed through flotation methods of Willis-Mollay and simple sedimentation of Hoffmann, Pons and Janer. Out of the analyzed samples, 127 (55.7%) were positive and among these 55 (43.3%) presented mixed infection. The parasites that were found belonged to the genus Strongyloides, Eimeria, Capillaria, Deletrocephalus and Isospora, the superfamilies Strongyloidea, Ascaroidea and Spiruroidea, the order Trichurida and the class Cestoda. The examinations results of the enclosure of Jabiru mycteia (tuiuiú) and Cariama cristata (seriema) were negative throughout the study period. Hygienic-sanitary measures and movement control measures of animals and people circulation were introduced to minimize bird's infection, but it requires further analysis to assess their impact.

captive birds; parasitological diagnosis; zoo


  • 1
    Geraghty V, Mooney J, Pike K. A study of parasitic infections in mammals and birds at the Dublin Zoological Garden. Veterinary Research Communications. 1982. 5: 343–348.
  • 2
    Costa IA, Coelho CD, Bueno C, Ferreira I, Freire RB. Ocorrência de parasitos gastrintestinais em aves silvestres no município de Seropédica, Rio de Janeiro, Brasil. Ciência Animal Brasileira. 2010. 11 (4): 914-922
  • 3
    Katagiri S, Oliveira-Sequeira TCG. Zoonoses causadas por parasitas intestinais de cães e o problema do diagnóstico. Arquivos do Instituto Biológico. 2007. 74(2): 175-184.
  • 4
    Ippen R, Kojojed V, Jira J. Toxoplasmosis in Zoo animals. Folia Parasitologica. 1981. 28:109-115.
  • 5
    Freitas MFL, Oliveira JB, Cavalcanti MDB, Leite AS, Magalhães VS, Oliveira RA, Sobrino AE. Parasitos gastrointestinales de aves silvestres em cautiverio em El estado de Pernambuco, Brasil. Parasitologia Latinoamericano. 2002. 57 (1-2): 50-54.
  • 6
    Portal Do Municipio De Cascavel. Parques. 2010. [cited 2012 abr 20]. Available from: <http://www.cascavel.pr.gov.br/secretarias/semdec/sub_pagina.php?id=258>
  • 7
    Muller GCK, Greinert JÁ, Silva Filho HH. Frequência de parasitas intestinais em felinos mantidos em zoológicos. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. 2005. 57 (4): 559-561.
  • 8
    Marietto-Gonçalves GA, Martins TF, Lima ET De, Lopes RS, Filho RL. A. Prevalência de endoparasitas em amostras fecais de aves silvestres e exóticas examinadas no laboratório e ornitopatologia e no laboratório de enfermidades Parasitárias da FMVZ Unesp/Botucatu, SP. Ciência Animal Brasileira. 2009. 10 (1): 349-354.
  • 9
    Vicente JJ, Rodrigues HO, Gomes DC, Pinto RM. Nematoides no Brasil – Parte IV: Nematoides de Aves. Revista Brasileira de Zoologia. 1995.12 (1): 1 – 27.
  • 10
    Freitas MFL, Oliveira JB, Cavalcanti MDB, Leite AS, Magalhães VS, Oliveira RA, Sobrino E. Parasitologia Latinoamericana. 2002. 57: 50 – 54.
  • 11
    Figueiredo MAP, Santos ACG, Guerra RMSNC. Ectoparasitos de animais silvestres no Maranhão. Pesquisa Veterinária Brasileira. 2010. 11 (30): 988-990.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    22 Jan 2015
  • Data do Fascículo
    Dez 2014

Histórico

  • Recebido
    09 Ago 2013
  • Aceito
    07 Jul 2014
Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com