Trabalho e sofrimento psíquico na estratégia saúde da família: uma perspectiva Dejouriana

Work and psychic suffering in the family health strategy: a Dejouriana's perspective

Resumos

O presente trabalho propõe uma análise teórica do constructo "sofrimento psíquico" do trabalhador na Estratégia Saúde da Família (ESF). Para isso, optou-se pelo uso da teoria da psicodinâmica do trabalho do autor Christophe Dejours, visando a uma articulação entre a teoria e os aspectos da práxis do modelo de reorientação da atenção primária no Brasil. Nesse aspecto, a análise da saúde mental dos trabalhadores inseridos na linha de frente da atenção à saúde mostra-se de suma importância, uma vez que pode auxiliar na construção de propostas avaliativas que superem perspectivas tradicionais e excludentes, indicando caminhos para a superação de entraves nas políticas públicas, a fim de que seja oferecido aos usuários serviço satisfatório na Atenção Básica. Ainda, foi possível por meio dessa articulação teórica permitir uma ampliação acerca das possibilidades de falar sobre o trabalho, ser escutado, exercitar a mobilização subjetiva e buscar a transformação das condições patogênicas, esperando causar um reflexo direto na organização do trabalho.

saúde da família; saúde mental; saúde do trabalhador


This paper proposes a theoretical construct of "mental suffering" of the worker at the Family Health Strategy (FHS). To this end, we opted for using the theory of the psychodynamics of work from the author Christophe Dejours, seeking a link between theory and practice aspects of the reorientation of primary care model in Brazil. In this sense, the analysis of the workers' mental health employed at the health care forefront appears to be of paramount importance, since it can assist in building evaluation proposals that go beyond traditional and exclusionary perspectives, indicating ways to overcome barriers in public policies, so that it is offered satisfactory service to users in Primary Care. Still, it was possible through this theoretical articulation allow an expansion about the possibilities of talking about work, be heard, to exercise subjective mobilization and seek the transformation of pathogenic conditions, hoping to cause a direct reflection on the organization of work.

family health; mental health; occupational health


  • 1
    Antunes R. As formas de padecimento no trabalho. Saúde Soc. 2008;17(4):7-10.
  • 2
    Martines WRV, Chaves EC. Vulnerabilidade e sofrimento no trabalho do Agente Comunitário de Saúde no PSF. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2007;41(1):426-33.
  • 3
    Ministério da Saúde. A implantação da Unidade de Saúde da Família. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde/Departamento de Atenção Básica; 2000.
  • 4
    Abrahão JI, Torres CC. Entre a organização do trabalho e o sofrimento: o papel da mediação da atividade. Revista Produção. 2004;14(3):67-76.
  • 5
    Dejours C. O fator humano. Rio de Janeiro: Editora da FGV; 1997.
  • 6
    Dejours C. A psicodinâmica do trabalho na pós-modernidade. In: Mendes AM, Lima SCC, Facas EP (editors). Diálogos em Psicodinâmica do Trabalho. Brasília: Paralelo; 2007.
  • 7
    Mendes AM. Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2007.
  • 8
    Dejours C, Abdoucheli E, Jayet C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas; 1994.
  • 9
    Oliveira SF, Albuquerque FJB. Programa de Saúde da Família: uma análise a partir das crenças dos seus prestadores de serviço. Psicologia Social. 2006;20(2):39-43.
  • 10
    Rocha AAM, Trad. Bonfim, LA. A trajetória profissional de cinco médicos do Programa Saúde da Família: os desafios de construção de uma nova prática. Interface Comun Saúde Educ. 2005;9(17):303-16.
  • 11
    Silva IZQJ, Trad. Bonfim, LA. O trabalho em equipe no PSF: investigando a articulação técnica e a interação entre os profissionais. Interface Comun Saúde Educ. 2005;9(16):25-38.
  • 12
    Nascimento MS, Nascimento MAA. Prática da enfermeira no Programa de Saúde da Família: a interface da vigilância da saúde versus as ações programáticas em saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(2):333-45.
  • 13
    Dejours C. A loucura do trabalho: estudos em psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez/Oboré; 1987.
  • 14
    Mendes AM. Aspectos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. Psicologia Ciência e Profissão. 1995; 1(3):34-8.
  • 15
    Araújo MBS, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(2):455-64.
  • 16
    Vieira ET, Borges MJL, Pinheiro SEM, Nuto SAS. O programa de saúde da família sob o enfoque dos profissionais de saúde. RBPS. 2004; 17(3):119-26.
  • 17
    Kilztajn S. Programa de Saúde da Família. Rev Ass Med Bras. 2001;47(4):285-6.
  • 18
    Peduzzi M. Equipe multiprofissional de saúde: Conceito e tipologia. Rev Saúde Pública. 2001;35(1):103-9.
  • 19
    Kupfer MC. Freud e a Educação. 3.ed. São Paulo: Scipione; 2000.
  • 20
    Hallack FS, Silva CO. A reclamação nas organizações do trabalho: estratégia defensiva e evocação do sofrimento. Psicologia Social. 2005;17(3):74-9.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    05 Maio 2015
  • Data do Fascículo
    2013

Histórico

  • Recebido
    26 Set 2012
  • Aceito
    28 Nov 2013
Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Avenida Horácio Macedo, S/N, CEP: 21941-598, Tel.: (55 21) 3938 9494 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@iesc.ufrj.br