Análise da taxa de utilização e perda de vacinas no programa nacional de imunização

Analysis of the utilization rate and loss of vaccines in the national immunization program

Resumos

O Programa Nacional de Imunização (PNI) brasileiro é uma referência nos programas de imunização preventiva no mundo. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar a distribuição de vacinas no PNI, bem como as perdas de doses nas Unidades Básicas de Saúde de um município da região metropolitana de Curitiba (PR). Foi realizado um estudo exploratório retrospectivo referente ao período de 2007 a 2010, a partir dos dados disponíveis nos subsistemas do PNI na Secretaria Municipal de Saúde. Foram distribuídas no município 2.101.103 doses de vacinas, em que 591.053 (28,13%) foram aplicadas, com perda técnica de 1.447.829 (68,91%) e perda física de 62.221 (2,96%) doses, totalizando 71,96% de perdas. Os resultados sugerem alta perda técnica de vacinas e alteração de algumas condutas, como redução da aquisição de frascos multidoses com grande número de doses, financiamento de pesquisas que criem vacinas menos termolábeis e utilização de frascos com monitores para medir a exposição das vacinas ao calor.

programas de imunização; vacinas; imunização


The Brazilian National Immunization Program (NIP) is a reference in preventive immunization programs in the world. Thus, the aim of this study was to analyze the distribution of vaccines in the NIP, as well as losses of doses in the Basic Health of a municipality in the metropolitan region of Curitiba, Paraná, Brazil. We conducted an exploratory study for the period from 2007 to 2010, from the data available in the NIP subsystems in the Municipal Health Department. In the municipality, 2,101,103 doses of vaccines were distributed; of these, 591,053 (28.13%) were applied, with loss technique of 1,447,829 (68.91%) and physical loss of 62,221 (2.96%) doses, with 71.96% of total losses. The results suggest high technical loss of vaccines and changing of some behaviors, as reduction of acquiring multi-dose vials with a large number of doses, funding research to create vaccines less thermolabile and using vials with monitors for measuring exposure to heat vaccines.

immunization programs; vaccines; immunization


  • 1
    Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações - 30 anos. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.
  • 2
    Vasconcelos KCE, Rocha SA, Ayres JA. Avaliação normativa das salas de vacinas na rede pública de saúde do Município de Marília, Estado de São Paulo, Brasil, 2008-2009. Epidemiol. Serv. Saúde. 2012;21(1):167-76.
  • 3
    Nóbrega AA, Teixeira MAS, Lanzieri TM. Avaliação do Sistema de Informação do Programa de Imunizações (SI-API). Cad Saúde Colet. 2010;18(1):145-53.
  • 4
    Feijó RB, Sáfadi MA. Imunizações: três séculos de uma história de sucessos e constantes desafios. J Pediatr (Rio J). 2006;82(3 Suppl.):S1-S3.
  • 5
    Homma A, Martins RM, Leal MLF, Freire MS, Couto AR. Atualização em vacinas, imunizações e inovação tecnológica. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(2):445-58.
  • 6
    Luna GLM, Vieira LJES, Souza PF, Lira SVG, Moreira DP, Pereira AS. Aspectos relacionados à administração e conservação de vacinas em centros de saúde no nordeste do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(2):513-21.
  • 7
    Souza VEC, Lira MRS, Gomes RIB. Avaliação do funcionamento das salas de vacina na rede básica de saúde de São Luís. Florence em Revista. 2011;1(1):1-10.
  • 8
    Bahia. Secretaria da Saúde. Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Coordenação do Programa Estadual de Imunizações. Manual de procedimento para vacinação. Salvador: DIVEP; 2011. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).
  • 9
    Aranda CMS, Moraes JCD. Rede de frio para a conservação de vacinas em unidades públicas do município de São Paulo: conhecimento e prática. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(2):172-185.
  • 10
    Moraes JC, Barata RCB, Ribeiro MCSA, Castro PC. Cobertura vacinal no primeiro ano de vida em quatro cidades do Estado de Sao Paulo, Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2000;8(5):332-41.
  • 11
    Melo GKM, Oliveira JV, Andrade MS. Aspectos relacionados à conservação de vacinas nas unidades básicas de saúde da cidade do Recife-Pernambuco. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(1):26-33.
  • 12
    Organização Mundial da Saúde. Termoestabilidade das vacinas. In: Programa Global para Vacinas e Imunizações. Genebra: OMS; 1998.
  • 13
    Moraes JC, Ribeiro MCS, Simões O, Castro PC, Barata RB. Qual é a cobertura vacinal real? Epidemiol Serv Saúde. 2003;12(3):147-53.
  • 14
    Rey LC. Oportunidades perdidas de vacinação em um hospital infantil de Fortaleza. J Pediatr (Rio J). 1996;72(1):9-13.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Jul 2015
  • Data do Fascículo
    2013

Histórico

  • Recebido
    03 Dez 2012
  • Revisado
    02 Dez 2013
Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Avenida Horácio Macedo, S/N, CEP: 21941-598, Tel.: (55 21) 3938 9494 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@iesc.ufrj.br