Tendência da incidência de câncer do colo do útero invasor em quatro capitais brasileiras: dados dos registros de câncer de base populacional, 1990-2004

Trends in incidence of cancer of the cervix intruder in four Brazilian cities: data from population-based cancer registries, 1990-2004

Andréia Rodrigues Gonçalves Ayres Gulnar Azevedo e Silva Raphael Mendonça Guimarães Sobre os autores

Resumos

Os Registros de Câncer de Base Populacional (RCBP) coletam sistematicamente dados de serviços de diagnóstico e tratamento de pacientes por câncer, fornecendo assim dados de incidência de câncer. No Brasil, os primeiros RCBP surgiram em Recife e São Paulo na década de 1960, e atualmente existem 28 distribuídos entre capitais e demais cidades pelo país. O objetivo do estudo é Analisar a tendência das taxas de incidência do câncer do colo do útero com base nos dados de RCBP selecionados. Foram acessados os dados disponibilizados no site do Instituto Nacional de Câncer (INCA) dos RCBP de Fortaleza, Porto Alegre, Recife e São Paulo, para obtenção do número de casos para neoplasia maligna do colo do útero, neoplasia do útero porção não especificada e carcinoma in situ do colo do útero por idade. Foram utilizados os denominadores populacionais informados pelo Ministério da Saúde (Datasus). Foram calculadas as taxas específicas por idade para os grupos etários estratificados de 25 a 34, 35 a 49 e 50 a 59 anos. A tendência foi analisada por regressão polinomial. Os períodos com informações disponíveis de 1990 a 2004 variaram de 7 a 13 anos. A análise gráfica mostrou menor regularidade para Recife. A tendência de incidência para o câncer do colo do útero foi declinante e pode ser, parcialmente, explicada em função do tempo entre mulheres de 35 a 59 anos em Fortaleza (CID-10 C53: 35 a 49 anos ß=-9.11, p<0,001 e 50 a 59 anos ß=-4.53, p=0.02) e São Paulo (CID-10 C53: 35 a 49 anos ß=-4.83, p=0.04 e 50 a 59 anos ß=-4.49, p<0.001). A tendência de incidência de câncer de útero - porção não especificada - mostrou decréscimo entre mulheres de 35 a 59 anos na cidade de Porto Alegre (35-49 anos: p=0.032; 35 a 49 anos: p=0.004 ). A análise da tendência do carcinoma in situ do colo do útero foi crescente em todas as cidades e grupos etários estudados, com exceção de Recife. A regularidade e a cobertura dos RCBP podem interferir na qualidade das estimativas de incidência, porém mesmo com essas limitações, as informações geradas por eles podem ser relevantes para o monitoramento do câncer. A queda observada do câncer invasor e o crescimento do carcinoma in situ em Porto Alegre e Fortaleza podem indicar resultados positivos das ações de rastreamento para o câncer do colo do útero nessas cidades.

neoplasias do colo do útero; séries temporais; epidemiologia; incidência


Cancer Registries Population-Based (RCBP) systematically collect data on diagnostic services and treatment of cancer patients thus providing data on cancer incidence. In Brazil, the first PBCR appeared in Recife and São Paulo in the 1960s, and currently there are 28 distributed between capital and other cities across the country. The aim of the study was to analyze trends in incidence rates of cancer of the cervix based on the data selected PBCR. We accessed the data available at the site of the National Cancer Institute (NCI) of the PBCR of Fortaleza, Porto Alegre, Recife and Sao Paulo to obtain the number of cases for malignant neoplasm of the cervix, cancer of the uterus and unspecified part carcinoma in situ of the cervix by age. We used population denominators informed by the Ministry of Health (Datasus). We calculated age-specific rates for age groups stratified were 25-34, 35-49 and 50-59 years. The trend was analyzed by polynomial regression. Periods with information available from 1990 to 2004 ranged from 7 to 13 years. The graphical analysis showed less regularity to Recife. The trend of incidence for cancer of the cervix has been declining and may be partly explained as a function of time among women 35 to 59 years in Fortaleza (ICD-10 C53: 35 to 49 years ß=-9.11, p<0.001 and 50 to 59 years ß=-4.53, p=0.02) and São Paulo (ICD-10 C53: 35 to 49 years ß=-4.83, p=0.04 and 50 to 59 years ß=-4.49, p<0.001). The trend of incidence of cervical cancer - unspecified part - showed decrease among women 35 to 59 years in Porto Alegre (35 to 49 years: p=0.032; 35-49 years: ß=-1.74, p=0.004). The trend analysis of carcinoma in situ of the cervix has been increasing in all cities and age groups studied, with the exception of Recife. The frequency and coverage of the PBCR can interfere with the quality of the estimates of incidence, but even with these limitations, the information generated by them may be relevant to the monitoring of cancer. The observed decrease of invasive cancer and carcinoma in situ growth in Porto Alegre and Fortaleza may indicate positive results of the actions of screening for cancer of the cervix in these cities.

uterine cervical neoplasms; time series studies; epidemiology; incidence


  • 1
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Manual de rotinas e procedimentos para registros de câncer de base populacional. Rio de Janeiro: INCA, 2006.
  • 2
    Brasil. Ministério da Saúde. Registro de Cáncer en Brasil. Organización Panamericana de Salud. Boletín Epidemiológico. 1983;4(4):13-4.
  • 3
    Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Câncer no Brasil. Dados dos Registros de Base Populacional. Histórico. 2003. [cited 2012 Mar 29]. Available from: http://www.inca.gov.br/regpop/2003/index.asp?link=conteudo_view.asp&ID=13
  • 4
    Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estatísticas do Câncer. Registros de Câncer de Base Populacional. Nota técnica. 2009. [cited 2010 Feb 28]. Available from: http://www1.inca.gov.br/cgi/sisbasepop.asp
  • 5
    Grupo de Registros e de Epidemiologia de Língua Latina. Estatutos 2006. [cited 2012 Feb 10]. Available from: http://www.grell-network.org/home-1/grell_pt/quem-somos/estatuto
  • 6
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. A situação do câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2006.
  • 7
    Kligerman J. Registro hospitalar de câncer no Brasil. Revista Bras Cancerol. 2001;47(4):357-9.
  • 8
    Ferlay J, Shin HR, Bray F, Forman D, Mathers C, Parkin DM. GLOBOCAN 2008 v 1.2. Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC CancerBase No. 10 [Internet]. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2010. [cited 2012 Jan 11]. Available from: http://globocan.iarc.fr
  • 9
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2011.
  • 10
    Azevedo e Silva G, Girianelli VR, Gamarra CJ, Bustamente-Teixeira MT. Evolução da mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil, 1981-2006. Cad Saúde Pública. 2010;26(12):2399-407.
  • 11
    Muñoz N, Bosch FX, Sanjosé S, Herrero R, Castellsagué X, Shah K, Snijders PJF, Meijer CJLM. Epidemiologic classification of human papillomavirus types associated with cervical cancer. New Eng J Med. 2003; 348(6):518-27.
  • 12
    Walboomers JM, Jacobs MV, Manos MM, Bosch FX, Kummer JA, Shah KV, Snijders PJ, Peto J, Meijer CJ, Muñoz N. Human papillomavirus is a necessary cause of invasive cervical cancer worldwide. J Pathol. 1999;189(1):12-9.
  • 13
    Ayres ARG, Azevedo e Silva G. Prevalência de infecção do colo do útero pelo HPV no Brasil: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2010;44(5):963-74.
  • 14
    Gamarra CJ, Valente JG, Azevedo e Silva G. Correção da magnitude da mortalidade por câncer do colo do útero no Brasil. Rev Saúde Pública. 2010;44(4):629-38.
  • 15
    Moura L, Curado MP, Simões EJ, Cezário AC, Urdaneta M. Avaliação do Registro de Câncer de Base Populacional do Município de Goiânia, Estado de Goiás, Brasil. Epidemiol Serv Saúde. 2006;15(4):7-17.
  • 16
    Reis RS, Santos MO, Thuler LCS. Incidência de tumores pediátricos no Brasil. Revista Bras Cancerol. 2007;53(1):5-15.
  • 17
    Organização Mundial da Saúde. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde: CID-10. Décima revisão. Tradução do Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. 10 ed. São Paulo: EDUSP, 2009.
  • 18
    Latorre MRDO, Cardoso MRA. Análise de séries temporais em epidemiologia: uma introdução sobre os aspectos epidemiológicos. Rev Bras Epidemiol. 2001;4(3):145-52.
  • 19
    Bustamante-Teixeira MT, Faerstein E, Mariotto A, Britto AV, Moreira Filho DC, Latorre MRDO. Sobrevida em pacientes com câncer gástrico em Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(8):1611-8.
  • 20
    Vale DBAP, Morais SS, Pimenta AL, Zeferino LC. Avaliação do rastreamento do câncer do colo do útero na Estratégia Saúde da Família no Município de Amparo, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(2):383-90.
  • 21
    Arregi MMU. Registro Hospitalar de Câncer: Cinco Anos de Experiência no Instituto do Câncer do Ceará, Brasil. Rev Bras Cancerol. 2000;46(4):377-87.
  • 22
    Curado MP, Edwards B, Shin HR, Storm H, Ferlay J, Heanue M, Boyle P. Cancer Incidence in Five Continents, Vol. IX. IARC Scientific Publications No. 160. Lyon: IARC, 2007.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Jul 2015
  • Data do Fascículo
    Set 2013

Histórico

  • Recebido
    12 Abr 2012
  • Aceito
    28 Jul 2012
Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Avenida Horácio Macedo, S/N, CEP: 21941-598, Tel.: (55 21) 3938 9494 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@iesc.ufrj.br
Accessibility / Report Error