Avaliação da completitude dos instrumentos de investigação do óbito infantil no município de Arapiraca, Alagoas

Evaluation of completeness of instruments for research on child death in the city of Arapiraca, Alagoas

Simone Fonseca Caetano Lygia Carmen de Moraes Vanderlei Paulo Germano de Frias Sobre os autores

Resumos

OBJETIVO: Avaliar a completitude dos instrumentos de investigação do óbito infantil no nível municipal. MÉTODOS: Estudo avaliativo, descritivo da completitude e grau de preenchimento das fichas de investigação de óbitos não fetais de menores de um ano residentes em Arapiraca, Alagoas (outubro de 2009 a dezembro de 2010). Para cada variável calculou-se percentual de completitude (Epi-Info v. 3.4.2) e grau de preenchimento. RESULTADOS: Dos 81 óbitos existentes, 54,32% foram investigados através da ficha domiciliar e 8,64, 7,41 e 3,70% através das fichas ambulatorial, hospitalar e síntese, respectivamente. O grau de preenchimento global de cada ficha foi considerado ruim, variando de 70,34% (ambulatorial) a 76,12% (domiciliar) CONCLUSÃO: As investigações do óbito infantil não foram realizadas satisfatoriamente, evidenciando obstáculos no processo de implantação das fichas de investigação. Apesar do pequeno número de casos, o ineditismo quanto à avaliação de um novo instrumento pode contribuir na legitimação do sistema de vigilância do óbito em consolidação no País.

avaliação em saúde; avaliação de programas e instrumentos de pesquisa; sistemas de informação em saúde


OBJECTIVE: To evaluate the completeness of the instruments for research of infant death at the municipal level. METHODS: Evaluative study, descriptive of completeness and degree of filling in the research forms of deaths of infants under one year of age, non-fetal, from Arapiraca, Alagoas (October 2009 to December 2010). For each variable, we calculated the percentage of completeness (Epi-Info v. 3.4.2) and degree of completion RESULTS: Of the 81 existing deaths, 54.32% were investigated through the home sheet and 8.64, 7.41 and 3.70% of the through outpatient, hospital and synthesis sheets, respectively. The overall degree of completion of each sheet was considered in bad form, ranging from 70.34% (outpatient) to 76.12% (home) CONCLUSION: The investigations of infant death were not performed satisfactorily, showing obstacles in the process of deploying the research sheets. Despite the small number of cases, the novelty regarding the evaluation of a new instrument can contribute to the legitimacy of surveillance of death in consolidation in the country.

health evaluation; evaluation of research of programs and tools; health information systems


  • 1
    Lima CR, Schramm JM, Coeli CM, Silva ME. Revisão das dimensões de qualidade dos dados e métodos aplicados na avaliação dos sistemas de informação em saúde. Cad Saúde Pública. 2009;25(10):2095-109.
  • 2
    Jorge MH, Laurenti R, Gotlieb SL. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência de implantação do SIM e do SINASC. Ciênc Saúde Coletiva. 2007;12(3):643-54.
  • 3
    Costa JM, Frias PG. Avaliação da completitude das variáveis da declaração de óbitos de menores de um ano residentes em Pernambuco, 1997-2005. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(Suppl 1):1267-74.
  • 4
    Costa JM, Frias PG. Avaliação da completitude das variáveis da Declaração de Nascido Vivo de residentes em Pernambuco, Brasil, 1996 a 2005. Cad Saúde Pública. 2009;25(3):613-24.
  • 5
    Oliveira ME, Soares MR, Costa MC, Mota EL. Avaliação da completitude dos registros de febre tifóide notificados no Sinan pela Bahia. Epidemiol Serv Saúde. 2009;18(3):219-26.
  • 6
    Vanderlei LC, Arruda BK, Frias PG, Arruda S. Avaliação da qualidade de preenchimento das declarações de óbito em unidades terciária de atenção à saúde materno-infantil. Inf Epidemiol SUS. 2002;11(1):7-14.
  • 7
    Victora CG, Aquino EM, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet. 2011;377(9780):1863-76.
  • 8
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Ministério da Saúde; 2004. 60 p.
  • 9
    Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas. Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Coordenação Geral de Informação e Análise Epidemiológica. Manual de Vigilância do Óbito infantil e fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito Infantil e Fetal. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.
  • 10
    Frias PG, Lira PI, Vidal SA, Vanderlei LC. Vigilância de óbitos infantis como indicador da efetividade do sistema de saúde - estudo em um município do interior do Nordeste brasileiro. J Pediatr. 2002;78(6):509-16.
  • 11
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 72, de 11 de janeiro de 2010. Estabelece que a vigilância do óbito infantil e fetal é obrigatória nos serviços de saúde (públicos e privados) que integram o Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 2010 Jan 12, Seção 1: 29-31.
  • 12
    Santana IP, Santos JM, Costa JR, Oliveira RR, Orlandi MH, Mathias TA. Aspectos da mortalidade infantil, conforme informações da investigação do óbito. Acta Paul Enferm. 2011;24(4):556-62.
  • 13
    Mathias TA, Assunção AN, Silva GF. Óbitos infantis investigados pelo Comitê de Prevenção da Mortalidade Infantil em região do Estado do Paraná. Rev Esc Enferm USP. 2008;42(3):445-53.
  • 14
    IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável - Brasil 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. (Estudos e pesquisas: Informação geográfica, 7).
  • 15
    Romero DE, Cunha CB. Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cad Saúde Pública. 2006;22(3):673-84.
  • 16
    Jorge MH, Laurenti R, Nubila HB. O óbito e sua investigação. Reflexões sobre alguns aspectos relevantes. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(4):561-76.
  • 17
    Santana M, Aquino R, Medina MG. Efeito da Estratégia Saúde da Família na vigilância dos óbitos infantis. Rev Saúde Pública. 2012;46(1):59-67.
  • 18
    Mansano NH, Mazza VA, Soares VM, Araldi MA, Cabral VL. Comitês de prevenção da mortalidade infantil no Paraná, Brasil: implantação e operacionalização. Cad Saúde Pública. 2004;20(1):329-32.
  • 19
    Formigli VL, Silva LM, Cerdeira AJ, Pinto CM, Oliveira RS, Caldas AC, Vilas Boas MJ, Fonseca AC, Souza LS, Silva LR, Paes Md. Avaliação da atenção à saúde através da investigação de óbitos infantis. Cad Saúde Pública. 1996;12(Suppl 2):33-41.
  • 20
    Siqueira FN, Vanderlei LC, Mendes MF. Evaluation of National Subsystem of Hospitalar Epidemiologic Surveillance in the State of Pernambuco, Brazil. Epidemiol Serv Saúde. 2011;20(3):307-16.
  • 21
    Frias PG, Mullachery PH, Giugliani ER. Políticas de Saúde direcionadas às crianças brasileiras: breve histórico com enfoque na oferta de serviços de saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2008: 20 anos do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2009. p. 85-110.
  • 22
    Soares JA, Horta FM, Caldeira AP. Avaliação da qualidade das informações em declarações de óbitos infantis. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2007;7(3):289-95.
  • 23
    Macente LB, Zandonade E. Avaliação da completude do Sistema de Informação sobre Mortalidade por suicídio na região Sudeste, Brasil, no período de 1996 a 2007. J Bras Psiquiatr. 2010;59(3):173-81.
  • 24
    Vasconcellos MM, Gribel EB, Moraes IH. Registros em saúde: avaliação da qualidade do prontuário do paciente na atenção básica, Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(Suppl 1):S173-82.
  • 25
    Barrêto IC, Pontes LK, Corrêa L. Vigilância de óbitos infantis em sistemas locais de saúde: avaliação da autópsia verbal e das informações de agentes de saúde. Rev Panam Salud Publica. 2000;7(5):303-12.
  • 26
    Campos D, França E, Loschi RH, Souza MF. Uso da autópsia verbal na investigação de óbitos com causa mal definida em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2010;26(6):1221-33.
  • 27
    Medina MG, Aquino R, Carvalho AL. Avaliação da Atenção Básica: construindo novas ferramentas para o SUS. Divulg Saúde Debate. 2000;(21):15-28.
  • 28
    Stuque CO, Cordeiro JA, Cury PM. Avaliação dos erros ou falhas de preenchimento dos atestados de óbito feitos pelos clínicos e pelos patologistas. J Bras Patol Med Lab. 2003;39(4):361-4.
  • 29
    Frias PG, Vidal SA, Pereira PM, Lira PI, Vanderlei LC. Avaliação da notificação de Óbitos Infantis ao Sistema de Informações sobre Mortalidade: um estudo de caso. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2005;5(Suppl 1):S43-52.
  • 30
    Jorge MH, Laurenti R, Gotlieb SL. Avaliação dos Sistemas de Informação em Saúde no Brasil. Cad Saúde Colet. 2010;18(1):7-18.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Jul 2015
  • Data do Fascículo
    Set 2013

Histórico

  • Recebido
    30 Jul 2013
  • Aceito
    05 Set 2013
Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Avenida Horácio Macedo, S/N, CEP: 21941-598, Tel.: (55 21) 3938 9494 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@iesc.ufrj.br
Accessibility / Report Error