Accessibility / Report Error

Saúde do trabalhador nos estudos de impactos de refinarias de petróleo

Health worker in studies of impacts oil refinery

José Marcos da Silva Lia Giraldo da Silva Augusto Idê Dantas Gurgel Sobre os autores

Resumos

Este artigo apresenta a análise da saúde do trabalhador no licenciamento de refinarias de petróleo no Brasil. Utilizou-se a análise documental partindo de um marco referencial que inter-relaciona saúde do trabalhador e refino de petróleo, levantando-se 30 conteúdos de saúde do trabalhador a serem verificados nos Estudo de Impactos Ambientais (EIA). Desenvolveu-se o indicador de grau de inserção (GI), segundo as dimensões: incipiente, insuficiente, intermediário ou avançado. Identificou-se o grau de inserção incipiente (GI incipiente - 0 a 20%) para o EIA REFINE e o EIA COMPERJ, e insuficiente para o EIA REPLAN (GI insuficiente - 25 a 45%). Em relação ao grau de inserção total, o EIA REPLAN apresentou o grau insuficiente (30%), seguido do EIA COMPERJ e do EIA REFINE, que apresentaram o grau incipiente (13%; 23%). Ante os resultados encontrados, sugere-se fortemente a inserção de conteúdos de saúde do trabalhador nos EIAs de refinarias como estratégia de vigilância em saúde e controle de riscos.

saúde do trabalhador; vigilância em saúde do trabalhador; trabalhadores


This article presents the analysis of occupational health in the licensing of oil refineries in Brazil. The documentary analysis was applied starting from a reference point that interrelates worker health and oil refining, rising 30 contents employee health to be checked in EIA. An indicator of the degree of integration (DI) was developed, according to the dimensions: incipient, insufficient, intermediate or advanced. The degree of incipient insertion (DI incipient - 0 to 20%) was identified for the EIA REFINE and COMPERJ and insufficient for EIA REPLAN (DI insufficient - 25 to 45%). Regarding to the degree of full insertion, the EIA REPLAN presented insufficient degree (30%), followed by the EIA COMPERJ and EIA REFINE which presented the incipient degree (13%, 23%). Face these results, the insertion of worker health contents in EIA refineries is strongly recommended as a strategy for health surveillance and risk control.

occupational health; surveillance of the workers health; workers


  • 1
    Augusto LGS. Aviso aos navegantes. In: Augusto LGS, editor. Saúde do trabalhador no desenvolvimento humano local: ensaios em Pernambuco. Recife: Ed. Universitária UFPE; 2009. p. 17-9.
  • 2
    Nehmy RMQ, Dias EC. Os caminhos da saúde do trabalhador: para onde apontam os sinais? Revista Médica de Minas Gerais. 2010;20(2):S5-S12.
  • 3
    Brasil. Ministério da Saúde. Competência da Saúde na área de saúde ambiental: análise sobre as necessidades de inclusão de mecanismos legais complementares aos já existentes nas Leis 8.080/90 e 8.142/90. Parecer jurídico. Consultor: Paulo Affonso Leme Machado. Brasília, 2004; p. 1-70.
  • 4
    Brasil. Cartilha de licenciamento ambiental. Brasília: Tribunal de Contas da União; 2007.
  • 5
    Organização Panamericana de Saúde. Manual Básico de Avaliação do Impacto no Ambiente e na Saúde. México: OPAS; 1996.
  • 6
    Organização Mundial de Saúde. Health impact assessment as part of strategic environmental Assessment. Geneva: Regional Office for Europe, 2001.
  • 7
    Brasil. Conselho Federal de Economia [Internet]. Recursos do PAC privilegiam o setor energético [citado em 6 ago. 2010]. Disponível em: http://www.cofecon.org.br
  • 8
    Freitas CM, Porto MFS, Gomes CM. Acidentes químicos ampliados: um desafio para a saúde pública. Rev Saúde Pública. 2001;21(2):503-14.
  • 9
    Souza CAV, Freitas CM. Perfil dos acidentes de trabalho em refinaria de petróleo. Rev Saúde Pública. São Paulo. 2003;36(5):576-83.
  • 10
    Barbosa FL. Regulamentação do reuso da água em refinaria: análise do modelo americano e perspectivas para o cenário nacional [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2007.
  • 11
    Mariano JB. Impactos ambientais do refino de petróleo [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2001.
  • 12
    Sevá Filho AO. Problemas intrínsecos e graves da expansão mineral, metarlúgica, petrolífera e hidroelétrica nas Amazônias. In: Zhouri A, Laschefski K, editors. Desenvolvimento e conflitos ambientais. Belo Horizonte: Ed. UFMG; 2010. p. 114-47.
  • 13
    Augusto LGS. Estudo das alterações morfológicas (medula óssea) em portadores de neutropenia secundária à exposição ao benzeno [tese]. Campinas (SP): Universidade de Campinas; 1991.
  • 14
    Augusto LGS. Exposição ocupacional a organoclorados em indústria química de Cubatão-Estado de São Paulo: avaliação do efeito clastogêncio pelo Teste de Micronúcleos [tese]. Campinas (SP): Universidade de Campinas; 1995.
  • 15
    Ferreira LL, Iguti AM. O trabalho dos petroleiros: perigoso, complexo, contínuo e coletivo. São Paulo: Scritta; 1996.
  • 16
    Cancio JA. Inserção das questões de saúde no estudo do impacto ambiental. 2008 [Dissertação]. Brasília (DF): Universidade Católica de Brasília; 2008.
  • 17
    Porto MFS, Milanez B. Eixos de desenvolvimento econômico e geração de conflitos socioambientais no Brasil: desafios para a sustentabilidade e a justiça social. Ciên Saúde Coletiva. 2009;14(6):1983-1994.
  • 18
    Silva JM, Gurgel AM, Gurgel IDG, Augusto LGS. A inter-relação saúde, trabalho e ambiente no licenciamento da refinaria do nordeste. Tempus: Actas de Saúde Coletiva. 2009;4(4):72-83.
  • 19
    Augusto LGS. A exposição a solventes clorados e o princípio da precaução. In: Augusto LGS, editor. Saúde do Trabalhador no Desenvolvimento Humano Local: ensaios em Pernambuco. Recife: Ed. Universitária UFPE; 2009. p. 26-47.
  • 20
    Porto MFS. Uma Ecologia Política dos Riscos: princípios para integrarmos o local e o global na promoção da saúde e da justiça ambiental. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz; 2007.
  • 21
    Rattner H. Ambiente, Desenvolvimento e Crescimento. In: Augusto LGS, editor. Saúde do Trabalhador e Sustentabilidade do Desenvolvimento local: ensaios em Pernambuco. Recife: Ed. Universitária UFPE; 2009. p. 90-9.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Jul 2015
  • Data do Fascículo
    Set 2013

Histórico

  • Recebido
    24 Jun 2013
  • Aceito
    04 Set 2013
Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro Avenida Horácio Macedo, S/N, CEP: 21941-598, Tel.: (55 21) 3938 9494 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernos@iesc.ufrj.br