Produtividade de canola sob diferentes frequências de irrigação e doses de nitrogênio na região do Cerrado Brasileiro

Arthur Carniato Sanches Eder Pereira Gomes Edéria Pereira Gomes Azevedo Sobre os autores

RESUMO

No Cerrado brasileiro, a canola está sendo cultivada na estação seca, sendo que durante este período a precipitação não é suficiente para garantir o máximo rendimento da cultura, por isso há necessidade de irrigação. A canola tem uma alta demanda de nitrogênio, portanto, a aplicação deste nutriente é essencial para a obtenção de um bom rendimento. Assim, foi realizado um estudo na Universidade Federal de Grande Dourados, em 2012 e 2013, utilizando-se um delineamento de blocos ao acaso com quatro repetições, os tratamentos na parcela composta por três frequências de irrigação (sem irrigação, irrigação semanal e irrigação três vezes por semana). As subparcelas receberam diferentes doses de nitrogênio: 0, 30, 60, 90 e 120 kg ha-1 em 2012; E 0, 60, 120, 180 e 240 kg ha-1 em 2013. Em ambos os períodos, as frequências de irrigação afetaram significativamente a altura da planta, o peso seco, o rendimento de grãos, o peso de mil grãos e o teor de óleo. Os níveis de nitrogênio afetaram significativamente o peso seco, o peso de mil grãos e o teor de óleo em 2012, assim como a altura da planta, o número de vagens, o peso seco, o rendimento de grãos e o rendimento de óleo em 2013. Os maiores rendimentos foram obtidos quando a irrigação foi realizada três vezes por semana, correspondendo a 3.001,84 kg ha-1 em 2012 e 2.516,7 kg ha-1 em 2013.

Termos para indexação:
Brassica napus L.; sementes oleaginosas; tensiometria

Editora da UFLA Editora da UFLA, Caixa Postal 3037 - 37200-900 - Lavras - MG - Brasil, Telefone: 35 3829-1115 - Lavras - MG - Brazil
E-mail: revista.ca.editora@ufla.br