Perfil de ácidos graxos de microalgas cultivadas com dióxido de carbono

Fatty acids profile of microalgae cultived with carbon dioxide

Resumos

As microalgas são consideradas fontes potenciais de diversos compostos químicos. Os ácidos graxos obtidos da biomassa podem apresentar efeitos terapêuticos em humanos e podem ser usados para produção de biodiesel. Objetivou-se, neste trabalho verificar o conteúdo lipídico e o perfil dos ácidos graxos das microalgas Spirulina sp., Scenedesmus obliquus, Chlorella kessleri e Chlorella vulgaris cultivadas em diferentes concentrações de dióxido de carbono e bicarbonato de sódio. A microalga Chlorella kessleri cultivada com 12% de CO2 apresentou a maior concentração de lipídios na biomassa seca (9,7% p/p). A máxima concentração de ácidos graxos insaturados foi 72,0% (p/p) para C. vulgaris cultivada com 12% de CO2. Para os ácidos graxos saturados o maior valor encontrado foi 81,6% (p/p), quando a microalga Spirulina sp. foi cultivada com 18% de CO2 e 16,8 g.L-1 de bicarbonato de sódio.

Chlorella; fatty acids; lipids; Scenedesmus; Spirulina


Microalgae have a great potential as a source of several chemical compounds. The fatty acids have shown therapeutic effects and used to produce biodiesel. The aim of this work was to verify the lipid contents and the fatty acids profile of the microalga Spirulina sp., Scenedesmus obliquus, Chlorella kessleri and Chlorella vulgaris cultived in different carbon dioxide and sodium bicarbonate concentrations. The microalgae Chlorella kessleri cultived with 12% CO2 showed the highest lipid content in the dry biomass (9.7% p/p). The maximum unsaturated fatty acids concentration was 72.0% (p/p) to C. vulgaris in the culture with 12% CO2. The highest saturated fatty acids value was 81.6% (p/p) when microalga Spirulina sp. was cultived with 18% CO2 and 16.8 g.L-1 sodium bicarbonate.

Chlorella; fatty acids; lipids; Scenedesmus; Spirulina


CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

Perfil de ácidos graxos de microalgas cultivadas com dióxido de carbono

Fatty acids profile of microalgae cultived with carbon dioxide

Michele Greque de MoraisI; Jorge Alberto Vieira CostaII

IEngenheira de Alimentos, Doutoranda – Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Ciência de Alimentos – Fundação Universidade Federal do Rio Grande/FURG – Engenheiro Alfredo Huch, 475 – Centro – Cx. P. 475 – 96201-900 – Rio Grande, RS – migreque@yahoo.com.br

IIEngenheiro de Alimentos, Doutor em Engenharia de Alimentos, Professor – Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Ciência de Alimentos – Fundação Universidade Federal do Rio Grande/FURG – Engenheiro Alfredo Huch, 475 – Centro – Cx. P. 475 – 96201-900 – Rio Grande, RS – dqmjorge@furg.br

RESUMO

As microalgas são consideradas fontes potenciais de diversos compostos químicos. Os ácidos graxos obtidos da biomassa podem apresentar efeitos terapêuticos em humanos e podem ser usados para produção de biodiesel. Objetivou-se, neste trabalho verificar o conteúdo lipídico e o perfil dos ácidos graxos das microalgas Spirulina sp., Scenedesmus obliquus, Chlorella kessleri e Chlorella vulgaris cultivadas em diferentes concentrações de dióxido de carbono e bicarbonato de sódio. A microalga Chlorella kessleri cultivada com 12% de CO2 apresentou a maior concentração de lipídios na biomassa seca (9,7% p/p). A máxima concentração de ácidos graxos insaturados foi 72,0% (p/p) para C. vulgaris cultivada com 12% de CO2. Para os ácidos graxos saturados o maior valor encontrado foi 81,6% (p/p), quando a microalga Spirulina sp. foi cultivada com 18% de CO2 e 16,8 g.L-1 de bicarbonato de sódio.

Termos para indexação: Ácidos graxos, Chlorella, lipídios, Scenedesmus, Spirulina.

ABSTRACT

Microalgae have a great potential as a source of several chemical compounds. The fatty acids have shown therapeutic effects and used to produce biodiesel. The aim of this work was to verify the lipid contents and the fatty acids profile of the microalga Spirulina sp., Scenedesmus obliquus, Chlorella kessleri and Chlorella vulgaris cultived in different carbon dioxide and sodium bicarbonate concentrations. The microalgae Chlorella kessleri cultived with 12% CO2 showed the highest lipid content in the dry biomass (9.7% p/p). The maximum unsaturated fatty acids concentration was 72.0% (p/p) to C. vulgaris in the culture with 12% CO2. The highest saturated fatty acids value was 81.6% (p/p) when microalga Spirulina sp. was cultived with 18% CO2 and 16.8 g.L-1 sodium bicarbonate.

Index terms:Chlorella, fatty acids, lipids, Scenedesmus, Spirulina.

INTRODUÇÃO

As microalgas têm sido estudadas em pesquisas biotecnológicas devido a sua importância nutricional, econômica e ecológica (COSTA et al., 2006). Muitas microalgas são utilizadas para produção de alimentos por produzirem diversas substâncias, como vitaminas, sais minerais, pigmentos, lipídios e ácidos graxos. As principais aplicações dos ácidos graxos de microalgas são no enriquecimento de rações para peixes, possibilidade de uso para produção de biodiesel e fonte de ácidos graxos essenciais na dieta humana.

Elevados índices de colesterol no sangue podem conduzir a doenças coronarianas, sendo a redução deles associada ao menor consumo de ácidos graxos saturados e aumento dos ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs) na alimentação (COZZA & COSTA, 2000). Em adultos, o aumento do consumo de ácido 5,8,11,14,17-eicosapentaenóico (EPA) tem sido associado à redução dos riscos de aterosclerose, cânceres, trombose e pressão alta (WEN & CHEN, 2003; WILLIS et al., 1998). Anualmente, a demanda de EPA alcança 300 ton, por isso métodos como seleção de microalgas com alto redimento desse ácido graxo, melhoramento de linhagens através de manipulação genética e otimização das condições de cultivo têm sido investigados (WEN & CHEN, 2003).

O conteúdo e a composição dos lipídios e ácidos graxos em microalgas podem ser influenciados por fatores como luz, temperatura, concentração da fonte de nitrogênio e concentração de dióxido de carbono. Illman et al. (2000) mostraram que a deficiência de nitrogênio influenciou o cultivo de Chlorella, aumentando seu conteúdo lipídico em 63%. O estudo dos efeitos da adição de dióxido de carbono (CO2), no crescimento e metabolismo de microalgas é estimulado pela necessidade de redução da emissão desse gás na atmosfera. As microalgas têm sido estudadas para biofixação de CO2 desde que foi demostrada sua capacidade de adaptação a altas concentrações desse gás, além de utilizá-lo no processo de fotossíntese. Segundo Carvalho & Malcata (2005), a produção de ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs) da microalga Pavlova lutheri foi otimizada combinando a intensidade da luz e a concentração de CO2.

O objetivo deste trabalho foi verificar o conteúdo lipídico e o perfil gás cromatográfico dos ácidos graxos das microalgas Scenedesmus obliquus, Chlorella vulgaris, Chlorella kessleri e Spirulina sp., cultivadas em diferentes concentrações de dióxido de carbono e bicarbonato de sódio.

MATERIAL E MÉTODOS

As microalgas Spirulina sp. LEB 18, Scenedesmus obliquus LEB 22, Chlorella vulgaris LEB 12 e Chlorella kessleri LEB 15 (MORAIS & COSTA, 2007a,b) foram utilizadas neste estudo. Para manutenção do inóculo e cultivo foi utilizado meio Zarrouk (ZARROUK, 1966) para Spirulina sp., meio MC (WATANABE, 1960) para Scenedesmus obliquus e meio MBM (WATANABE, 1960) para Chlorella vulgaris e Chlorella kessleri. Para os ensaios com a microalga Spirulina sp. foram utilizados 2 inóculos. Um dos inóculos foi mantido em meio Zarrouk e o outro em meio Zarrouk modificado (MORAIS & COSTA, 2007b), preparado sem fonte de carbono.

As microalgas foram cultivadas em fotobiorreatores tipo erlenmeyer de 2L com volume útil 1,8L. A aeração foi realizada misturando ar comprimido ao CO2 através de um cilindro industrial (White Martins - Brasil), com vazão de 0,3 VVM e concentrações de CO2 variando em 0,038; 6, 12 e 18% (v/v). A iluminância foi 3200 Lux fornecida por lâmpadas fluorescentes tipo luz do dia (General Eletric, 40 W). Os cultivos tiveram duração de 20 dias e concentração inicial de biomassa 0,15 g.L-1. O aparato experimental foi mantido em câmara termostatizada a 30ºC, com fotoperíodo 12 h claro/escuro (COSTA et al., 2006).

Ao final dos cultivos, as amostras foram centrifugadas, secas em estufa a 50ºC e moídas. Os lipídios foram extraídos de acordo com o método de Folch & Lees (1957) e a determinação gravimétrica dos lipídios foi feita após nova secagem a 50ºC.

A esterificação dos lipídios, para obtenção dos metil-ésteres dos ácidos graxos, foi conduzida de acordo com a metodologia proposta por Metcalfe & Schimitz (1966). A determinação de ácidos graxos foi realizada em cromatógrafo a gás modelo Varian – 3400CX, equipado com detector de ionização de chama e coluna de sílica fundida contendo fase estacionária de polietileno glicol, com 30 m de comprimento e 0,32 mm de diâmetro. O gás de arraste foi nitrogênio a 0,5 mL.min-1. As temperaturas do injetor e do detector foram 250 e 280ºC, respectivamente. A temperatura inicial da coluna foi 100ºC e, a seguir, houve aumento de 8ºC.min-1 até 230ºC, permanecendo por 20 min. Os ácidos graxos foram identificados pela comparação dos tempos de retenção com padrões e quantificados por normalização de áreas.

Os padrões de ácidos graxos utilizados (Sigma Supelco) foram ácido hexanóico (C6:0), ácido octanóico (C8:0), ácido decanóico (C10:0), ácido undecanóico (C11:0), ácido duodecanóico (C12:0), ácido tetradecanóico (C14:0), ácido cis-9-tetradecenóico (C14:1), ácido hexadecanóico (C16:0), ácido cis-9-hexadecenóico (C16:1), ácido heptadecanóico (C17:0), ácido 8-heptadecanóico (C17:1), ácido octadecanóico (C18:0), ácido trans-9-octadecaenóico (C18:1), ácido cis-9-octadecenóico (C18:1), ácido cis-9, trans-11-octadecaenóico (C18:2), ácido cis-9, cis-12-octadecadienóoico (C18:2), ácido 9,12,15-octadecatrienóico (C18:3), ácido 6,9,12-octadecatrienóico (C18:3), ácido eicosanóico (C20:0), ácido cis-9-eicosenóico (C20:1), ácido 8,11-eicosadienóico (C20:2), ácido 5,8,11-eicosatrienóico (C20:3), ácido docosanóico (C22:0), ácido 5,8,11,14,17-eicosapentanóico (C20:5), ácido cis-13-docosenóico (C22:1), ácido tetracosanóico (C24:0), ácido cis-15-tetracosenóico (C24:1).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Na Tabela 1, apresentam-se as concentrações de lipídios, ácidos graxos insaturados (AGI), ácidos graxos poliinsaturados (PUFA) e (ω3 + ω6), em relação ao total dos ácidos graxos analisados (AGT) e na Tabela 2, apresenta-se o teor de ácidos graxos determinados para cada ensaio realizado com as microalgas Spirulina sp., S. obliquus, C. vulgaris e C. kessleri.

A C. kessleri apresentou os maiores teores lipídicos na biomassa seca comparado às demais microalgas, alcançando valores de 9,7 e 7,8% (p/p) nos ensaios com adição de 12 e 18% de CO2, respectivamente. Para C. vulgaris a concentração de lipídios na biomassa seca variou de 3,0 a 4,6% (p/p). Em cultivo de Chlorella sp. HA-1 realizado com ar enriquecido com 10% de CO2 o conteúdo lipídico alcançou 18,4% (YANAGI et al., 1995). As microalgas apresentaram menor conteúdo lipídico nos ensaios com 0,038% de CO2, com exceção da S. obliquus. Essa microalga apresentou maior conteúdo lipídico (5,3%), no ensaio com 0,038% de CO2, seguido de 4,9% no cultivo com 18% de gás.

A Spirulina sp., cultivada sem bicarbonato de sódio, apresentou maior conteúdo lipídico que a Spirulina sp. com bicarbonato e diferentes concentrações de CO2, sendo a máxima concentração de lipídios 6,1%, com adição de 6% CO2. A Spirulina sp., cultivada com bicarbonato de sódio, C. kessleri e C. vulgaris apresentaram o maior conteúdo lipídico nos cultivos com 12% de gás. Araújo & Garcia (2005), observaram que o conteúdo lipídico da microalga Chaetoceros cf. wighamii não sofreu influência da adição de dióxido de carbono, entretanto Chu et al. (1996) observaram incremento na concentração lipídica, quando os cultivos foram enriquecidos com 5% (v/v) de CO2.

Na Tabela 2, observa-se que, nos ensaios 1 (Spirulina sp., 0,038% de CO2, sem bicarbonato), 5 (Spirulina sp., 0,038% de CO2, 16,8 g.L-1 de bicarbonato), 6 (Spirulina sp., 6% de CO2, 16,8 g.L-1 bicarbonato), 11 (S. obliquus, 12% de CO2) e 12 (S. obliquus, 18% de CO2), o ácido hexadecanóico (ácido palmítico) (C16:0) foi o ácido graxo de maior concentração: 36,6; 46,4; 35,4; 37,0 e 26,3%, respectivamente. Esses resultados foram compatíveis aos encontrados em trabalhos anteriores, onde o ácido palmítico foi determinado como predominante (COLLA et al., 2004; DESHNIUM et al., 2000; OLGUÍN et al., 2001). Segundo Makulla (2000), a microalga S. obliquus apresentou concentração de ácido palmítico (C16:0) entre 35,86 e 43,06% e de ácido 5,8,11,14,17-eicosapentaenóico (C20:5, EPA) variando de 0 a 1,66%. No presente estudo, essa microalga apresentou valores entre 15,3 e 37,0% de ácido palmítico e máximo de 2,1% para EPA. O ácido palmítico é importante fonte de energia na alimentação infantil, pois o leite materno contém de 20 a 30% desse ácido graxo. No entanto, em adultos, ácidos graxos saturados têm sido associados com o aumento do risco de doenças cardiovasculares (WILLIS et al., 1998). Em cultivo realizado por Yanagi et al. (1995) com Chlorella sp. HA-1 os ácidos graxos, em maior quantidade, foram ácido palmítico (14,2%), ácido linoléico (13,4%) e ácido linolênico (26,5%).

Os ensaios 7 (Spirulina sp., 12% de CO2 e 16,8 g.L-1 bicarbonato), 12 (S. obliquus, 18% de CO2), 13 (C. kessleri, 0,038% de CO2), 17 (C. vulgaris, 0,038% de CO2), 19 (C. vulgaris, 12% de CO2) e 20 (C. vulgaris, 18% de CO2) apresentaram as maiores concentrações de ácido 6,9,12-octadecatrienóico (ácido γ-linolênico, C18:3, GLA), com valores de 9,1; 15,6; 18,9; 14,1; 14,3 e 9,6%, respectivamente. As maiores concentrações de ácido 9,12,15-octadecatrienóico (ácido α - linolênico, C18:3, ALA) foram 6,0 e 5,9% nos ensaios 11 (S. obliquus, 12% de CO2) e 19 (C. vulgaris, 12% de CO2).

Em cultivos com a microalga Spirulina sp. realizados por Olguín et al. (2001) em que o meio de cultivo foi enriquecido com água do mar e dejetos de porco, a concentração de GLA alcançou 28,1%. Colla et al. (2004) obtiveram 20,9% de GLA em ensaios a 30ºC e 2,5 g.L-1 de nitrato de sódio. O GLA é utilizado no tratamento de doenças cardíacas, eczema, artrite, esclerose múltipla e tensão pré-menstrual (WARD & SINGH, 2005). De todos ácidos graxos monoinsaturados, o ácido cis-9-octadecenóico (ácido oléico) (C18:1) foi observado em todos os ensaios, com exceção do 6 (Spirulina sp., 6% de CO2, 16,8 g.L-1 bicarbonato), sendo a máxima concentração obtida 37,1% no ensaio 19 (C. vulgaris, 12% de CO2).

A Spirulina sp. cultivada sem bicarbonato apresentou as maiores concentrações de lipídios, PUFAs, AGI e (ω3 + ω6) no ensaio com 6% de CO2. Para a microalga Spirulina sp., cultivada com bicarbonato, a concentração de AGI (ácidos graxos insaturados) variou entre 18,4 e 42,8% (ensaios 8 e 5, respectivamente). Para Spirulina sp. a adição de bicarbonato (ensaios 5 a 8) levou ao incremento na concentração de PUFAs à medida que aumentou a concentração de CO2. Nesses ensaios, as concentrações de PUFA foram 0; 5,2; 10,9 e 15,4%, respectivamente.

A S. obliquus apresentou 8,0; 21,9; 19,2 e 27,1% de PUFA nos ensaios 9 (0,038% de CO2), 10 (6% de CO2), 11 (12% de CO2) e 12 (18% de CO2) respectivamente, e os AGI variaram entre 50,5 e 30,5%. A C. kessleri apresentou 54,1% de ácidos graxos insaturados. Essa microalga alcançou 29,2% e 30,4% de PUFAs nos ensaios 13 (0,038% de CO2) e 16 (18% de CO2), respectivamente. A microalga C. vulgaris apresentou a maior concentração de PUFA (45,2%), com 0,038% de CO2 (Ensaio 17) e maiores porcentagens de AGI que as demais microalgas. Segundo Sato et al. (2003), em cultivo com a microalga C. kessleri, as insaturações dos ácidos graxos foram mais abundantes nos ensaios com 0,04% de CO2 comparada à adição de 2% de gás.

Com exceção dos ensaios 1 (Spirulina sp., 0,038%) e 19 (C. vulgaris, 12% CO2) que apresentaram os ácidos graxos poliinsaturados 8,11-eicosadienóico (C20:2, EDA) e 5,8,11-eicosatrienóico (C20:3), nos demais ensaios os ácidos graxos poliinsaturados foram a soma de ω3 e ω6. O ensaio 17 (C. vulgaris, 0,038% de CO2) apresentou maior concentração de ω3 + ω6 (45,2%), seguido pelas microalgas C. kessleri e S. obliquus que alcançaram 30,4 e 27,1%, respectivamente. As microalgas Spirulina sp. (cultivada com bicarbonato), S. obliquus e C. kessleri apresentaram os maiores conteúdos lipídicos e (ω3 + ω6) nos ensaios com 18% de CO2.

Os menores valores médios de AGI (50,0%), PUFA (26,6%) e (ω3 + ω6) (26,0%) foram com a microalga C. vulgaris. A C. kessleri apresentou o maior conteúdo lipídico médio (7,1%), comparado às demais microalgas e a Spirulina sp. apresentou as menores concentrações de lipídios, PUFA, AGI e (ω3 + ω6).

Os cultivos realizados com as maiores concentrações de CO2 (12 e 18%) apresentaram os maiores resultados de lipídios (5,5%), AGI (46,0%), PUFA (26,1%) e (w3 + w6) (26,1%). Segundo Tsuzuki et al. (1990), o aumento da concentração de CO2 aumentou a síntese de ácidos graxos insaturados.

Os ácidos graxos saturados estavam em maior concentração que os insaturados na maioria dos ensaios, isso provavelmente tenha ocorrido pelo fato da síntese de ácidos graxos iniciar-se pelos saturados. Para a produção de biodiesel, é preferível a predominância de ácidos graxos saturados, que possuem alto número de cetano e são menos propensos à oxidação que os compostos insaturados (CANAKCI, 2007). A oxidação causa polimerização e formação de goma, evitando a combustão completa (MA & HANNA, 1999).

As maiores concentrações de ácidos graxos trans foram 13,3% no ensaio 11 (S. obliquus, 12% de CO2), 8,3% no ensaio 2 (Spirulina sp., 6% CO2) e 6,3 no ensaio 5 (Spirulina sp., 0,038% CO2, 16,8 g.L-1 de bicarbonato de sódio). Segundo Willis et al. (1998), os ácidos graxos trans podem prejudicar a dessaturação e a elongação do ácido linolêico e araquidônico, afetando a produção de eicosanóides. Em relação ao efeito em adultos, os ácidos graxos trans são preocupantes devido ao seu impacto nos níveis de colesterol, aumentando os níveis de LDL e reduzindo o HDL.

O ensaio 16 (C. kessleri, 18% de CO2) apresentou maior concentração (20,5%) de ácido eicosapentaenóico (C20:5, EPA), seguido dos ensaios 1 (Spirulina sp., 0,038% de CO2, e sem bicarbonato) e 8 (Spirulina sp., 18% de CO2 e 16,8 g.L-1 de bicarbonato) que apresentaram 6,7 e 9,5%, respectivamente. Segundo Hoshida et al. (2005), em cultivos com Nannochloropsis sp., o acúmulo de EPA foi incrementado pela elevação da concentração de CO2 de 0,037 a 2,0%.

CONCLUSÕES

O maior conteúdo lipídico de cada microalga foi 9,7% para C. kessleri, 6,1% para Spirulina sp., 5,3% para S. obliquus e 4,6% para C. vulgaris. Os resultados mostraram que, dependendo do gênero e espécie de microalga cultivada, a concentração de CO2 e a adição de bicarbonato de sódio, no meio, podem ser variadas de modo a incrementar a biossíntese de ácidos graxos saturados ou insaturados, de acordo com a utilização que se pretende dar à biomassa formada. Assim, para a produção de biodiesel, onde são desejáveis altas concentrações de ácidos graxos saturados, a microalga Spirulina sp. cultivada com 18% de CO2 e 16,8 g.L-1 de bicarbonato de sódio apresentou 81,6% de saturados. Já para utilização da microalga na alimentação, onde altos teores de insaturados são visados, a microalga C. vulgaris cultivada com 12% de CO2, apresentou 72,0% de ácidos graxos insaturados.

AGRADECIMENTOS

À ELETROBRÁS – Centrais Elétricas Brasileiras S.A. e CGTEE – Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica pelo apoio financeiro para a realização desse trabalho.

(Recebido em 22 de junho de 2006 e aprovado em 12 de junho de 2007)

  • ARAÚJO, S. C.; GARCIA, V. M. T. Growth biochemical composition of the diatom Chaetoceros cf. wighamii brightwell under different temperature, salinity and carbon dioxide levels. I. Protein, carbohydrates and lipids. Aquaculture, Amsterdam, v. 246, p. 405-412, 2005.
  • CANAKCI, M. The potencial of restaurant waste lipids as biodiesel feedstocks. Bioresource Technology, Essex, v. 98, p. 183-190, 2007.
  • CARVALHO, A. P.; MALCATA, F. X. Optimization of w-3 fatty acid production by microalgae: crossover effects of CO2 and light intensity under batch and continuous cultivation modes. Marine Biotechnology, Oxford, v. 7, p. 381-388, 2005.
  • CHU, W. L.; PHANG, S. M.; GOH, S. H. Environmental effects on growth and biochemical composition of Nitzschia inconspicua grunow. Journal of Applied Phytology, [S.l.], v. 8, p. 389-396, 1996.
  • COLLA, L. M.; BERTOLIN, T. E.; COSTA, J. A. V. Fatty acids profile of Spirulina platensis grown under different temperatures and nitrogen concentrations. Zeitschrift fur Naturforschung, Tübingen, v. 59c, p. 55-59, 2004.
  • COSTA, J. A. V.; MORAIS, M. G.; DALCANTON, F.; REICHERT, C. C.; DURANTE, A. J. Simultaneous cultivation of Spirulina platensis and the toxigenic cyanobacteria Microcystis aeruginosa Zeitschrift fur Naturforschung, Tübingen, v. 61c, p. 105-110, 2006.
  • COZZA, K. L.; COSTA, J. A. V. Lipídios em Spirulina Vetor, Rio Grande, v. 10, p. 69-80, 2000.
  • DESHNIUM, P.; PAITHOONRANGSARID, K.; SUPHATRAKUL, A.; MEESAPYODSUK, D.; TANTICHAROEN, M.; CHEEVADHANARAK, S. Temperature-independent and dependent expression of desaturase genes in filamentous cyanobacterium Spirulina platensis strain C1 (Arthospira sp. PCC 9438). FEMS Microbiology Letters, Birmingham, v. 184, p. 207-213, 2000.
  • FOLCH, J.; LEES, M. A simple method for isolation and purification of total lipids from animal tissues. Journal of Biological Chemistry, Bethesda, v. 226, p. 497-509, 1957.
  • HOSHIDA, H.; OHIRA, T.; MINEMATSU, A.; AKADA, R.; NISHIZAWA, Y. Accumulation of eicosapentaenoic acid in nannochloropsis sp. in response to elevated CO2 concentrations. Journal of Applied Phytology, [S.l.], v. 17, p. 29-34, 2005.
  • ILLMAN, A. M.; SCRAGG, A. H.; SHALES, S. W. Increase in Chlorella strains calorific values when in low nitrogen medium. Enzyme and Microbial Technology, Atlanta, v. 27, p. 631-635, 2000.
  • MA, F.; HANNA, A. Biodiesel production: a review. Bioresource Technology, Essex, v. 70, p. 1-15, 1999.
  • MAKULLA, A. Fatty acid composition of Scenedesmus obliquus: correlation to dilution rates. Limnology, [S.l.], v. 30, p. 162-168, 2000.
  • METCALFE, L. D. A. A.; SCHIMITZ, J. R. Rapid preparation of fatty acid esters from lipids for gas liquid chromatography. Analytical Chemistry, North Carolina, v. 38, p. 510, 1966.
  • MORAIS, M. G.; COSTA, J. A. V. Isolation and selection of microalgae from coal fired thermoelectric power plant for biofixation of carbon dioxide. Energy Conversion Management, [S.l.], doi:10.1016/j.enconman.2006.12.011, 2007a.
  • MORAIS, M. G.; COSTA, J. A. V. Biofixation of carbon dioxide by Spirulina sp. and Scenedesmus obliquus cultived in a three-stage serial tubular photobioreactor. Journal of Biotechnology, [S.l.], doi:10.1016/j.jbiotec.2007.01.009, 2007b.
  • OLGUÍN, E.; GALICIA, S.; ANGULO-GUERRERO, O.; HERNÁNDEZ, E. The effect of low light flux and nitrogen deficiency on the chemical composition of Spirulina sp. (Arthospira) gown on digested pig waste. Bioresource Technology, Essex, v. 77, p. 19-24, 2001.
  • SATO, N.; TSUZUKI, M.; KAWAGUCHI, A. Glycerolipid synthesis in Chlorella kessleri 11 h II. Effect of the CO2 concentration during growth. Biochimica et Biophysica Acta, Brunswick, v. 1633, p. 35-42, 2003.
  • TSUZUKI, M.; OHNUMA, E.; SATO, N.; TAKAKU, T.; KAWAGUCHI, A. Effects of CO2 concentration during growth of fatty acid composition in microalgae. Plant Physiology, Urbana, v. 93, p. 851-856, 1990.
  • WARD, O. P.; SINGH, A. Omega 3/6 fatty acids: alternative sources of production. Process Biochemistry, [S.l.], v. 40, p. 3627-3652, 2005.
  • WATANABE, A. List of algal strains in collection at the Institute of applied microbiology University of Tokyo. Journal of General and Applied Microbiology, London, v. 6, p. 1-4, 1960.
  • WEN, Z. Y.; CHEN, F. Heterotrophic production of eicosapentaenoic acid by microalgae. BiotechnologyAdvances, Waterloo, v. 21, p. 273-294, 2003.
  • WILLIS, W. M.; LENCKI, R. E.; MARANGONI, A. G. Lipid modification strategies in the production of nutritionally functional fats and oils. Criticals Reviews in Food Science and Nutrition, Cleveland, v. 38, p. 639-674, 1998.
  • YANAGI, M.; WATANABE, Y.; SAIKI, H. CO2 fixation by Chlorella sp. HA-1 and its utilization. Energy Conversion and Management, Belton, v. 36, p. 713-716, 1995.
  • ZARROUK, C. Contribuition a letude dune cyanophycee: influence de divers facteurs physiques et chimiques sur la croissance et photosynthese de Spirulina maxima geitler. 1966. Thesis (Ph.D.) - University of Paris, Paris, 1966.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    15 Ago 2008
  • Data do Fascículo
    Ago 2008

Histórico

  • Aceito
    12 Jun 2007
  • Recebido
    22 Jun 2006
Editora da Universidade Federal de Lavras Editora UFLA, Caixa Postal 3037, 37200-000 Lavras, MG-Brasil - Lavras - MG - Brazil
E-mail: editora@ufla.br