Genótipos de feijoeiro carioca para tolerância ao escurecimento de grão pelos métodos natural e acelerado

Acácia Mecejana Diniz Souza Spitti Sérgio Augusto Morais Carbonell Carlos Tadeu dos Santos Dias Luis Gustavo Sabino Cássia Regina Limonta Carvalho Alisson Fernando Chiorato Sobre os autores

RESUMO

O escurecimento lento de grãos é almejado por melhoristas de feijoeiro porque o consumidor considera que grãos mais escuros apresentarão maior tempo para cocção. A análise empregada atualmente leva ao redor de 90 dias para diferenciação da cor do grão entre os genótipos. Objetivou-se avaliar a cor em função do valor de L* (luminosidade) de feijoeiro do tipo carioca pelos métodos natural e acelerado para verificar equivalência entre os métodos, validação da metodologia e identificação de genótipos tolerantes ao escurecimento. O escurecimento de grãos foi comparado e avaliado pelo método de escurecimento natural em condições de prateleira, em dias de armazenamento, e pelo método de escurecimento acelerado, em condições de luz ultravioleta, em horas. O escurecimento natural de 90 dias foi estatisticamente igual a 24 horas de escurecimento acelerado, e a diferença entre os genótipos pôde ser obtida em menor tempo, indicando correspondência entre os métodos. O método de escurecimento acelerado pode ser utilizado para encurtar o tempo de análise na rotina dos programas de melhoramento.

Termos para indexação:
Phaseolus vulgaris L.; coloração; luminosidade; luz ultravioleta; melhoramento de plantas.

Editora da UFLA Editora da UFLA, Caixa Postal 3037 - 37200-900 - Lavras - MG - Brasil, Telefone: 35 3829-1115 - Lavras - MG - Brazil
E-mail: revista.ca.editora@ufla.br