Primar orgânica: inovação em tempos de crise

Primar orgânica: innovation in times of crisis

Este artigo resulta de um estudo de caso na Primar Orgânica, empresa de aqüicultura do Rio Grande do Norte, tendo como foco o processo de transformação de carcinicultura convencional para a orgânica, pelo qual passou a empresa. Única na produção de camarão orgânico naquele estado, a Primar Orgânica é a primeira empresa do mundo na criação de ostras orgânicas. Como arcabouço teórico utilizou-se a resource-based view (RBV) (BARNEY, 1991, 2001; KATILA; SHANE, 2005; WERNERFELT, 1984), a teoria institucional (TI) e as redes sociais. A TI amplia o conceito de ambiente utilizado pela RBV, ao agregar o conceito de ambiente institucional, enquanto a teoria de redes centra no inter-relacionamento entre os atores e na estrutura da rede como inibidores ou potencializadores da capacidade de inovar (LIU, MADHAVAN, SUDHARSHAN, 2005). O pressuposto central é de que inovação seja um processo imerso no contexto social (LUNDVALL, 1993). A análise dos dados, obtidos através de entrevistas em profundidade e de documentos, denota como a escassez de recursos e a imersão do empreendedor em contextos diferentes possibilitou uma inovação tecnológica e gerencial, levando a organização a alcançar vantagem competitiva baseada numa estratégia centrada em recursos diferenciados.

inovação; redes; RBV


Fundação Getulio Vargas, Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas Rua Jornalista Orlando Dantas, 30 - sala 107, 22231-010 Rio de Janeiro/RJ Brasil, Tel.: (21) 3083-2731 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cadernosebape@fgv.br