AVALIAÇÃO DA INTENSIDADE LUMINOSA NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE LEUCENA (Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit.)

EVALUATION OF THE EFFECTS OF LIGHT INTENSITIES UPON THE INITIAL DEVELOPMENT OF LEUCENA (Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit.)

Vanessa Decker Élcio Silvério Klosowski Ubirajara Contro Malavasi Alexandre Nunes Sobre os autores

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de diferentes intensidades luminosas, proporcionadas por sombreamento natural em área de preservação permanente, no desenvolvimento inicial de mudas de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. O experimento foi conduzido na área de Captação 1 do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Marechal Cândido Rondon - PR, de 11 de setembro a 20 de novembro de 2007. As sementes, coletadas de árvores matrizes provenientes da região de Toledo-PR, foram submetidas à quebra de dormência com água a 80°C e semeadas em número de dez por vaso, estes foram distribuídos na área obedecendo ao delineamento inteiramente casualizado (DIC) com 13 tratamentos correspondentes às intensidades luminosas e 10 repetições (vasos), totalizando 130 vasos. Após 10 e 20 dias da semeadura foram realizados desbastes, deixando-se 5 e 3 plântulas por vaso, respectivamente. Sessenta dias após a semeadura, as mudas foram coletadas para avaliações biométricas como: diâmetro do caule, altura da planta, número de folhas, área foliar, massa seca da raiz, caule e folha. Os resultados foram analisados por meio de análise de variância seguida de teste F e análise de regressão demonstrando existir uma relação polinomial de quarta ordem dos parâmetros biométricos com intensidade luminosa, em que a resposta da leucena foi mais significativa para intensidades iguais a 642 Lux e 2273 Lux, aproximadamente, que representam 0,90 e 3,19% da Irradiância Solar Global. Por se tratar de uma espécie pioneira, a leucena tenderia a apresentar um comportamento de maior desenvolvimento quando submetida a maiores intensidades luminosas, no entanto, os resultados obtidos durante 60 dias em que as mudas foram avaliadas, indicam também um bom desenvolvimento das mudas sob baixas intensidades luminosas, podendo ser considerada, nas condições em que o experimento foi conduzido, uma espécie secundária. Desta forma, este resultado também pode explicar o fato desta espécie ser considerada invasora.

Palavras-chaves:
germinação; leucena; regressão polinomial; intensidade luminosa

ABSTRACT

The study objective was to evaluate the effects of light intensities upon the initial development of Leucaena leucocephala seedlings. The study was conducted inside a preservation area around a drinking water well used to supply Marechal Cândido Rondon residents from September 11th to November 20th, 2007. The seeds collected from mature leucaena trees located on an adjacent county (Toledo) went through break dormancy in vases, in water at 80 Celsius degrees and sown by using 10 units per vase. The vases were distributed in the area obeying an entirely randomized design with 13 light intensities (treatments) and 10 replications (vases), adding up to 130 vases. Five and two seedlings per vase were left after thinning executed 10 and 20 days after the sowing, respectively. Sixty days after the sowing, the seedlings were collected for the measurements of the stem diameter, the plant height, the number and area of leaves as well as the root, the stem and the leaf biomasses. Results indicated that there is a polynomial relationship of the fourth order between biometric parameters and light intensity; the highest significances were calculated for intensities of 643 and 2273 Lux indicating that leucaena can be considered pioneering and tolerant to direct sunlight.

Keywords:
germination; leucena; polynomial regression; luminous intensity

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • ABBAS, M. et al. Intercroping of sesbania (Sesbania sesban) and leucaena (Leucaena leucocephala) with five annual grasses under semi-arid conditions as affected by inoculation with specific rhizobia and associative diazotrophs. Agronomie, v. 21, n. 6-7, p. 517-525, 2001.
  • ALMEIDA, S. M. Z. et al. Alteração morfológica e alocação de biomassa em plantas jovens de espécies florestais sob diferentes condições de sombreamento. Ciência Rural, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 62-68, 2005.
  • BORGES, E. E. L.; BORGES, R. C. G.; PAULA, N. F. Efeito da temperatura e do estresse hídrico na germinação de sementes de fedegoso (Senna macranthera (Collad.) Irwin e Barn) e de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Revista Brasileira de Sementes, Lavras, v.19, n. 2, p. 155-158, 1997.
  • CAMPOS, M. A. A.; UCHIDA, T. Influência do sombreamento no crescimento de mudas de três espécies florestais amazônicas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 37, n. 7, p. 281-288, 2002.
  • CARNEIRO, J. G. A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR, FUPEF; Viçosa: CAMPOS, UENF, 1995.
  • EMBRAPA. Sistema de Classificação dos solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.
  • FANTI, S. C.; PEREZ, S. C. Influência do sombreamento artificial e da adubação química na produção de mudas de Adenanthera pavonina Ciência Florestal, Santa Maria, v.13, n.1, p 49-56, 2003.
  • FONSECA, É. P. et al. Padrão de qualidade de mudas de Trema micrantha (L.) Blume. Produzidas sobre diferentes períodos de sombreamento. Revista Árvore, Viçosa, v. 26, n. 4, p. 515-523, 2002.
  • IAPAR. Cartas climáticas do Paraná. 2000. Disponível em: <Disponível em: http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=677 >. Acessado em: 30 de maio de 2008.
    » http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=677
  • LARCHER, W. Ecofisiologia Vegetal. São Carlos: RiMa, 2000.
  • LIMA, J. A.; EVANGELISTA, J. R. Leucena (Leucaena leucocephala) Disponível em: <Disponível em: http://www.editora.ufla.br >. Acessado em: 18/04/2008.
    » http://www.editora.ufla.br
  • LORENZI, H. et al. Árvores Exóticas no Brasil: madeiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, Instituto Plantarum, 2003.
  • MACIEL,M. N. M. et. al. Efeito da radiação solar na dinâmica de uma floresta. Revista Ciências Exatas e Naturais, Curitiba, v. 4, n. 1, 2002.
  • OLIVEIRA, A. B.; MEDEIROS FILHO, S. Influência de tratamentos pré-germinativos, temperatura e luminosidade na germinação de sementes de leucena cv. Cunningham. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, Recife, v. 2, n. 4, p. 268-274, 2007.
  • PARROTTA, J. A. Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Departament of Agriculture, Forest Service, Southern Forest, Experimental Station. 8 p., New Orleans, LA: U.S, 1992. Disponível: < https://www.researchgate.net/profile/John_Parrotta/publication/237449765_Leucaena_leucocephala_Lam_de_Wit_leucaena/links/54f79d610cf28d6dec9ea4b3.pdf?origin=publication_detail>.
    » https://www.researchgate.net/profile/John_Parrotta/publication/237449765_Leucaena_leucocephala_Lam_de_Wit_leucaena/links/54f79d610cf28d6dec9ea4b3.pdf?origin=publication_detail
  • PORTELA, R. C. Q. et al. Crescimento inicial de mudas de Clitoria fairchildiana Howard e Peltophorum dubiun (Sprenge) Taub em diferentes condições de sombreamento. Ciência Florestal , Santa Maria, v. 11, n. 2, p. 163-170, 2001.
  • SILVA, R. R. et al. Desenvolvimento inicial de plântulas de Theobroma grandiflorun (Willd. Ex spreng) Schum. sob influência de sombreamento. Acta Amazônica, Manaus, v. 37, n. 3, p. 365-370, 2007.
  • SOUZA, R. P. Germinação, crescimento, atividade fotossintética e translocação de compostos de carbono em espécies florestais tropicais: estudo comparativo da influência de sombreamento natural. 1996. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas)- Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.
  • TELES, M. M. et al. Método de quebra de dormência em sementes de Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 29, n. 2, p. 387-391,2000.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2011
Universidade Federal de Santa Maria Av. Roraima, 1.000, 97105-900 Santa Maria RS Brasil, Tel. : (55 55)3220-8444 r.37, Fax: (55 55)3220-8444 r.22 - Santa Maria - RS - Brazil
E-mail: cienciaflorestal@ufsm.br