MATURAÇÃO FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE Erythrina variegata L.1 1 Parte da Dissertação de Mestrado do primeiro autor, Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal, Universidade Federal do Espírito Santo. Bolsista CAPES.

PHYSIOLOGICAL MATURATION OF Erythrina variegata L. SEEDS

Miele Tallon Matheus José Carlos Lopes Nathale Bicalho Corrêa Sobre os autores

RESUMO

O trabalho teve como objetivo estudar a maturação fisiológica de sementes de Erythrina variegata L. Cada flor foi identificada em sua respectiva data de antese. A partir dos 21 dias após a antese (DAA) efetuaram- se coletas semanais de frutos para avaliações das seguintes características: comprimento e diâmetro dos frutos; coloração, massa fresca, massa seca e teor de água de frutos e sementes; germinação e vigor das sementes. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado. O crescimento dos frutos de Erythrina variegata, em comprimento e diâmetro, vai até 42 DAA. As sementes começam a germinar aos 63 DAA, cujo teor de água é de 68,15% e a massa seca 481,38 mg semente-1. A máxima germinação e vigor são obtidos aos 77 DAA, que coincide com o máximo conteúdo de massa seca, frutos com coloração castanho-escura, sementes castanho-arroxeadas, com tegumento córneo e teor de água de 21%, considerado o ponto de maturação fisiológica dessas sementes. Após 91 DAA ocorre a deiscência dos frutos.

Palavras-chave:
germinação; vigor; época de coleta; morfologia

ABSTRACT

The study objective was to determine the physiological maturation of the Erythrina variegata L. seed. Each flower was identified according to its respective anthesis date. The fruit was collected weekly following the 21st day after anthesis (DAA). The following characteristics were evaluated: length and diameter of each fruit; color, fresh mass, dry mass, water content of both fruit and seeds; the seed germination state and vigor. The experimental design utilized was the completely randomized. It was found that the fruit of Erythrina variegata continues to grow in both length and diameter up until the 42nd DAA. The seeds start to germinate on the 63rd DAA, when the seed water content is 68.15% and the dry mass is 481.38 mg per seed. The maximum germination and vigor are obtained at the 77th DAA which coincides with the maximum seed dry mass. At this time the fruit has a dark brown color with brown-purple seeds which have a corneous tegument and a water content of 21%. This is considered as being the physiological maturation point of the seeds. The dehiscence of the fruit occurs at the 91st DAA.

Keywords:
germination; vigor; harvest period; morphology

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • BORGES, E. E. L.; BORGES, C. G. Germinação de sementes de Copaifera langsdorffii Desf. provenientes de frutos com diferentes graus de maturação. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 1, n. 3, p. 45-47, 1979.
  • BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS, 2009. 399 p.
  • CALIL, A. C. et al. Época de coleta de sementes de Maytenus dasyclada Mart. - Celastraceae no Jardim Botânico de Porto Alegre, RS, Brasil. Iheringia, Porto Alegre, v. 60, n. 1, p. 11-16, 2005.
  • CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.
  • CORVELLO, W. B. V. et al. Maturação fisiológica de sementes de cedro (Cedrela fissilis Vell.). Revista Brasileira de Sementes , Brasília, v. 21, n. 2, p. 23-27, 1999.
  • DELOUCHE, J. C. Recentes conquistas de pesquisa tecnológica de sementes. In: DELOUCHE, J. C. Pesquisas em sementes no Brasil. Brasília: AGIPLAN, 1975. p.27-36.
  • FARIA, S. M. et al. Recuperação de solos degradados com leguminosas noduladas e micorrizadas. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 1998. 23 p. (Documentos, 77).
  • GEMAQUE, R. C. R.; DAVIDE, A. C.; FARIA, J. M. R. Indicadores de maturidade fisiológica de sementes de ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standl.) Cerne, Lavras, v. 8, n. 2, p. 84-91, 2002.
  • HARTMANN, H. T. et al. Plant propagation: principles and practices. 6thed. New Jersey: Prentice-Hall, 1997. 770 p.
  • HEGDE, N. G. Cultivation and uses of Erythrina variegata in Western India. In: WESTLEY, S. B.; POWELL, M. H. Erythrina in the new and old worlds. Paia: Nitrogen Fixing Tree Association, 1993. p. 77-84.
  • HEGDE, N. G.; DALLA ROSA, K. Erythrina variegata: more than a pretty tree. Morrilton: FACT Net, 1994. (NFT Highlights, 94-02).
  • LEONHARDT, C. et al. Maturação fisiológica de sementes de tarumã-de-espinho (Citharexylum montevidense (Spreng.) Moldenke - Verbenaceae), no Jardim Botânico de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Sementes , Brasília, v. 23, n. 1, p. 100-107, 2001.
  • LIMA, R. V. Avaliação das características físicas e biológicas das sementes de urucu cv. casca verde durante o desenvolvimento da maturação fisiológica. 2005. 82 p. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal)-Universidade Federal do Espírito Santo, Alegre, 2005.
  • LOPES, J. C.; DIAS, P. C.; PEREIRA, M. D. Maturação fisiológica de sementes de quaresmeira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 40, n. 8, p. 811-816, 2005.
  • LOPES, J. C.; SOARES, A. S. Estudo da maturação de sementes de carvalho vermelho (Miconia cinnamomifolia (Dc.) Naud.). Ciência e Agrotecnologia, Lavras, v. 30, n. 4, p. 618-622, 2006.
  • LORENZI, H. et al. Árvores exóticas no Brasil: madeiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa: Plantarum, 2003. 368 p.
  • MAGUIRE, J. D. Speed of germination aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science, Madison, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.
  • MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495 p.
  • MATOS, L. V. et al. Plantio de leguminosas arbóreas para produção de moirões vivos e construção de cercas ecológicas. Seropédica: Embrapa Agrobiologia , 2005. (Sistemas de Produção: versão eletrônica, 3). Disponível em: <Disponível em: https://www.embrapa.br/agrobiologia /> Acesso em: 6 de abril de 2006.
    » https://www.embrapa.br/agrobiologia
  • PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; AGUIAR, I. B. Maturação e dispersão de sementes. In: AGUIAR, I. B.; PIÑA-RODRIGUES, F. C. M.; FIGLIOLIA, M. B. (coord.). Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES, 1993. p.215-274.
  • POPINIGIS, F. Fisiologia da semente. Brasília: AGIPLAN , 1985. 289 p.
  • ROTAR, P. P.; JOY, R. J.; WEISSICH, P. R. ‘Tropic coral’ tall Erythrina: Erythrina variegata L. Honolulu: Hawaii Institute of Tropical Agriculture and Human Resources, 1986. (Research Extension Series, 72).
  • SAEG. Sistema para análises estatísticas e genéticas. (SAEG versão 7.1). Viçosa: UFV/ FUNARBE, 1997.
  • SILVEIRA, M. A. M.; VILLELA, F. A.; TILLMANN, M. A. A. Maturação fisiológica de sementes de calêndula (Calendula officinalis L.). Revista Brasileira de Sementes , Brasília, v. 24, n. 2, p. 31-37, 2002.
  • TING, I. P. Plant physiology. Menlo Park: Addison- Wesley, 1982. 642 p.
  • WHISTLER, W. A.; ELEVITCH, C. R. Erythrina variegata (coral tree). In: ELEVITCH, C.R. Traditional trees of pacific islands: their culture, environment, and use. Holualoa: Permanent Agriculture Resources, 2006. p.329-344.

  • 1
    Parte da Dissertação de Mestrado do primeiro autor, Programa de Pós-graduação em Produção Vegetal, Universidade Federal do Espírito Santo. Bolsista CAPES.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2011
Universidade Federal de Santa Maria Av. Roraima, 1.000, 97105-900 Santa Maria RS Brasil, Tel. : (55 55)3220-8444 r.37, Fax: (55 55)3220-8444 r.22 - Santa Maria - RS - Brazil
E-mail: cienciaflorestal@ufsm.br