O trabalho em grupos no laboratório didático: reflexões a partir de um referencial psicanalítico

Resumos

As especificidades que observamos no modo com que alguns grupos de estudantes conduziam seu trabalho num laboratório didático de ensino superior, nos fizeram refletir sobre a possibilidade de compreender a articulação da dinâmica dos grupos, a partir de elementos que se encontravam além do alcance da cognição. Em analogia à visão de W. R. Bion, acerca do funcionamento dos grupos terapêuticos, pudemos dar significado a esses elementos e interpretar o trabalho dos estudantes no laboratório didático, a partir de uma perspectiva mais integrada, por assim dizer, uma vez que procuramos aproximar o campo da subjetividade do campo da cognição. Mais especificamente, a condução e a sustentação da dinâmica dos grupos de estudantes, do ponto de vista da construção do próprio contexto experimental, foram explicitadas com base no interjogo sobre o qual um grupo se estrutura: de um lado as estratégias não conscientes, compartilhadas anonimamente e, de outro, os objetivos conscientes, intenções e esforços dos indivíduos em trabalhar a partir de sua tarefa mais objetiva.

Didactic laboratory; groups work; psychoanalysis; cognition; subjectivity; Physics teaching


The specifities we have observed in the way some groups of students carried out their work in an undergraduate course didactic laboratory, made us to reflect on the possibility of understanding the group dynamics process from elements lying beyond the cognitive reach. In analogy to W. R. Bion's view about the working of group therapy, we could give meaning to these elements and interpret the students' behavior in a didactic laboratory situation from a more integrated perspective, so to speak, in order to attempt bringing closer subjectivity and cognition. More specifically, the conduction and the support of student groups dynamics, from the construction of the very experimental context viewpoint, were made explicit on a interplay basis, on which a group structures itself: by one hand, the non-conscious strategies anonymously shared and, by the other hand, the individuals' conscious objectives, intentions and efforts to work from their more objective task.

Didactic laboratory; groups work; psychoanalysis; cognition; subjectivity; Physics teaching


ARTIGOS

O trabalho em grupos no laboratório didático: reflexões a partir de um referencial psicanalítico

Elisabeth BarolliI; Alberto VillaniII

ICom auxílio parcial da CAPES-PICD. Professora Doutora do Departamento de Física, Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina - PR (e-mail: ebarolli@uol.com.br)

IICom auxílio parcial do CNPq. Professor Titular do Departamento de Física Experimental, Instituto de Física, Universidade de São Paulo - SP (e-mail: avillani@if.usp.br)

RESUMO

As especificidades que observamos no modo com que alguns grupos de estudantes conduziam seu trabalho num laboratório didático de ensino superior, nos fizeram refletir sobre a possibilidade de compreender a articulação da dinâmica dos grupos, a partir de elementos que se encontravam além do alcance da cognição. Em analogia à visão de W. R. Bion, acerca do funcionamento dos grupos terapêuticos, pudemos dar significado a esses elementos e interpretar o trabalho dos estudantes no laboratório didático, a partir de uma perspectiva mais integrada, por assim dizer, uma vez que procuramos aproximar o campo da subjetividade do campo da cognição. Mais especificamente, a condução e a sustentação da dinâmica dos grupos de estudantes, do ponto de vista da construção do próprio contexto experimental, foram explicitadas com base no interjogo sobre o qual um grupo se estrutura: de um lado as estratégias não conscientes, compartilhadas anonimamente e, de outro, os objetivos conscientes, intenções e esforços dos indivíduos em trabalhar a partir de sua tarefa mais objetiva.

Unitermos: Laboratório didático; trabalho em grupos, psicanálise, cognição, subjetividade, ensino de Física.

ABSTRACT

The specifities we have observed in the way some groups of students carried out their work in an undergraduate course didactic laboratory, made us to reflect on the possibility of understanding the group dynamics process from elements lying beyond the cognitive reach. In analogy to W. R. Bion's view about the working of group therapy, we could give meaning to these elements and interpret the students' behavior in a didactic laboratory situation from a more integrated perspective, so to speak, in order to attempt bringing closer subjectivity and cognition. More specifically, the conduction and the support of student groups dynamics, from the construction of the very experimental context viewpoint, were made explicit on a interplay basis, on which a group structures itself: by one hand, the non-conscious strategies anonymously shared and, by the other hand, the individuals' conscious objectives, intentions and efforts to work from their more objective task.

Keywords: Didactic laboratory; groups work, psychoanalysis, cognition, subjectivity, Physics teaching.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

  • BAROLLI, E. Reflexões sobre o trabalho dos estudantes no laboratório didático São Paulo, 1998. Tese (Doutorado) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.
  • BION, W. R. Experiências com grupos Rio de Janeiro, Imago ,1970.
  • COELHO, S.M. Contribution a l'étude didatique du mesurage en physyque dans l'enseignement secondaire: discription et analyse de l'activite intellectuelle et pratique des eléves et des enseignantes. Paris, 1993. Tese (Doutorado) - UF de Didactique des Disciplines, Université de Paris.
  • CUDMANI, L.C., SALINAS, J.S. Los laboratorios de fisica de ciclos básicos universitarios instrumentados como procesos colectivos de investigacion dirigida. Enseñanza de la Fisica, v. 5, n.2, p. 10-17, 1992.
  • FREUD, S. Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental 2. ed. Rio de Janeiro, Imago, 1987.
  • GONZÁLEZ, E. M. Que hay que renovar en los trabajos practicos? Enseñanza de las Ciencias, v.10, n. 2, p. 206-211, 1992.
  • MILLAR, R. Towards a role for experiment in the science teaching laboratory. Studies in Science Education, v.14, p.109-118, 1987.
  • MOREIRA, M. A. , LEVANDOWSKI, C.E. Diferentes abordagens ao ensino de laboratório. Porto Alegre, UFRGS, 1983.
  • PINTRICH, P.R., MARX, R.W.,BOYLE, R.A. Beyond cold conceptual change: the role of motivational beliefs and classroom contextual factors in the process of conceptual change. Review of Educational Research, v. 63 , n. 2, p. 167-199, 1994.
  • POSNER, G., STRIKE, K. A., HEWSON, P. W. Accomodation of a scientific conception: toward a theory of conceptual change. Science Education, v. 66, p. 211-227, 1982.
  • SÉRÉ, M. G. et al. Learning the statistical analysis of measurement errors. International Journal of Science Education, v. 15, n. 4, p. 427-438, 1993.
  • STRIKE, K.A. , POSNER, G. J. A revisionistic theory of conceptual change. In: DUSCHL; HAMILTON (Eds.). Philosophy of science: cognitive science and educational theory and practice. Albany, Suny, 1992. P.147-176.
  • ZIMERMAN, D.E. Bion da teoria à prática. Porto Alegre, Artes Médicas Sul, 1996. 295 p.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    13 Fev 2012
  • Data do Fascículo
    2000
Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências, campus de Bauru. Av. Engenheiro Luiz Edmundo Carrijo Coube, 14-01, Campus Universitário - Vargem Limpa CEP 17033-360 Bauru - SP/ Brasil , Tel./Fax: (55 14) 3103 6177 - Bauru - SP - Brazil
E-mail: revista@fc.unesp.br