Contexto Internacional, Volume: 40, Issue: 2, Published: 2018
  • The Economist and Human Rights Violations in Brazil During the Military Dictatorship Articles

    Sales, Camila Maria Risso; Martins, João Roberto

    Abstract in Portuguese:

    Resumo O propósito deste artigo é analisar a cobertura da mídia britânica sobre a ditadura brasileira. Especificamente, examinamos a cobertura da revista semanal de notícias The Economist no período da promulgação do Ato Institucional 5 (AI-5) em dezembro de 1968 a 1975, o segundo ano do governo Geisel. Comparamos sua cobertura com a dos jornais The Times e The Guardian, a fim de alcançar uma compreensão de sua representação do Brasil em termos de dois temas em particular: desempenho econômico (notavelmente o “milagre brasileiro”) e repressão política. Relacionamos este último tema às condenações internacionais da tortura e ao desaparecimento de presos políticos. Além disso, dado que a The Economist cobre principalmente questões de uma perspectiva econômica, examinamos mudanças na frequência e no conteúdo de artigos sobre o Brasil, e concluímos que a retratação do Brasil feita pela The Economist no período em análise se desviou da de grande parte das demais coberturas da imprensa britânica.

    Abstract in English:

    Abstract The purpose of this article is to analyse British media coverage of the Brazilian dictatorship. Specifically, we examine coverage by the weekly news magazine The Economist in the period from the promulgation of Institutional Act 5 in December 1968, to 1975, the second year of the Geisel administration. We compare its coverage with that of The Times and The Guardian in order to reach an understanding of its portrayal of Brazil in terms of two themes in particular: economic performance (notably the ‘Brazilian miracle’), and political repression. We relate the latter theme to the international condemnations of torture, and the disappearance of political prisoners. Furthermore, given that The Economist mainly covers issues from an economic perspective, we examine shifts in the frequency and content of articles about Brazil, and conclude that The Economist’s portrayal of Brazil in the period under review deviated from that of much of the rest of the British Press.
  • Identity and Discourse in Securitisation Theory Articles

    Santos, Marcos Cardoso dos

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Este artigo examina as complementaridades entre a teoria do discurso de Laclau e Mouffe, as noções de habitus e campo de Bourdieu e a concepção de estratégia de segurança discursiva de Huysmans como um mediador da relação das pessoas com a morte. A interação entre essas teorias explica como surgem os discursos hegemônicos de segurança. O aspecto auto-referencial da Teoria da Securitização (ST) da Escola de Copenhague não contradiz a existência de uma relação de forças entre atores e público securitizados em determinados campos de segurança, com base na propriedade do capital social. Este artigo rejeita as posições teóricas adotadas por Bigo, Tsoukala e Balzacq em termos das quais a ST é considerada intersubjetiva. Utilizando a teoria do discurso de Laclau e Mouffe, é possível verificar como os discursos hegemônicos de segurança são estabelecidos. Os conceitos de habitus e campo de Bourdieu e as premissas de Huysmans sobre a estratégia de segurança também têm implicações para a ST, principalmente para as discussões sobre se ele tem um aspecto intersubjetivo ou auto-referencial. Como discursos de perigo constroem as identidades políticas dos Estados, o estudo de sua influência na política externa é relevante para as relações internacionais. Este artigo conclui que, quando o grau de alteridade se aproxima do radical, outras medidas extraordinárias são facilmente toleradas pelos agentes envolvidos no processo de securitização.

    Abstract in English:

    Abstract This article examines the complementarities among Laclau and Mouffe’s discourse theory, Bourdieu’s notions of habitus and field, and Huysmans’s conception of discursive security strategy as a mediator of people’s relation to death. The interplay among these theories explains how hegemonic security discourses emerge. The self-referential aspect of the Copenhagen School’s Securitisation Theory (ST) does not contradict the existence of a relation of forces among securitising actors and audiences in given security fields, based on the ownership of social capital. This article rejects the theoretical positions adopted by Bigo, Tsoukala and Balzacq in terms of which ST is regarded as intersubjective. Utilising the discourse theory of Laclau and Mouffe, it is possible to verify how hegemonic security discourses are determined. Bourdieu’s concepts of habitus and field and Huysmans’s premises about security strategy also have implications for ST, mainly for the discussions about whether it has an intersubjective or self-referential aspect. As discourses of danger construct the political identities of states, the study of their influence on foreign policy is relevant to international relations. This article concludes that when the degree of otherness gets closer to the radical Other, extraordinary measures are easily tolerated by the agents involved in the securitisation process.
  • The Historiography of International Relations: Martin Wight in Fresh Conversation with Duroselle and Morgenthau Articles

    Mendelski, Bruno

    Abstract in Portuguese:

    Resumo O artigo revisita três textos clássicos das Escolas Francesa, Americano-Realista e Inglesa nas Relações Internacionais, a saber: Tout Empire Périra (Duroselle 1992), Politics Among Nations (Morgenthau 1948), e Power Politics (Wight 1978). Eu argumento que a abordagem wightiana pode ser considerada um middle course entre Duroselle e Morgenthau, e que Wight desempenha esse papel ao associar-se à importantes premissas de Duroselle e Morgenthau. Existem similaridades entre o conceito wightiano de ‘revolução internacional’ e a noção duroselliana de ‘insuportável’. Ambos autores também são críticos à abordagem behaviorista, e procuram por recorrências nas relações internacionais. Em relação à Morgenthau, Wight compartilha a visão realista da anarquia internacional, o entendimento clássico do ‘interesse nacional’ e a compreensão das ideologias como legitimadoras das ações governamentais.

    Abstract in English:

    Abstract This article reviews three classic texts of the French, American-Realist and English schools in International Relations, namely Tout Empire Périra (Duroselle 1992), Politics Among Nations (Morgenthau 1948), and Power Politics (Wight 1978). I argue that Wight’s approach can be regarded as a middle course between those of Duroselle and Morgenthau, and that Wight adopted this position in order to associate himself with important assumptions by both Duroselle and Morgenthau. In particular, there are similarities between Wight’s concept of ‘international revolution’ and Duroselle’s notion of the ‘unbearable.’ Both are critical of behavioural methods, and both search for recurrences in international relations. As regards Morgenthau, Wight shares with him a Realist view of international anarchy, a classical understanding of ‘national interest,’ and an understanding of ideologies as the legitimation of government actions.
  • The Frailties of Lebanese Democracy: Outcomes and Limits of the Confessional Framework Articles

    Calfat, Natalia Nahas

    Abstract in Portuguese:

    Resumo O Líbano é frequentemente referenciado como um modelo de democracia plural e estável no Oriente Médio: uma sociedade multiétnica e plurirreligiosa que garantiria a representação política dos diferentes sectos presentes no país através de um arranjo confessional de partilha de poder. Inúmeros autores também enxergam neste modelo consociativo a melhor alternativa democrática, dado o alto grau de heterogeneidade interna. Contudo, ao frisarem a estabilidade libanesa ante o conturbado cenário regional, estas percepções positivas sobre o Líbano têm negligenciado alguns aspectos domésticos relativos ao real funcionamento desta democracia. Através da análise de duas dimensões internas que ameaçam o sucesso da experiência democrática libanesa (pré-atribuições de cargos e distorções representativas), este trabalho visa apontar os limites, efeitos e decorrências do consociativismo nesta específica realidade confessional. Os resultados obtidos através deste estudo de caso indicam que arranjos consociativos altamente institucionalizados podem engendrar sectarismo, instabilidade institucional, clientelismo e debilidade estatal. Ao cabo, este artigo também aponta as implicações e lições que podem ser derivadas do arranjo em termos das nocivas narrativas sectárias locais e regionais.

    Abstract in English:

    Abstract Lebanon is frequently referred to as a model of a plural and stable democracy in the Middle East: a multi-ethnic and pluri-religious society that guarantees political representation through a power-sharing confessional framework. Numerous authors also see the consociational model as the best democratic alternative given such a high degree of domestic heterogeneity. However, by emphasising Lebanese stability vis-à-vis a troubled regional scenario, these positive perceptions have neglected some elements of how democracy actually works in Lebanon. In this article, I analyse two domestic dimensions that hinder the success of the Lebanese democratic experience (the pre-attribution of seats and distortions of representation) and point to the limits, effects and consequences of consociationalism in this specific confessional reality. The results of this case study indicate that highly institutionalised consociational arrangements can lead to sectarianism, institutional instability, clientelism, and state frailty. I also lay out some lessons and implications that can be derived from such a framework in terms of harmful sectarian narratives at both the local and regional levels.
  • Roles and International Behaviour: Saudi–Iranian Rivalry in Bahrain’s and Yemen’s Arab Spring Articles

    Cerioli, Luíza Gimenez

    Abstract in Portuguese:

    Resumo A geopolítica do Oriente Médio é dinâmica e complexa. Questões ideológicas e religiosas interagem com estruturas domésticas e internacionais, gerando vários tipos de relações. Este artigo tem como objetivo analisar a rivalidade entre a Arábia Saudita e o Irã, duas potências que disputam a liderança no Golfo. O objetivo é entender esta competição através das lentes da Role Theory, enfocando as concepções de papéis nacionais que ambos os países projetam para o exterior. Esse arcabouço teórico pressupõe que o Irã e a Arábia Saudita projetem imagens feitas por si mesmas que representem construções cognitivas do que os formuladores de políticas acreditam que suas respectivas nações representam. Como exemplo, o Irã projeta um papel de reduto de revoluções que é firmemente contra o papel anti-instabilidade da Arábia Saudita. Períodos regionais de instabilidade, como problemas civis, fornecem estudos úteis para investigar o fenômeno da rivalidade. Portanto, este artigo enfoca as reações iranianas e sauditas aos eventos relacionados à chamada Primavera Árabe no Bahrein e no Iêmen, detectando quando a rivalidade está [de alguma forma] presente em seus comportamentos internacionais. Em conclusão, o artigo contribui para uma melhor compreensão da projeção ideológica de Teerã e de Riad, e quanto da política da região é restringida pelo status de rivalidade.

    Abstract in English:

    Abstract Middle Eastern geopolitics are dynamic and complex. Ideological and religious matters interplay with domestic and international structures, generating several types of relations. This article aims to analyse the rivalry between Saudi Arabia and Iran, two powerhouses that compete for leadership in the Gulf. The objective is to understand this competition through the lens of Role Theory, focusing on the national role conceptions that both countries project outwards. This theoretical framework presupposes that Iran and Saudi Arabia project self-made images that represent cognitive constructions of what policymakers believe their respective nations stand for. As an example, Iran projects a role of bastion of revolutions, which is firmly set against Saudi Arabia’s anti-instability role. Regional instability periods, such as civil unrests, provide useful study cases for investigating the phenomenon of rivalry. Therefore, this article focuses on the Iranian and Saudi reactions to the events related to the so-called Arab Spring in Bahrain and Yemen, detecting when the rivalry is (somehow) present in their international behaviours. In conclusion, the article adds to a better understanding of Tehran’s and Riyadh’s ideological projection, and of how much of the region’s politics are constrained by the rivalry status.
  • Duterte’s Pivot to China, and Prospects for Settling the South China Sea Disputes Articles

    Hendler, Bruno

    Abstract in Portuguese:

    Resumo O presente artigo busca desenvolver um arcabouço teórico para entender o célebre “pivô para a China” do presidente filipino Rodrigo Duterte. Inicialmente, discute o modelo de relações assimétricas como um quadro adequado para entender as interações entre Estados altamente desiguais, e o conceito de assimetria estrutural dual como meios de teorizar as relações triangulares entre as Filipinas, os EUA e a China desde o fim da Guerra Fria. Em seguida, apresenta diversos indicadores econômicos e políticos da mudança da política externa filipina sob o governo de Duterte. Propõe, em seguida, um modelo teórico para identificar as ligações entre elementos da economia política e segurança internacional na perspectiva da ‘Teoria da Assimetria’ de Brantly Womack. Por fim, apresenta três cenários para resolver a disputa territorial no Mar da China Meridional (SCS) entre as Filipinas e a China: dois com ganhos máximos para apenas um país e um terceiro com um resultado aceitável para ambos os países como produto de concessões mútuas.

    Abstract in English:

    Abstract This article proposes a theoretical framework for understanding Filipino president Rodrigo Duterte’s celebrated ‘pivot to China.’ It begins by discussing the model of asymmetric relations as a suitable framework for understanding relations between highly unequal states, and the concept of dual structural asymmetry as a means of theorising the triangular relations among the Philippines, the USA and China since the end of the Cold War. Next, it presents various economic and political indicators of the shift in Filipino foreign policy under Duterte. It goes on to propose a theoretical model for identifying the linkages between elements of political economy and international security from the perspective of Brantly Womack’s theory of asymmetry. Lastly, it presents three scenarios for resolving the territorial dispute in the South China Sea (SCS) between the Philippines and China: two with maximum gains for one country only, and a third with an acceptable result for both countries as a product of mutual concessions.
  • Latin America’s Decentred Economic Regionalism: From the FTAA to the Pacific Alliance Articles

    Lima, Jean Santos

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Nesse artigo, investigo o regionalismo Latino Americano do colapso do Projeto da ALCA à emergência da Aliança do Pacífico, no período de 2005 a 2015. Para a maior parte da pesquisa, utilizo os principais blocos econômicos da região, o Mercosul e a Aliança do Pacífico, como unidades de análise. Os principais resultados identificados são de que, desde o colapso da ALCA, os processos de integração se tornaram mais heterogêneos; o Mercosul e a AP contrastam um com o outro em termos político-econômicos; o projeto brasileiro de estabelecer um regionalismo pós-liberal/pós-hegemônico na América do Sul não teve sucesso; e que a demanda regional por produtos brasileiros está em risco de deslocamento a outros mercados no médio para longo prazo, debilitando ainda mais suas aspirações de liderança regional. Tudo isso evidencia o regionalismo econômico descentrado – isto é, uma forma de regionalismo na qual não há um único Estado no seu comando central, ou com seguidores suficientes para assumir uma liderança e estabelecer uma concepção predominante de integração e cooperação regional. Outros fatores que contribuem para essa descentralização são o baixo desempenho econômico de Brasil e México, e a mudança de postura do governo dos EUA em relação às relações comerciais com a América Latina. Apesar disso, argumento que os países latino-americanos precisam fortalecer a cooperação dentro e entre esses blocos regionais, focando na promoção da sua competitividade global conjunta. Isso requer mais cooperação e democracia do que coerção, e mais redes e conectividade do que hierarquias.

    Abstract in English:

    Abstract In this article, I examine Latin American regionalism from the collapse of the Free Trade Area of the Americas (FTAA) to the emergence and development of the Pacific Alliance (PA) in the period 2005 to 2015. For most of the research, I use the main economic blocs in the region, Mercosur as well as the PA, as the units of analysis. The main findings are that since the FTAA’s collapse, integration processes have become more heterogeneous; that Mercosur and the PA contrast with one another in political-economic terms; that the Brazilian project of establishing a post-liberal/post-hegemonic regionalism in South America has not succeeded; and that regional demand for Brazilian products is at risk of shifting to other markets in the medium to long term, thus further undermining its aspirations towards regional leadership. All of this is evidence of a decentred economic regionalism – that is, a form of regionalism in which no single state is in central command, or has enough followers to assume leadership and establish a dominant conception of integration and regional cooperation. Other factors contributing to this decentralisation are the poor economic performance of Brazil and Mexico, and the US government’s changed attitude towards trade relations with Latin America. Despite this, I argue that Latin American countries do need to strengthen cooperation within and among these regional blocs, aimed at promoting their joint global competitiveness. This will require cooperation rather than coercion, and networks and connectivity rather than hierarchies.
  • The Amazon and the Internationalisation of Chinese Companies Articles

    Wegner, Rubia Cristina; Fernandes, Marcelo Pereira

    Abstract in Portuguese:

    Resumo O objetivo deste artigo é analisar o investimento direto externo anunciado e em curso de empresas da China na região amazônica, principalmente no Brasil, que contempla a maior parte da região, e no Peru. Traremos também em certa medida a região amazônica que atravessa a Colômbia e o Equador. Esses países constituem um dos eixos de integração sul-americana pela infraestrutura, e a construção de uma rodovia ligando o Peru e o Brasil ao Pacífico foi planejada. Segmentos como mineração, petróleo e grãos têm sido alvo da internacionalização produtiva das empresas chinesas. Nos países analisados, o volume de investimentos diretos anunciados e em andamento de empresas chinesas é de fato significativo, visando as indústrias de recursos naturais acima destacados. O grande projeto de infraestrutura anunciado será um apoio logístico para as empresas que anunciaram investimentos na Amazônia, especialmente entre o Brasil e o Peru. Mesmo que esses países e os outros cinco que compartilham a floresta amazônica tenham apresentado algumas propostas de cooperação, eles não desenvolveram uma abordagem comum para a recepção de investimentos de empresas chinesas.

    Abstract in English:

    Abstract The objective of this article is to analyse the announced and ongoing foreign direct investment of companies from China in the Amazon region, mainly in Brazil, which covers most of the region, and Peru. We will also to a certain extent include the Amazon region that crosses Colombia and Ecuador. These countries constitute one of the centres of South American integration due to their infrastructure, and the construction of a highway linking Peru and Brazil to the Pacific has been planned. Segments such as mining, petroleum and grains have been the target for the productive internationalisation of Chinese companies. In the analysed countries, the volume of announced and ongoing direct investment of Chinese companies is indeed significant, targeting the above-mentioned natural resource industries. The large infrastructure project announced will be a logistical support for the companies that announced investments in the Amazon, especially between Brazil and Peru. Even though these countries and the other five that share the Amazon rainforest have presented some proposals of co-operation, they have not developed a common approach for the reception of investments from Chinese companies.
  • Brazil, Foreign Policy and Climate Change (1992-2005) Articles

    Kiessling, Christopher Kurt

    Abstract in Portuguese:

    Resumo Desde a emergência na agenda ambiental em arena global, o Brasil tem sustentado uma posição ativa nos debates sobre esse tema. Embora o Brasil tenha sido protagonista, sua política externa tem mostrado algumas transformações na sua abordagem em relação à mudança climática nos últimos anos. Da mesma forma, as modalidades sob as quais esta questão tem sido tratada como problema desde 1992 são de fundamental importância para interpretar a posição brasileira nas negociações internacionais e as mudanças ocorridas ao longo dos anos. O objetivo desse artigo é compreender o arcabouço discursivo sobre o qual a política externa de mudanças climáticas no Brasil foi estruturada a partir de um ponto de vista construtivista das Relações Internacionais. Usando essa abordagem, este artigo estuda as influências internacionais e as condições internas da política climática brasileira nas negociações da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC). As principais fontes dessa pesquisa são entrevistas semiestruturadas com atores estatais e não estatais no Brasil, complementadas com uma revisão de fontes secundárias, como documentos oficiais e trabalhos acadêmicos.

    Abstract in English:

    Abstract Since the emergence of the environmental agenda in the global arena, Brazil has maintained an active position in the debates around this topic. Although Brazil has always been a protagonist, its foreign policy has shown some changes in relation to addressing climate change in recent years. Likewise, the modalities under which this issue has been framed as a problem since 1992 are fundamentally important to interpreting the Brazilian position in international negotiations and the changes in them over the years. The objective of the following article is to understand the discursive framework on which the foreign policy of climate change in Brazil was structured from a constructivist standpoint on International Relations. Using this approach, this article studies both the international influences and the internal conditions of Brazilian climate policy in the negotiations of the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC). The main sources of this research are semi-structured interviews with state and non-state actors in Brazil, complemented with a review of secondary sources such as official documents and academic papers.
  • Book Review: Evidence for Hope: Making Human Rights Work in the 21st Century Book Review

    Hernandez, Matheus de Carvalho
  • A Revolução Bipolar: a gênese e derrocada do socialismo soviético Book Review

    Rodrigues, Theófilo Machado
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Instituto de Relações Internacionais Rua Marques de São Vicente, 225 - Casa 20 , 22453-900 Rio de Janeiro - RJ - Brasil, Tel.: (55 21) 3527-2284, Fax: (55 21) 3527-1560 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: cintjournal@puc-rio.br